Banner Portal
Macedo Soares, Amélia Mingas e a historiografia linguística transatlântica
PDF

Palavras-chave

Terminologia
História linguística transatlântica
Historiografia linguística

Como Citar

COELHO, Olga; SANTOS, Eduardo Ferreira dos. Macedo Soares, Amélia Mingas e a historiografia linguística transatlântica. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 64, n. 00, p. e022020, 2022. DOI: 10.20396/cel.v64i00.8668269. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8668269. Acesso em: 19 abr. 2024.

Resumo

Este texto apresenta exercícios preliminares de análises historiográficas, com a finalidade de trazer ao debate um modo de trabalho em implementação. Esse modo de trabalho desenvolve-se no âmbito de um projeto coletivo de estudo da história linguística transatlântica e tem por metas gerais contextualizar documentos estratégicos para a compreensão dessa história e examinar, do ponto de vista da Historiografia Linguística, conceitos e termos nos quais o saber sobre as ‘línguas’ desse contexto tem se apoiado, a fim de evidenciar características que podem ser distribuídas em um eixo que vai do eurocêntrico ao descolonial. Pretende-se, com isso, contribuir para a reflexão sobre usos contemporâneos da (meta)linguagem. Neste artigo, contextualizamos e examinamos textos de Antônio Joaquim de Macedo Soares (Brasil, 1838-1905) e Amélia Arlete Dias Rodrigues Mingas (Angola, 1940-2019), ilustrando duas das estratégias de implementação da proposta.

https://doi.org/10.20396/cel.v64i00.8668269
PDF

Referências

ALMEIDA, F. S. Epistemicídio. In: LANDULFO, C., MATOS, D. (Orgs.). Suleando conceitos em linguagens. Decolonialidades e espistemologias outras. Campinas: Pontes, 2022, p. 163-175.

ALVES, L. Significações de ser branco. A brancura no corpo e para além dele. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

ANTONACCI, M. A. M. Memórias ancoradas em corpos negros. 2ª ed. São Paulo: EDUC, 2015.

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. [Trad. Eni Puccinelli Orlandi]. Campinas: Editora da Unicamp, 1992.

BAPTISTA, L. Colonialidade da linguagem. In: LANDULFO, C., MATOS, D. (Orgs.). Suleando conceitos em linguagens. Decolonialidades e espistemologias outras. Campinas: Pontes. 2022, p. 51-58

BENTO, M. A. S.; CARONE, I. (Org.). Psicologia social do racismo. Estudos sobre branquitude e branqueamento. 6ª.ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

BERNARDINO-COSTA, J., MALDONADO-TORRES, N.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. 2ª. ed., 3ª. reimpressão. Belo Horizonte: Autêntica, 2020.

BOTELHO, G. R. Branquitude. In: Suleando conceitos e linguagens. Decolonialidades e epistemologias outras. Campinas: Pontes. 2022, p. 33-41.

CARDOSO, L. O branco ‘invisível’. Um estudo sobre a emergência da branquitude nas pesquisas sobre as relações raciais no Brasil (período: 1957-2007). Dissertação de mestrado. Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Coimbra, 2008.

CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Coords.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre, Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos, Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007.

COELHO, O. Os nomes da língua: configuração e desdobramentos do debate sobre a língua brasileira no século XIX. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros [en linea], (47), p.139-160, 2008. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=405641269008. Acesso em: 28 de maio de 2022.

COELHO, O. O Português do Brasil em Macedo Soares (1838-1905). Límite. Revista de estudios portugueses y de lusofonia. Universidad de Extremadura, nº 6, p. 199-215, 2012. Disponível em: http://hdl.handle.net/10662/8414. Acesso em: 28 de maio de 2022.

COELHO, O.; FINBOW, T. Apontamentos para uma história linguística transatlântica e descolonizada do português do Brasil: o contato e a diversidade em foco In: VIEIRA, F. E.; BAGNO, M. (Orgs.). História das Línguas, Histórias da Linguística. Homenagem a Carlos Alberto Faraco. São Paulo: Parábola, 2020, p. 61-84.

DU BOIS, W. E. B. The souls of black folk. Oxford/New York: Oxford University Press, 2007 [1903].

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EdUFBA, 2008[1952].

GROSFOGUEL, R. Decolonizing post-colonial studies and paradigms of political-economy: transmodernity, decolonial thinking and global coloniality. Transmodernity: Journal of Peripheral Cultural Production of the Luso-Hispanic World, v. I, n. 1, p. 1-38, 2011. Disponível em: https://escholarship.org/uc/item/21k6t3fq. Acesso em: 28 de maio de 2022.

GROSFOGUEL, R. Descolonizando los universalismos occidentales: el pluriversalismo transmoderno decolonial desde Aimé Césaire hasta los zapatistas. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.). El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo de Hombre Editores, 2007, p. 63-77.

JESUS, C. M. Branquitude x branquidade. Uma análise conceitual do ser branco. Encontro Baiano de Estudos em Cultura UFRB, 3, 2012, [s.n.]. Disponível em: https://www2.ufrb.edu.br/ebecult/wp-content/uploads/2012/05/Branquitude-x-branquidade-uma-ana-%c3%83%c3%85lise-conceitual-do-ser-branco-.pdf. Acesso em: 20 de maio de 2022.

LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

MACEDO SOARES, A. J. de. Estudos lexicographicos do dialecto brazileiro IV: “Sobre algumas palavras africanas introduzidas no portuguez que se fala hoje no Brazil”. Revista Brazileira, tomo IV, 2, p. 243-271, 1880.

MACEDO SOARES, A. J. Diccionario brazileiro da lingua protugueza: elucidario etimologico critico das palavras e frases que, originarias do Brasil, ou aqui populares, se não encontram nos dicionários da língua portuguesa, ou neles vem com forma ou significação diferente. [Colligido, rev. e complementado por Julião Rangel de Macedo Soares]. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, Instituto Nacional do Livro, 1954[1875-1888].

MALDONADO-TORRES, N. Transdisciplinaridade e decolonialidade. Sociedade e estado., v. 31, n. 1, p. 75-97, 2016. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/sociedade/article/view/6080/5456. Acesso em: 28 de maio de 2022.

MALDONADO-TORRES, N. El pensamiento filosófico del ‘giro descolonizador’. In DUSSEL, E., MENDIETA, E., BOHORQUEZ, C. (Eds). El pensamiento filosófico latino-americano, del Caribe, e “Latino” (1300-2000). Mexico D. F.: Siglo Veintiuno Editores, 2011, p. 683-697.

MALDONADO-TORRES, N. 2020. Analítica da colonialidade e da decolonialidade. Algumas dimensões básicas. In BERNARDINO-COSTA, J., MALDONADO-TORRES, N.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. 2ª. ed., 3ª. reimpressão. Belo Horizonte: Autêntica, 2020, p. 27-53.

MENDONÇA, R. A influência africana no português do Brasil. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2012[1933].

MIGNOLO, W. A geopolítica do conhecimento e a diferença colonial. Revista Lusófona de Educação, 48, p.187-224, 2020. Disponível em: https://revistas.ulusofona.pt/index.php/rleducacao/article/view/7324. Acesso em: 28 de maio de 2022.

MIGNOLO, W. Desobediência epistémica. Retórica de la modernidade, logica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Del Signo, 2010.

MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica. A opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF. Dossiê: Literatura, língua e identidade, no 34, p. 287-324, 2008.

MINGAS, A. A. Português em Angola: reflexões. VIII Encontro das Universidades de Língua Portuguesa. Comunicação oral. 1998. Disponível em https://ameliamingas.org/s/Portugues-em-Angola-Reflexoes.pdf. Acesso em: 29 de maio de 2022.

MINGAS, A. A. Interferência do kimbundu no português falado em Lwanda. Porto: Campo das Letras, 2000.

NASCIMENTO, G. Entre o lócus de enunciação e o lugar de fala. Marcar o não-marcado e trazer o corpo de volta na linguagem. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, no. 60.1, 2021, p. 58-68. Disponível em https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8661808. Acesso em: 20 de maio de 2022.

NASCIMENTO, G. O negro-tema na Linguística: rumo a uma descolonização do racialismo e do culturalismo racialista nos estudos da linguagem. In Polifonia. Cuiabá-MT, v.27, n.46, p. 01 a 235, abr.-jun., 2020. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/9560. Acesso em: 26 de maio de 2020.

NEGRÃO, E.; VIOTTI, E. Em busca de uma história linguística. Revista de estudos da linguagem, v.20, n.2, p. 309-342, 2012. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/2752/2707. Acesso em: 28 de maio de 2022.

PEIXOTO, A. C. Obra nova de língua geral de Mina de António da Costa Peixoto.Manuscrito da Biblioteca Pública de Évora publicado e apresentado por Luís Silveira e acompanhado de comentário filológico de Edmundo Correia Lopes. Lisboa: Agência Geral das Colónias, 1945[1731/1741].

PETTER, M. A presença de línguas africanas na América Latina. Linguística, v.26, p.78-96, 2011. Disponível em: http://mundoalfal.org/sites/default/files/revista/26_linguistica_078_096.pdf. Acesso em: 28 de maio de 2022.

PINTO, E. P. O português do Brasil textos críticos e teóricos. Vol. 2 (1920/1945). Fontes para a teoria e a história. Rio de Janeiro/São Paulo: Livros Técnicos e Científicos/ EDUSP, 1981.

PINTO, E. P. O português do Brasil textos críticos e teóricos. Vol. 1 (1820-1920). Fontes para a teoria e a história. Rio de Janeiro/São Paulo: Livros Técnicos e Científicos/ EDUSP, 1978.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder, cultura y conocimiento en América Latina. Dispositio, v. 24, n. 51, p. 137-148, 1999. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/41491587. Acesso em: 29 de maio de 2022.

RAMOS, A. G. Introdução crítica à sociologia brasileira. Rio de Janeiro: Editorial Andes Limitada, 1957.

RESTREPO, E.; ROJAS, A. Inflexión decolonial. Fuentes, conceptos y cuestionamientos. Popayán: Universidaddel Cauca, 2010.

SANTOS, B.; MENESES, M.P. (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVA, W. S. A Língua Geral de Mina e o Ciclo do Ouro: um capítulo da história dos contatos no Brasil. Tese de doutorado. Departamento de Linguística/FFLCH/USP, 2020. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-10032021-184821/pt-br.php. Acesso em: 29 de maio de 2022.

STOLZE, I. O conceito de língua geral de Mina: apontamentos para a compreensão de seu significado histórico. Revista do GEL, v.18, n.3, p. 143-168, 2021. Disponível em: https://revistas.gel.org.br/rg/article/view/3277/2064. Acesso em: 29 de maio de 2022.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Cadernos de Estudos Linguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.