Macedo Soares, Amélia Mingas e a historiografia linguística transatlântica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/cel.v64i00.8668269

Palavras-chave:

Terminologia, História linguística transatlântica, Historiografia linguística

Resumo

Este texto apresenta exercícios preliminares de análises historiográficas, com a finalidade de trazer ao debate um modo de trabalho em implementação. Esse modo de trabalho desenvolve-se no âmbito de um projeto coletivo de estudo da história linguística transatlântica e tem por metas gerais contextualizar documentos estratégicos para a compreensão dessa história e examinar, do ponto de vista da Historiografia Linguística, conceitos e termos nos quais o saber sobre as ‘línguas’ desse contexto tem se apoiado, a fim de evidenciar características que podem ser distribuídas em um eixo que vai do eurocêntrico ao descolonial. Pretende-se, com isso, contribuir para a reflexão sobre usos contemporâneos da (meta)linguagem. Neste artigo, contextualizamos e examinamos textos de Antônio Joaquim de Macedo Soares (Brasil, 1838-1905) e Amélia Arlete Dias Rodrigues Mingas (Angola, 1940-2019), ilustrando duas das estratégias de implementação da proposta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Olga Coelho, Universidade de São Paulo

Doutorado em Lingüística pela Universidade de São Paulo. Professora do Departamento de Linguística da Universidade de São Paulo.

Eduardo Ferreira dos Santos, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo. Professor Adjunto C da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, Brasil.

Referências

ALMEIDA, F. S. Epistemicídio. In: LANDULFO, C., MATOS, D. (Orgs.). Suleando conceitos em linguagens. Decolonialidades e espistemologias outras. Campinas: Pontes, 2022, p. 163-175.

ALVES, L. Significações de ser branco. A brancura no corpo e para além dele. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

ANTONACCI, M. A. M. Memórias ancoradas em corpos negros. 2ª ed. São Paulo: EDUC, 2015.

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. [Trad. Eni Puccinelli Orlandi]. Campinas: Editora da Unicamp, 1992.

BAPTISTA, L. Colonialidade da linguagem. In: LANDULFO, C., MATOS, D. (Orgs.). Suleando conceitos em linguagens. Decolonialidades e espistemologias outras. Campinas: Pontes. 2022, p. 51-58

BENTO, M. A. S.; CARONE, I. (Org.). Psicologia social do racismo. Estudos sobre branquitude e branqueamento. 6ª.ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

BERNARDINO-COSTA, J., MALDONADO-TORRES, N.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. 2ª. ed., 3ª. reimpressão. Belo Horizonte: Autêntica, 2020.

BOTELHO, G. R. Branquitude. In: Suleando conceitos e linguagens. Decolonialidades e epistemologias outras. Campinas: Pontes. 2022, p. 33-41.

CARDOSO, L. O branco ‘invisível’. Um estudo sobre a emergência da branquitude nas pesquisas sobre as relações raciais no Brasil (período: 1957-2007). Dissertação de mestrado. Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Coimbra, 2008.

CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Coords.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre, Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos, Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007.

COELHO, O. Os nomes da língua: configuração e desdobramentos do debate sobre a língua brasileira no século XIX. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros [en linea], (47), p.139-160, 2008. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=405641269008. Acesso em: 28 de maio de 2022. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i47p139-160

COELHO, O. O Português do Brasil em Macedo Soares (1838-1905). Límite. Revista de estudios portugueses y de lusofonia. Universidad de Extremadura, nº 6, p. 199-215, 2012. Disponível em: http://hdl.handle.net/10662/8414. Acesso em: 28 de maio de 2022.

COELHO, O.; FINBOW, T. Apontamentos para uma história linguística transatlântica e descolonizada do português do Brasil: o contato e a diversidade em foco In: VIEIRA, F. E.; BAGNO, M. (Orgs.). História das Línguas, Histórias da Linguística. Homenagem a Carlos Alberto Faraco. São Paulo: Parábola, 2020, p. 61-84.

DU BOIS, W. E. B. The souls of black folk. Oxford/New York: Oxford University Press, 2007 [1903].

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EdUFBA, 2008[1952]. DOI: https://doi.org/10.7476/9788523212148

GROSFOGUEL, R. Decolonizing post-colonial studies and paradigms of political-economy: transmodernity, decolonial thinking and global coloniality. Transmodernity: Journal of Peripheral Cultural Production of the Luso-Hispanic World, v. I, n. 1, p. 1-38, 2011. Disponível em: https://escholarship.org/uc/item/21k6t3fq. Acesso em: 28 de maio de 2022. DOI: https://doi.org/10.5070/T411000004

GROSFOGUEL, R. Descolonizando los universalismos occidentales: el pluriversalismo transmoderno decolonial desde Aimé Césaire hasta los zapatistas. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.). El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo de Hombre Editores, 2007, p. 63-77.

JESUS, C. M. Branquitude x branquidade. Uma análise conceitual do ser branco. Encontro Baiano de Estudos em Cultura UFRB, 3, 2012, [s.n.]. Disponível em: https://www2.ufrb.edu.br/ebecult/wp-content/uploads/2012/05/Branquitude-x-branquidade-uma-ana-%c3%83%c3%85lise-conceitual-do-ser-branco-.pdf. Acesso em: 20 de maio de 2022.

LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

MACEDO SOARES, A. J. de. Estudos lexicographicos do dialecto brazileiro IV: “Sobre algumas palavras africanas introduzidas no portuguez que se fala hoje no Brazil”. Revista Brazileira, tomo IV, 2, p. 243-271, 1880.

MACEDO SOARES, A. J. Diccionario brazileiro da lingua protugueza: elucidario etimologico critico das palavras e frases que, originarias do Brasil, ou aqui populares, se não encontram nos dicionários da língua portuguesa, ou neles vem com forma ou significação diferente. [Colligido, rev. e complementado por Julião Rangel de Macedo Soares]. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, Instituto Nacional do Livro, 1954[1875-1888].

MALDONADO-TORRES, N. Transdisciplinaridade e decolonialidade. Sociedade e estado., v. 31, n. 1, p. 75-97, 2016. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/sociedade/article/view/6080/5456. Acesso em: 28 de maio de 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100005

MALDONADO-TORRES, N. El pensamiento filosófico del ‘giro descolonizador’. In DUSSEL, E., MENDIETA, E., BOHORQUEZ, C. (Eds). El pensamiento filosófico latino-americano, del Caribe, e “Latino” (1300-2000). Mexico D. F.: Siglo Veintiuno Editores, 2011, p. 683-697.

MALDONADO-TORRES, N. 2020. Analítica da colonialidade e da decolonialidade. Algumas dimensões básicas. In BERNARDINO-COSTA, J., MALDONADO-TORRES, N.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. 2ª. ed., 3ª. reimpressão. Belo Horizonte: Autêntica, 2020, p. 27-53.

MENDONÇA, R. A influência africana no português do Brasil. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2012[1933].

MIGNOLO, W. A geopolítica do conhecimento e a diferença colonial. Revista Lusófona de Educação, 48, p.187-224, 2020. Disponível em: https://revistas.ulusofona.pt/index.php/rleducacao/article/view/7324. Acesso em: 28 de maio de 2022.

MIGNOLO, W. Desobediência epistémica. Retórica de la modernidade, logica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Del Signo, 2010.

MIGNOLO, W. Desobediência epistêmica. A opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF. Dossiê: Literatura, língua e identidade, no 34, p. 287-324, 2008.

MINGAS, A. A. Português em Angola: reflexões. VIII Encontro das Universidades de Língua Portuguesa. Comunicação oral. 1998. Disponível em https://ameliamingas.org/s/Portugues-em-Angola-Reflexoes.pdf. Acesso em: 29 de maio de 2022.

MINGAS, A. A. Interferência do kimbundu no português falado em Lwanda. Porto: Campo das Letras, 2000.

NASCIMENTO, G. Entre o lócus de enunciação e o lugar de fala. Marcar o não-marcado e trazer o corpo de volta na linguagem. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, no. 60.1, 2021, p. 58-68. Disponível em https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8661808. Acesso em: 20 de maio de 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/010318139578611520210313

NASCIMENTO, G. O negro-tema na Linguística: rumo a uma descolonização do racialismo e do culturalismo racialista nos estudos da linguagem. In Polifonia. Cuiabá-MT, v.27, n.46, p. 01 a 235, abr.-jun., 2020. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/9560. Acesso em: 26 de maio de 2020.

NEGRÃO, E.; VIOTTI, E. Em busca de uma história linguística. Revista de estudos da linguagem, v.20, n.2, p. 309-342, 2012. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/2752/2707. Acesso em: 28 de maio de 2022. DOI: https://doi.org/10.17851/2237-2083.20.2.309-342

PEIXOTO, A. C. Obra nova de língua geral de Mina de António da Costa Peixoto.Manuscrito da Biblioteca Pública de Évora publicado e apresentado por Luís Silveira e acompanhado de comentário filológico de Edmundo Correia Lopes. Lisboa: Agência Geral das Colónias, 1945[1731/1741].

PETTER, M. A presença de línguas africanas na América Latina. Linguística, v.26, p.78-96, 2011. Disponível em: http://mundoalfal.org/sites/default/files/revista/26_linguistica_078_096.pdf. Acesso em: 28 de maio de 2022.

PINTO, E. P. O português do Brasil textos críticos e teóricos. Vol. 2 (1920/1945). Fontes para a teoria e a história. Rio de Janeiro/São Paulo: Livros Técnicos e Científicos/ EDUSP, 1981.

PINTO, E. P. O português do Brasil textos críticos e teóricos. Vol. 1 (1820-1920). Fontes para a teoria e a história. Rio de Janeiro/São Paulo: Livros Técnicos e Científicos/ EDUSP, 1978.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder, cultura y conocimiento en América Latina. Dispositio, v. 24, n. 51, p. 137-148, 1999. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/41491587. Acesso em: 29 de maio de 2022.

RAMOS, A. G. Introdução crítica à sociologia brasileira. Rio de Janeiro: Editorial Andes Limitada, 1957. DOI: https://doi.org/10.2307/3538119

RESTREPO, E.; ROJAS, A. Inflexión decolonial. Fuentes, conceptos y cuestionamientos. Popayán: Universidaddel Cauca, 2010.

SANTOS, B.; MENESES, M.P. (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVA, W. S. A Língua Geral de Mina e o Ciclo do Ouro: um capítulo da história dos contatos no Brasil. Tese de doutorado. Departamento de Linguística/FFLCH/USP, 2020. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-10032021-184821/pt-br.php. Acesso em: 29 de maio de 2022.

STOLZE, I. O conceito de língua geral de Mina: apontamentos para a compreensão de seu significado histórico. Revista do GEL, v.18, n.3, p. 143-168, 2021. Disponível em: https://revistas.gel.org.br/rg/article/view/3277/2064. Acesso em: 29 de maio de 2022. DOI: https://doi.org/10.21165/gel.v18i3.3277

Downloads

Publicado

2022-06-28

Como Citar

COELHO, O. .; SANTOS, E. F. dos . Macedo Soares, Amélia Mingas e a historiografia linguística transatlântica. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 64, n. 00, p. e022020, 2022. DOI: 10.20396/cel.v64i00.8668269. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8668269. Acesso em: 18 ago. 2022.