¿Está cerrada la frontera o pasa algo?

línguas de fronteira e o cotidiano da fronteira Brasil/Argentina em tempos de pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v64i00.8668053

Palavras-chave:

Fronteira, Jurídico, Cotidiano

Resumo

Este artigo, fundamentado na Análise de Discurso (AD) materialista, traz discussões acerca do espaço de fronteira, focalizando-se especificamente numa reflexão a respeito dos sujeitos e das línguas em funcionamento no cotidiano da fronteira entre Dionísio Cerqueira-SC, Barracão-PR (Brasil) e Bernardo de Irigoyen (Misiones, Argentina), no período de pandemia de covid-19. O corpus é composto por enunciados selecionados de uma entrevista produzida pelo canal de televisão Noticiasdel6 de Posadas (Argentina) e de um anúncio divulgado pela Radio Provincial LT 46, da cidade argentina de Bernardo de Irigoyen. Assim, as principais considerações realizadas neste estudo versam sobre as análises do enunciado ¿Está cerrada la frontera o pasa algo, intendente?, que, colocado em diálogo com o anúncio da rádio, possibilitam observar uma relação desigual entre organização e ordem da fronteira. Essa pergunta também leva a questionar o funcionamento do Jurídico na fronteira pois, mesmo com os decretos oficiais publicados por Brasil e Argentina determinando o fechamento das fronteiras, as práticas cotidianas e ordinárias irrompem, perfuram o trabalho do Jurídico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marilene Aparecida Lemos, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. Docente da Universidade Federal da Fronteira Sul.

Referências

-11-20 Guillermo Fernandez – Intendente Bernardo de Irigoyen. Noticiasdel6, 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=LQyYdUEHP0A Acesso em: 13 jan. 2021.

ALTHUSSER, L. Sobre a reprodução. Louis Althusser. Tradução Guilherme João de Freitas Teixeira. Petrópolis: Vozes, 1999.

BARBOSA FILHO, F. R. (Des)organização, técnica e racionalidade no imaginário urban(ístic)o. Entremeios: revista de estudos do discurso, Pouso Alegre-MG, v. 2, nº 1, p. 1-7, jan/2011.

CELADA, M. T. Quais as razões do espanhol como língua estrangeira para o brasileiro? In: 16° COLE – Congresso de Leitura do Brasil, 2007, Campinas. Anais do 16° COLE – No mundo há muitas armadilhas e é preciso quebrá-las. Campinas: ALB e outras.

DE CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. 3ª ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

Diccionario de la lengua española. Real Academia Española. Disponível em: https://dle.rae.es/ Acesso em: 19 ago. 2021.

Diccionario de Lengua española – General. El vocabulario general del español de América y España. Larousse Editorial, S.L. 1ª reimpresión. Barcelona: Vox, 2013.

Diccionario del estudiante: 40.000 verbetes. Real Academia Española. 1ª ed. São Paulo: Moderna, 2005.

Diccionario Salamanca de la lengua española. Santillana Educación, S.L. 1ª ed. São Paulo: Moderna, 2005.

FERREIRA, A. C. F. O cotidiano na História das ideias Linguísticas. Línguas e instrumentos linguísticos, Campinas-SP: Pontes/Projeto HIL, v. 23, nº 46, p. 4-30, jul./dez. 2020. DOI: https://doi.org/10.20396/lil.v23i46.8661675

Grande Dicionário Houaiss. Disponível em: https://houaiss.uol.com.br Acesso em: 4 abr. 2022.

HAROCHE, C. Fazer dizer, querer dizer. Tradução Eni Pulcinelli Orlandi. São Paulo: Ed. Hucitec, 1992.

LEMOS, M. A. Entre espaços, sujeitos e línguas: a produção da fronteira em Dionísio Cerqueira-SC, Barracão-PR (Brasil) e Bernardo de Irigoyen (Misiones, Argentina) nos relatos de viagens. 211 p. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2019.

LEMOS, M. A. Pandemia e frontera cerrada: entre limite(s) e deslimite(s). Cadernos de Linguística, v. 2, n. 2, e378, 2021. DOI: https://doi.org/10.25189/2675-4916.2021.v2.n2.id378

Michaelis. Dicionário Escolar Espanhol. Espanhol-Português. Português-Espanhol. Editora Melhoramentos Ltda. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/ Acesso em: 7 jul. 2022.

Nueva gramática de la lengua española. Real Academia Española y Asociación de Academias de la Lengua Española. Disponível em: https://aplica.rae.es/grweb/cgi-bin/buscar.cgi Acesso em: 7 jul. 2022.

ORLANDI, E. P. A cidade como espaço político-simbólico: textualização e sentido público. In: _____. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes, 2001, p.185-214.

ORLANDI, E. P. N/O limiar da cidade. Rua, Campinas, número especial, p. 7- 19, 1999.

ORLANDI, E. P. Ordem e organização na língua. In: _____. Interpretação; autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 5ª ed. Campinas: Pontes Editores, 2007. p. 45-51.

ORLANDI, E. P.; SOUZA, T. C. C. de. A língua imaginária e a língua fluida: Dois métodos de trabalho com a linguagem. In: ORLANDI, E. (org.). Política Linguística na América Latina. Campinas, Pontes, 1988.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Michel Pêcheux. Tradução Eni Puccinelli Orlandi. 5ª ed. Campinas: Pontes Editores, 1990 [1983].

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Michel Pêcheux. Tradução Eni Puccinelli Orlandi et al. 4ª ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2009 [1975].

Radio Provincial LT 46 de Bernardo de Irigoyen. Disponível em: https://www.facebook.com/Radio-LT-46-226208690799522/ Acesso em: 13 jan. 2021.

ROCHA LIMA. C. H. Gramática Normativa da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: José Olympio, 2011.

RODRÍGUEZ-ALCALÁ, C. Discurso e cidade: a linguagem e a construção da “evidência do mundo”. In: RODRIGUES, E. A. et al. (Orgs.). Análise de discurso no Brasil: Pensando o impensado sempre. Uma homenagem a Eni Orlandi. Campinas: Editora RG, 2011, p. 243-258.

RODRÍGUEZ-ALCALÁ, C. Nota sobre a noção de cultura e sua relação com a de civilização como observatório das formas de vida social. Fragmentum, n° Especial, jul-dez. Santa Maria: Editora Programa de Pós-Graduação em Letras, UFSM, 2018. DOI: https://doi.org/10.5902/2179219436583

Salvat léxico – Diccionario de la lengua. Salvat Editores, S.A. España, 2001.

Señas: diccionario para la enseñanza de la lengua española para brasileños. Universidad de Alcalá de Henares. Departamento de Filologia; tradução de Eduardo Brandão, Claudia Berliner. – 3ª ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

ZOPPI-FONTANA, M. G. É o nome que faz a fronteira. In: INDURSKY, F.; LEANDRO FERREIRA, M. C. (Orgs.). Os múltiplos territórios da Análise do Discurso. Porto Alegre: Editora Sagra Luzzatto, 1999b, p. 202-215.

ZOPPI-FONTANA, M. G. Um estranho no ninho – entre o jurídico e o político: o espaço público urbano. Rua, Campinas, número especial, p. 53-65, 1999a.

Downloads

Publicado

2022-08-03

Como Citar

LEMOS, M. A. ¿Está cerrada la frontera o pasa algo? línguas de fronteira e o cotidiano da fronteira Brasil/Argentina em tempos de pandemia. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 64, n. 00, p. e022027, 2022. DOI: 10.20396/cel.v64i00.8668053. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8668053. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção Geral