As relações da neurolinguística discursiva com os familiares das crianças em processo de aprendizado de escrita e leitura

Autores

  • Monica Filomena Caron Universidade Federal de São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v60i2.8648713

Palavras-chave:

Escola. Família. Políticas públicas.

Resumo

A proposta do artigo é mostrar a relação da área da Neurolinguística Discursiva (ND) inaugurada por Coudry (1986) com os familiares de crianças acompanhadas no Centro de Convivência de Linguagem (CCazinho/IEL-UNICAMP). Retrata uma importante e atual questão relacionando duas instituições em transformação: a Família e a Escola. A reflexão sobre essa relação é sustentada teoricamente por autores relevantes para a ND, como Vygotsky, Luria e Agamben. O artigo dá visibilidade a aspectos complexos da relação Escola e Família explicitando, por um lado, a diversidade de ordenações familiares, as desigualdades culturais e materiais de grande parte das famílias e, de outro, a ineficiência da escola em praticar uma gestão de aplicação de recursos tendo como finalidade o processo de aprendizagem de seus alunos, o que acaba por culminar no fracasso escolar. Defende que acontecimentos implicados na construção de parceria entre as duas instituições em benefício da criança/aluno, poderiam interferir positivamente nas proposições de Políticas Públicas Educacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monica Filomena Caron, Universidade Federal de São Carlos

Graduação (1995) em Psicologia pela USP, campus Ribeirão Preto/SP - Bacharelado, Licenciatura e Formação de Psicólogo, pós-graduação lato-senso (1996) em Psicopedagogia Aplicada à Neurologia Infantil, na Faculdade de Medicina da UNICAMP, pós-graduação lato-senso (2003), no Laboratoire d´Études sur l´Acquisition et la Pathologie su Langage (LEAPLE) - Université René Descartes, Faculté des Sciences Humaines et Sociales - Sorbonne - Paris V, mestrado (2000) e doutorado (2004) em Linguística Aplicada ao Ensino/Aprendizagem de Língua Materna, pela UNICAMP, no Instituto de Estudos da Linguagem. Pós-doutorado (2012-2013) em Linguística no Instituto de Estudos da Linguagem, UNICAMP, junto ao Projeto Integrado em Neurolinguística: práticas com a linguagem e documentação de dados. Docente no Programa de Pós-Graduação em Gestão de Organizações e Sistemas Públicos da UFSCar. Tutora do Grupo PET/Saberes Indígenas da UFSCar (início em Dez/2016).

Referências

AGAMBEN, G. Infância e História: destruição da experiência e origem da história. Trad. Henrique Burico. Belo Horizonte: 1978/2005.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 25. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações, 2005. (Série textos básicos, n. 37).

BRUNER, J. Atos de Significação. Trad. por Sandra Costa. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997. p. 130.

CARVALHO, M. E. P. Modos de educação, gênero e relações escola-família. Cad. Pesqui. [online]. 2004, vol.34, n.121, pp. 41-58. ISSN 0100-1574. In: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S0100-15742004000100003&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em 3 de agosto de 2016.

COUDRY, M. I. H. Diário de Narciso. Discurso e afasia: análise discursiva de interlocuções com afásicos. Tese de doutorado, UNICAMP. 1986.

FRANCHI, C. “Linguagem – atividade constitutiva”. In: Almanaque 5. São Paulo: Brasiliense. 1977.

FRANCHI, C. “Criatividade e gramática”. In: Trabalhos em Linguística Aplicada. Campinas, v. 9. 1987.

FREIRE, P. A Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 21a ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HÖFLING, E. de M. Estado e políticas (Públicas) Sociais. Cadernos Cedes, ano XXI, no 55, novembro/2001.

LEONTIEV, A. N. Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In: VIGOTSKI, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Trad. Maria Penha Villalobos. São Paulo: Ícone, EDUSP, 1988. pp. 59-83.

LURIA, A. A psicologia experimental e o desenvolvimento infantil. In: VIGOTSKI, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Trad. Maria Penha Villalobos. São Paulo: Ícone, EDUSP, 1988. pp. 85-102.

MARTINS, L. M.; FRANÇA, A. P. D.; KIMURA, M. Qualidade de vida de pessoas com doença crônica. Rev. Latino-am. enfermagem, Ribeirão Preto, v. 4, n. 3, pp. 5-18, dez. 1996.

MENEZES-FILHO, N. Os determinantes do desempenho escolar do Brasil. Instituto Futuro Brasil, Ibmec-SP e FEA-USP. In: http://www.cepe.ecn.br/seminarioiv/download/menezes_filho.pdf. Acesso em 19 de out. de 2016.

QUINTANA, A. M.; ARPINI, D. M.; PEREIRA, C. R. R.; SANTOS, M. S. A vivência hospitalar no olhar da criança internada. Ciência, Cuidado e Saúde, v. 6, n. 4, pp. 414-423, out./dez. 2007.

TOURAINE, A. Critica da Modernidade. Petrópolis: Vozes, 1994.

VYGOTSKY, L. S. (1926). Psicologia Pedagógica. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

VYGOTSKY, L. S. (1934). Pensamento e Linguagem. Trad. por M. Resende. 42ª ed., Lisboa: Antídoto, 1979.

Downloads

Publicado

2018-09-03

Como Citar

CARON, M. F. As relações da neurolinguística discursiva com os familiares das crianças em processo de aprendizado de escrita e leitura. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 60, n. 2, p. 545–561, 2018. DOI: 10.20396/cel.v60i2.8648713. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8648713. Acesso em: 8 dez. 2021.

Edição

Seção

Neurolinguística discursiva: reflexões sobre ensino-aprendizagem de crianças com ou sem patologias