A dimensão discursiva da cognição ou a dimensão cognitiva do discurso

Autores

  • Fernanda Mussalim Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v60i2.8651036

Palavras-chave:

Neurolinguística discursiva. Cognição distribuída. Dispositivo comunicacional. Afasia.

Resumo

Resumo: Neste ensaio, pretendo me debruçar sobre aspectos discursivos da produção da linguagem – tanto do ponto de vista teórico, quanto analítico – a fim de demonstrar a produtividade da proposta da Neurolinguística de tradição discursiva (ND), postulada/praticada por Maria Irma Hadler Coudry. Mais especificamente, buscarei demonstrar, a partir da consideração de um dado que compõe o Banco de Dados em Neurolinguística (BDN), como a proposta da ND, que assume os processos discursivos/interacionais como princípio teórico-metodológico de base, pode lançar luzes sobre conceitos oriundos do Sociocognitivismo, mais especificamente, para os propósitos deste texto, sobre o conceito de cognição distribuída (FLOR, HUTCHINS, 1991). Observar o trabalho realizado no Centro de Convivência de Afásicos (CCA), criado por Coudry em 1989 no Instituto de Estudos da Linguagem (IEL-UNICAMP), possibilitou-me perceber a necessidade de propor, para a concepção de cognição distribuída, a incorporação da noção de dispositivo comunicacional (MAINGUENEAU, 2002, 2006, 2015) – ao menos quando o objetivo central da pesquisa é tratar questões de linguagem, como é o caso do trabalho com os afásicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Mussalim, Universidade Federal de Uberlândia

Docente do Instituto de Letras e Linguística da Universidade Federal de Uberlândia. Bolsista PQ pelo CNPq. E-mail: fmussalim@gmail.com. Homepage: www.fernandamussalim.com.br.

Referências

COLE, M., ENGESTRÖM, Y. A cultural-historical approach to distributed cognition. In SALOMON, G. (Ed.). Distributed cognitions. New York: Cambridge University Press, 1993. p. 1-46

COUDRY, Maria Irma Hadler. Diário de Narciso: avaliação e acompanhamento longitudional de linguagem de sujeitos afasicos de uma perspectiva discursiva. Tese (Doutorado em Linguística). Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas,1986.

COUDRY, Maria Irma Hadler. Diário de Narciso: discurso e afasia. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

COUDRY, Maria Irma Hadler. Diário de Narciso e Neurolinguística Discursiva: 30 anos depois. Cadernos de Estudos Linguísticos, Vol. 60 (2), 2018.

COUDRY, Maria Irma Hadler. Neurolinguística discursiva: afasia e infância, um encontro possível. Projeto (Produtividade em Pesquisa CNPq, Processo n. 311504/2016-7). Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, Brasília, 2016.

COUDRY, Maria Irma Hadler, FREIRE, Fernanda Maria Pereira. Fala e leitura: uma (re)entrada para a escrita. Cadernos de Estudos Linguísticos – (59.3), Campinas, p. 565-579 - set./dez. 2017.

COURTINE, Jean-Jacques. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. Trad. C. de Campos et, al. São Carlos: EdUFSCar, 2009. (Título original: Quelques problèmes théoriques et méthodologiques em analyse du discours. À propôs du discours communiste adresse aux chrétiens. Langages 62, 1981).

DEBRAY, Régis. Cours de médiologie générale. Paris: Gallimard, 1991.

DUCROT, Oswald. Princípios de semântica linguística: dizer e não dizer. Trad. C. Vogt, R. Ilari. São Paulo: Cultrix, 1977. (Título original: Dire et ne pas dire. Principes de sémantique linguistique, 1972).

FLOR, Nick, HUTCHINS, Edwin. Analyzing distributed cognition in software teams: a case study of team programming during perfective software maintenance. In: Proceedings of the fourth annual workshop on empirical studies of programmers. Norwood, N. J. Anais... Norwood, N. J: Ablex Publishing, 1991. p. 36–59.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. 7. ed. Trad. L. F. B. Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004. (Título original: L’archéologie du savoir, 1969).

HUTCHINS, Edwin. The technology of team navigation. In: GALEGHER, JOLENE; KRAUT, ROBERT; EGIDO, CARMEN. Intellectual Teamwork: social and technological foundations of cooperative work. Hillsdale, N. J: LEA, 1990. p. 191-220.

HUTCHINS, Edwin. Cognition in the wild. Cambridge, MA: MIT Press, 1995a.

HUTCHINS, Edwin. How a cockpit remembers its speeds. Cognitive Science, n. 19, p. 265-288, 1995b.

HUTCHINS, Edwin. Cognitive artifacts. 2002. Disponível em: <http://ato.ms/MITECS/Entry/boster.html>. Acesso em: 11 fev., 2017.

HUTCHINS, Edwin, KLAUSEN, Tove. Distributed Cognition in an Airline Cockpit. In: MIDDLETON, DAVID; ENGESTRON, YRJÖ. Communication and cognition at work. Cambridge: CUP, 1996.

HENRY, Paul. Construções relativas e articulações discursivas. Trad. J. W. Geraldi , C. M. Cruz. Cadernos de Estudos Linguísticos. Campinas: Unicamp-IEL, n. 19, jul./dez., 1990. p. 43-64 (Título original: Contructions relatives e articulations discursive. Langages 35, 1975).

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002. (Título Original: Analyser les textes de communication, 1998).

MAINGUENEAU, Dominique. Discurso literário. São Paulo: Contexto, 2006. (Título original: Le discours littéraire, 2005).

MAINGUENEAU, Dominique. Discurso e análise do discurso. São Paulo: Parábola, 2015. (Título original: Discours et analyse du discours - Introduction, 2014).

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos discursos. Trad. S. Possenti. Curitiba: Criar Edições, 2005. (Título original: Genèses du discours, 1984).

NORMAN, Donald. Cognitive artifacts. In: CARROLL, John Millar (Org.). Designing Interaction: psychology at the human-computer interaction interface. New York: Cambridge University Press, 1991.

PAVEAU, Anne-Marie. Os pré-discursos: sentido, memória, cognição. Trad. G. Costa, D. Massmann. Campinas: Pontes, 2013. (Título original: Les prédiscours. Sens, mémoire, cognition, 2006).

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. E. P. Orlandi et. al. Campinas: Editora da Unicamp, 1988. (Título original: Les verités de la Palice. Linguistique, sémantiques, philosophie, 1975).

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura e acontecimento. Campinas: Pontes, 1990. (Título original: Discourse: structure or event?, 1983).

Downloads

Publicado

2018-09-03

Como Citar

MUSSALIM, F. A dimensão discursiva da cognição ou a dimensão cognitiva do discurso. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 60, n. 2, p. 400–413, 2018. DOI: 10.20396/cel.v60i2.8651036. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8651036. Acesso em: 8 dez. 2021.

Edição

Seção

Neurolinguística discursiva: autoria, transmissão, revolução conceitual e metodológica