Banner Portal
Representação feminina em dicionários
PDF

Palavras-chave

Mulher
Semântica cognitiva
Lexicografia

Como Citar

OLIVEIRA, Ana Flávia Souto de. Representação feminina em dicionários: análise semântico-cognitiva do verbete mulher em dicionários tipo 4. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 64, n. 00, p. e022031, 2022. DOI: 10.20396/cel.v64i00.8658733. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8658733. Acesso em: 21 jul. 2024.

Resumo

Neste trabalho, analisamos o verbete mulher nos quatro dicionários Tipo 4 selecionados pelo MEC no PNLD/Dicionários (2012) com o objetivo de avaliar a representação feminina contida nessas obras direcionadas ao público aprendiz de Ensino Médio. Com base no aporte teórico da Semântica Cognitiva, identificamos os modelos cognitivos e os frames evocados pelo item mulher em ocorrências extraídas de um corpus para, então, contrastar esses modelos de entendimento com as informações contidas nos verbetes dos dicionários: as acepções, as marcas de uso, os exemplos e a própria redação das definições. Nossos resultados apontam que os dicionários avaliados apresentam uma rede léxico-conceptual que reproduz características estereotipadas nos verbetes de mulher e conceptualizações que estão em desacordo com os papéis sociais e as expectativas atuais sobre a representação feminina.

https://doi.org/10.20396/cel.v64i00.8658733
PDF

Referências

AULETE, Caldas; VALENTE, A. L. S. Aulete digital: Dicionário contemporâneo da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Lexikon Editora Digital, 2006.

BECHARA, E. Dicionário da língua portuguesa Evanildo Bechara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

BORBA, F. S. Dicionário Unesp do português contemporâneo. Curitiba: Piá, 2011.

BRANGEL, L. M. Contribuições para a Lexicografia Pedagógica a partir de dados extraídos de livros didáticos. Estudos da Língua(gem), v. 11, n. 2, p. 43-61, 2013.

BRASIL, 2012. Com Direito à Palavra: dicionários em sala de aula. Autor: E. O. Rangel. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2012.

FILLMORE, C. Frame semantics. In: Geeraerts, Dirk. Cognitive linguistics: Basic readings. Berlin/New York: Mouton de Gruyter, p. 373-400, 2006.

GEERAERTS, D. A rough guide to Cognitive Linguistics. In: Geeraerts, Dirk. Cognitive linguistics: Basic readings. Berlin/New York: Mouton de Gruyter, p. 1-28, 2006.

GEIGER, P. (org.). Novíssimo Aulete dicionário contemporâneo da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Lexikon, 2011.

G1, n. d. Dicionário Michaelis muda verbete de casamento após pressão online http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2015/07/dicionario-michaelis-muda-verbete-de-casamento-apos-pressao-online.html. Acessado em: 28/08/2019.

HARTMANN, R. R. K.; JAMES, G. Dictionary of lexicography. London/New York: Routledge, 1998.

HOUAISS, A. (org.); VILLAR, Mauro de Salles (ed. resp.). Dicionário Houaiss conciso. São Paulo: Moderna, 2011.

HUMBLÉ, P. Um começo de conversa. In: Xatara, C.; C. R. Bevilacqua e P. R. M. Humblé (orgs.). Dicionários na teoria e na prática: como e para quem são feitos. São Paulo: Parábola, 2011.

LAKOFF, G. Cognitive models and prototype theory. In: Margolis, E. e S. Laurence (orgs.). Concepts: Core Readings, Cambridge/London: MIT Press. p. 391-421, 1999.

LAKOFF, G. Women, fire, and dangerous things. Chicago/London: UCP, 2008.

LAKOFF, G; JOHNSON, M. Metaphors we live by. Chicago/London: UCP, 1980.

LINGUATECA, n. d. http://linguateca.pt/. Acessado em 28/08/2019.

MICHAELIS. Moderno dicionário da língua portuguesa. São Paulo: Nova Cultural. 1998.

MICHAELIS ONLINE. Dicionário da Língua Portuguesa. Dicionário online Uol. São Paulo: Melhoramentos, 2009.

PRIBERAM, n. d. Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. http://www.priberam. pt/dlpo. Acessado em 04/09/2019.

SARDINHA, T.; MOREIRA FILHO, J. L.; ALAMBERT, E. Corpus Brasileiro, 2010. Disponível em: http://www.linguateca.pt/acesso/corpus.php?corpus=CBRAS. Acessado em: 28/08/2019.

THE INTERCEPT, n. d. Primeira advogada trans negra do MS: ‘Todo mundo gosta de travesti na esquina, não na universidade’. https://theintercept.com/2019/09/05/primeira-advogada-trans-do-ms-todo-mundo-gosta-de-travesti-na-esquina-nao-na-universidade/. Acessado em: 15/11/2019.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Cadernos de Estudos Linguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.