Banner Portal
Confrontos epistêmicos na percepção social das afasias e da doença de alzheimer por meio de metáforas
PDF

Palavras-chave

Doença de Alzheimer
Metáfora
Afasia
Cognição social

Como Citar

MORATO, E. M.; FREITAS, N. L. de. Confrontos epistêmicos na percepção social das afasias e da doença de alzheimer por meio de metáforas. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 65, n. 00, p. e023013, 2023. DOI: 10.20396/cel.v65i00.8673335. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8673335. Acesso em: 5 mar. 2024.

Dados de financiamento

Resumo

Este texto apresenta reflexões resultantes do projeto em desenvolvimento intitulado “O papel das metáforas e dos frames na ancoragem da referência discursiva - a conceptualização das afasias e da Doença de Alzheimer” – FAPESP processo 2020/00405-4. O enfoque deste artigo, cujos pressupostos teórico-metodológicos se filiam a perspectivas pós-lakoffianas de estudo da metáfora em uso (como Cameron, 2008; Charteris-Black, 2004; Kövecses, 2005; Vereza, 2007;  Silva, 2015; Semino et al., 2016)  está em dois dos três objetivos do estudo: (i) analisar, por meio de expressões referenciais metafóricas, a conceptualização da afasia e da Doença de Alzheimer por leigos, indivíduos diagnosticados e especialistas (médicos e terapeutas); e (ii) identificar tendências de conceptualização dessas condições clínicas quanto aos principais frames epistêmicos que procuram explicá-las, e suas virtuais variações, mudanças ou inter-relações. A partir da construção de um corpus em português brasileiro de expressões referenciais metafóricas extraído de dados linguístico-interacionais autênticos de trabalhos acadêmicos de pesquisadores da área de Neurolinguística do Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas), bem como de acervos do grupo de pesquisa COGITES (Cognição, Interação e Significação), foram analisadas ocorrências metafóricas em situações de uso e determinadas esferas discursivas (como entrevistas semidirigidas com especialistas e familiares, conversações com indivíduos afásicos e com diagnóstico de doença de Alzheimer, discussões diagnósticas). Com as análises empreendidas até o momento, foi possível observar semelhanças e diferenças na conceptualização da afasia e da Doença de Alzheimer por diferentes atores sociais, bem como de indivíduos diagnosticados. Em geral, a metáfora atua como agente de conhecimento e poderoso recurso linguístico-cognitivo de conceptualização da doença, como já assinalado por muitos autores. Neste estudo, ela indica determinadas tendências de (re)construção de sentidos associados às duas realidades nosológicas como uma (nova) experiência a ser ainda compreendida e emoldurada em termos epistêmicos e sociocognitivos, com impactos e desafios de diversas ordens. 

https://doi.org/10.20396/cel.v65i00.8673335
PDF

Referências

AHLSÉN, E. Introduction to Neurolinguistics. John Benjamins Publishing Company, 2006.

ALCOFF, L. M. Uma epistemologia para a próxima revolução. Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 129-143, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/se/v31n1/0102-6992-se-31-01- 00129.pdf>. Acesso em 12 de agosto. 2023.

BALLENGER, J. F. Self, senility, and Alzheimer’s disease in modern America: a history. John Hopkins, 2006.

BARSALOU, L. W. Situated conceptualization. In: H. COHEN; C. LEFEBVRE, Handbook of categorization in cognitive science. St. Louis: Elsevier, 2005. p. 619–650.

BEACH, T. The history of Alzheimer's disease: Three debate. Journal of the History of Medicine and Applied Sciences, 42 (3), 1987, p. 327-349.

BENTES, A. C.; MORATO. E.M. “O mundo tá chato”: algumas notas sobre a dimensão sociocognitiva do politicamente correto na linguagem. Revista USP, n. 115, 2017, p. 11-28.

BLEAKLEY, A. Thinking with Metaphors in Medicine: The State of the Art, New Yok: Routledge, 2016.

CAMERON, L. Metaphor shifting in the dynamics of talk. In: ZANOTTO, M. S. et al. (orgs.). Confronting metaphor in use: an applied linguistic approach. Amsterdam: John Benjamins, 2008.

CEPOLLARO, B.; STOJANOVIC, I. Hybrid Evaluatives. Grazer Philosophische Studien. 2016, p. 458-488.

CIENKI, A. Frames, Idealized Cognitive Models, and Domains. In: GEERAETS, D.; CIENKI, A. Why study metaphor and gesture? In: CIENKI, A.; MÜLLER, C. (Eds.). Metaphor and gesture. Amsterdam/Filadélfia: John Benjamins, 2011, p. 5-25.

CHARTERIS-BLACK, J. Corpus Approaches to Critical Metaphor Analysis. Basingstoke: Palgrave-Macmillan, 2004.

CRUZ, F. M. Linguagem, Interação e Cognição na Doença de Alzheimer. 2008. 312f. Tese Doutorado - Curso de Linguística, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

DIAS, T. M. Categorização social e concepção de Doença de Alzheimer: Implicações e perspectivas dos modelos biomédico e social. Pesquisa de Iniciação Científica (Fapesp). Universidade Estadual de Campinas, 2012.

DOWNS, M; CLARE, L; MACKENZIE, J. Understandings of dementia: explanatory models and their implication for the person with dementia and therapeutic effort. In: (eds) HUGHES, J. C.; LOUW, S. J.; SABAT, S. R. Dementia mind, meaning and the person. USA: Oxford University Press, 2006, p. 235-25.

FOX, P. From senility to Alzheimer´s Disease: the rise of the Alzheimer´s Disease movement. The Milbank Quarterly. Vol 67, No. 1, 1989, p. 58-102.

GANDOLFO, M. C. A classificação das afasias em questão: lugares de institucionalização e de questionamento UNICAMP. 2006. 180 f. Tese de Doutorado - Curso de Linguística, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

GEORGE, D.R.; WHITEHOUSE, P. J. The war (on terror) on Alzheimer's Dementia 13(1), 2014, p. 120–30.

GILBERT, P. Understanding the biopsychosocial approach: conceptualization. Clinical Psychology (14), 2002. p.13-17.

GONÇALVES-SEGUNDO, P. R.; ZELIC, H. C. Relacionar-se é investir: ideologia, cognição e metáfora no discurso sobre relacionamento em revistas femininas para o público adolescente. In book: Análise do Discurso e Análise Crítica do Discurso: heranças, métodos, objetos (pp.64-91). Publisher: NEA Editores Lucas Nascimento; Breno Wilson L. Medeiros, 2016.

HAMILTON, H. E. Conversations with an Alzheimer’s patient. Cambrigde, CUP, 1994.

HANKS, W. F. O que é contexto. In: BENTES, A.C.; REZENDE, R. C.; MACHADO, M.R. (Orgs.) Língua como prática social: das relações entre língua, cultura e sociedade a partir de Bourdieu e Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2008, p.169-203.

JACK JR. et al. Hypothetical model of dynamic biomarkers of the Alzheimer's pathological cascade. The Lancet Neurology, vol. 9, Issue 1, 2010, p.119 –128.

JAKOBSON, R. Dois aspectos da linguagem e dois tipos de afasia. In: Lingüística e Comunicação. São Paulo: Ed. Cultrix, 1981. [1954]

KITWOOD, T. Dementia and its pathology. In: Brain, mind or society? Free Association, 8, 1987, p. 81-93.

KÖVECSES, Z. Metaphor and culture. Cambridge: Cambridge University Press, 2005.

LAKOFF, G.; JOHNSON, M. Metaphors we live by. University of Chicago Press, 1980.

LEEZENBERG, M. Da linguística cognitiva à ciência social: 30 anos após Metáforas da Vida Cotidiana. Revista Investigações Vol. 28, nº 2, 2015. p. 1-28.

LYMAN, K. A. Bringing the social back in: a critique of the biomedicalization of dementia. Gerontologist, 29(5), 1989, p. 597-605.

MORATO, E.M. Neurolinguística. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Org.) Introdução à Linguística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez. v.2, 2012.

MORATO, E. M; SIMAN, J. Metáforas da Doença de Alzheimer: entre o metadiscurso científico e a vida cotidiana. Revista Investigações. 28 (2), 2015, p. 1-27.

MORATO E. M. Metaphorical Predications of Aphasias and Alzheimer’s Disease: Biomedical and Social Models Under Discussion. Comunicação apresentada na 4th International Conference on Figurative Thought and Language. Universidade Católica Portuguesa, Braga, Portugal, 2018.

MORATO. E. M. MOURA, H.M.; STOJANOVIC, I.; XXXX O papel das metáforas e dos frames na ancoragem da referência discursiva - a conceptualização das afasias e da doença de Alzheimer (Pesquisa Fapesp, processo 2020/00405-4), 2020.

MOURA, H. M. Linguagem e cognição na interpretação de metáforas. Revista Veredas 6-1, 153-161, 2002.

MUSOLFF, A. Metaphor and Political Discourse: Analogical Reasoning in Debates about Europe, Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2004.

SALOMÃO, M. M. A questão da construção do sentido e a revisão da agenda dos

estudos da linguagem. In: Veredas – Revista de Estudos Lingüísticos, no 4. Juiz de fora: Editora da UFJF. 1999, p. 61-79.

SARDINHA, T. B. Metáfora. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

SEMINO, E. et al. Metaphor in the end-of-life care (MELC), 2016. http://ucrel.lancs.ac.uk/melc/index.php

SILVA, A. S.; LEITE, J. E. R. 35 anos de Teoria da Metáfora Conceptual: Fundamentos, problemas e novos rumos. Revista Investigações, Pernambuco, v. 28 (2), 2015, p.2-23.

SILVA, A. S. Metáfora conceptual e ideologia: o caso do discurso das políticas de austeridade na imprensa portuguesa. Revista Investigações, Pernambuco, v. 28 (2), 2015, p.2-23.

SIMAN, J.H. Os frames da doença de Alzheimer. 2015. 156 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Linguística, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

SIMAN, J.H.; MORATO, E. M. Os frames biomédico e biopsicossocial em discursos sobre a doença de Alzheimer. Prolíngua, v. 11, n. 1, 2016, p. 2-16.

SONTAG, S. Doença como metáfora AIDS e suas metáforas. S.P: Companhia das Letras, 2007. [1978]

STEEN, G. Deliberate metaphor affords conscious metaphorical cognition. Cognitive Semiotics, v. 5, n. 2, 2014, p. 179-197.

STOLBERG, Michael. Metaphors and images of cancer in early modern Europe. Bull Hist Med. Spring, 88 (1), 2014. p. 48-74.

TOMASELLO, M. The cultural origins of human cognition. Cambridge, MA, Harvard University Press, 1999.

TOMASELLO, M. Becoming Human: A Theory of Ontogeny. Harvard University Press, 2019.

TUBERO, A. L. Construção conjunta de objetos de discurso: a experiência do Centro de Convivência de Afásicos na elaboração do livro ‘Sobre as afasias e os afásicos’. Tese de Doutorado em Linguística, IEL/Unicamp, Campinas, 2006.

VEREZA, S. C. Metáfora e argumentação: uma abordagem discursiva. Linguagem e Discurso. vol. 23, 2007. pp. 487-506. S. C. O lócus da metáfora: linguagem, pensamento e discurso. Cadernos de Letras da UFF, n. 41, 2010, p. 199-212.

VEREZA, S. Entrelaçando frames: a construção do sentido metafórico na linguagem em uso. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 55, 2013, p.109-124.ZIMMERMANN, M. Alzheimer’s Disease Metaphors as Mirror and Lens to the Stigma of Dementia. Literature and Medicine, 35 (1), 2017, p. 71-97.

VYGOTSKY, L.S. Mind in Society. Harvard, The President and Fellows of Harvard College, 1978. [1930]

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Cadernos de Estudos Linguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.