Banner Portal
A mestiçagem como uma ideia linguística
PDF

Palavras-chave

Mestiçagem
Brasileirismo
História das ideias linguísticas
Análise de discurso

Como Citar

TOLEDO, Allice. A mestiçagem como uma ideia linguística: o paradigma naturalista e o conceito de brasileirismo no Diccionario Grammatical de João Ribeiro. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 66, n. 00, p. e024002, 2024. DOI: 10.20396/cel.v66i00.8671767. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8671767. Acesso em: 18 maio. 2024.

Resumo

O objetivo deste texto é o de demonstrar como a mestiçagem pode ser reconhecida como uma ideia linguística nas produções de saberes linguísticos, como é o caso do conceito de brasileirismo apresentado por João Ribeiro no Diccionario Grammatical, publicado em 1889 e reeditado em anos posteriores. Para tanto, em um diálogo entre a História das Ideias Linguísticas e a Análise do Discurso, são descritas as condições de produção dos estudos linguísticos e sociais no Brasil neste período histórico, especialmente quando da publicação da terceira edição em 1906, com ênfase nas particularidades do naturalismo na produção intelectual brasileira (ALONSO, 2002; SCHWARCZ, 2015) e pelo paradigma naturalista dos estudos da linguagem proposto por Sylvain Auroux (2007). Em seguida, são apresentados os procedimentos analíticos (FOUCAULT, 2008) e a análise em si do verbete brasileirismo, apontando o aparecimento da mestiçagem como uma ideia linguística. Este texto se encerra com a reflexão de que a mestiçagem no contexto de publicação do Diccionario não se apresentava como uma solução homogeneizadora dos conflitos raciais e linguísticos do país, mas sim como uma marca ambivalente da originalidade do povo brasileiro e do fracasso de uma nação determinado pelas perspectivas positivistas daquele período.

https://doi.org/10.20396/cel.v66i00.8671767
PDF

Referências

ALONSO, Angela. Ideias em movimento: a geração. 1870 na crise do Brasil Império. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

AUROUX, Sylvain. Introduction: le paradigme Naturaliste. In: Histoire Épistémologie Langage, tome 29, fascicule 2, 2007. Le naturalisme linguistique et ses désordres, sous la direction de Sylvain Auroux. p. 5-15.

BAGNO Marcos. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. São Paulo: Parábola Editorial, 1999.

BOVINI, E. Línguas africanas e o português falado no Brasil. In: África no Brasil. A formação da língua portuguesa. FIORIN, J. L.; PETTER, M. São Paulo: Contexto, 2008.

FIORIN, José Luiz.; PETTER, Margarida. África no Brasil. A formação da língua portuguesa. São Paulo: Contexto, 2008.

FARACO, Carlos. História sociopolítica da língua portuguesa. São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

FOUCAULT. Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008a.

FOUCAULT. Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 2008b.

GALLO, Solange. Discurso da escrita e ensino. Campinas: Ed. Unicamp,1993.

GUIMARÃES, Eduardo. Língua e Cidadania. Campinas: Pontes, 1996.

HAUGEN, Einar. Dialeto, língua, nação. In: BAGNO M. Norma linguística. São Paulo: Edições Loyola, 2006.

HORTA NUNES, José. Léxico e língua nacional: apontamentos sobre a história da lexicografia no Brasil. In: Orlandi, Eni P. (Org.) História das ideias linguísticas: Construção do saber metalinguístico e constituição da língua nacional. Campinas, Sp: Pontes; Cáceres, MT: Unemat Editora, 2001.

LUCCHESI, D. O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009.

LUCCHESI, Dante. Língua e sociedade partidas. São Paulo; Editora Contexto, 2015.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para escrita: atividades de retextualização. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2003.

MENDONÇA, Renato. A influência africana do Português no Brasil. Brasília: FUNAG; 2012.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil. Identidade Nacional versus Identidade Negra. Petrópolis: Vozes, 1999.

NARO, Anthony Julius.; SCHERRE, Maria Marta Pereira. Origens do Português Brasileiro. São Paulo: Parábola, 2007.

NASCIMENTO, Gabriel. Racismo linguístico: os subterrâneos da linguagem e do racismo. Belo Horizonte: Editora Letramento, 2019.

NASCIMENTO, Felipe Augusto Santana do. Língua e raça no Diccionario grammatical, de João Ribeiro. Revista Porto das Letras, Vol. 06, Nº 5, 2020.

ORLANDI, Eni. Língua e conhecimento linguístico: para uma história das ideias no Brasil. Campinas: Cortez, 2013.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.

OLIVEIRA, Sheila. Um espaço de enunciação para dizer os brasileirismos. In: HORTA NUNES, José; Petter, Margarida.História do saber lexical e constituição de um léxico brasileiro. São Paulo: Humanitas / FFLCH/ USP: Pontes, 2002.

PAGOTTO, Emílio. Norma e Condescendência; Ciência e Pureza. In: Língua e Instrumentos Linguísticos. Campinas, Pontes Editores/HIL, 49-68, 1998.

PINTO, Edith Pimentel. O português do Brasil: textos críticos e teóricos, 1 – 1820/1920, fontes para a teoria e a história. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos; São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1978.

PFEIFFER, Cláudia. A língua nacional no espaço das polêmicas do século XIX/XX. In: Orlandi, Eni P. (Org.)História das ideias linguísticas: Construção do saber metalinguístico e constituição da língua nacional. Campinas, Sp: Pontes; Cáceres, MT: Unemat Editora, 2001.

RIBEIRO, João. Diccionario Grammatical. 3 ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves,1906.

RODRIGUES, Aryon. As línguas gerais sul-americanas. PAPIA-Revista de crioulos de base ibérica, v. 4, 1996 p. 6-18.

ROMERO Silvio. História da literatura brasileira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1949.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 2015

VERNÁCULO. In: MICHAELIS, Dicionário brasileiro da língua portuguesa. São Paulo: Melhoramentos, 2021. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/vern%C3%A1culo/. Acesso em 15/07/2021.

SILVEIRA, Allice Toledo Lima da. Os dizeres sobre a mestiçagem nas letras brasileiras entre 1822 e 1930. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos). Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, São Carlos (SP), 2018.

TOLEDO, Allice. A língua e a raça: a mestiçagem como uma ideia linguística das letras brasileiras do século XIX. Revista da Abralin, v. 19, n. 1, p. 1-25, 2020.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Cadernos de Estudos Linguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.