Banner Portal
A aquisição da língua materna entre línguas
PDF (English)

Palavras-chave

Língua materna
Fala da criança
Inconsciente
Língua materna adotada
Criação literária

Como Citar

CASTRO, Maria Fausta Pereira. A aquisição da língua materna entre línguas. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 65, n. 00, p. e023012, 2023. DOI: 10.20396/cel.v65i00.8673388. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8673388. Acesso em: 21 maio. 2024.

Dados de financiamento

Resumo

Partimos neste trabalho da análise de certos fatos da aquisição de linguagem que nos mostram o entrelaçamento de línguas na aquisição da língua materna. Em certas condições, materialidades linguísticas originárias de mais de uma língua participam do processo de captura (LEMOS, 2002) do infans pela linguagem. Partimos de fatos linguísticos observados na fala de duas crianças de três anos de idade - uma menina brasileira e um menino franco-brasileiro em contato com o francês e o português brasileiro. Experiências temporárias ou contínuas, vividas por crianças em contato com mais de uma língua, fornecem evidências empíricas e promovem questões teóricas que se desdobram em uma indagação sobre os efeitos das línguas da infância no funcionamento linguístico do adulto. A história do falante com sua língua materna é marcada pelas representações de sua aquisição e pelos enlaçamentos no encontro com outras línguas. Seus efeitos não são previsíveis. O inconsciente não cria obstáculos para a mixagem das línguas e pode reter palavras, expressões e outros fragmentos de uma língua da infância que depois se torna estrangeira (MELMAN,1992). Este seria o caso de uma das crianças, atualmente uma jovem adulta. Através das hipóteses levantadas sobre a aquisição da linguagem e a partir de um outro observatório, voltamos nossa atenção para escritores e poetas que fizeram da trajetória linguística vivida a própria substância de seu trabalho. Afetados pela “memória representada” (PAYER, 2006) de um passado reconstruído, no qual a língua materna foi silenciada ou vivida como tal, eles elegem uma língua materna tardia, adotada, com que tecem suas obras. Elias Canetti e Aharon Appelfeld são autores característicos dessa experiência. Há em ambos a necessidade de nomear como materna a língua da criação literária. A análise de tais fatos ilumina as palavras de Milner (1990[1978]) sobre o termo lalangue: é uma língua enfatizada pela função poética e sua figuração mais direta é a língua materna.

https://doi.org/10.20396/cel.v65i00.8673388
PDF (English)

Referências

AVIV, N.; APPELFELD, A. Une langue et l’autre, transcription du film, Paris: Éditions Montparnasse et Carnets Nord, 2011.

CAMPOS, H. O afreudisíaco Lacan na galáxia de lalíngua (Freud, Lacan e a escritura). In: CESAROTTO, O. (ed.) Ideias de Lacan. São Paulo: Iluminuras, 1995, p. 187-188.

CANETTI, E. A língua absolvida. História de uma juventude. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

CANETTI, E. The Tongue Set Free. (trans. Joachim Neugroschel). London: Continuum, 1974.

HELLER-ROAZEN, D. Echolalias. On the forgetting of language. New York: Zone Books, 2008.

LACAN, J. (1972-1973) Encore. Rio de Janeiro: Escola Letra Freudiana. Rio de Janeiro, 2010 (edição não comercial).

LEMOS, C. T. G. Das vicissitudes da fala da criança e de sua investigação. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 42, p. 41-70, 2002.

MASSON, J. M. (ed.) The Complete Letters of Sigmund Freud to Wilhelm Fliess, 1887-1904. Cambridge: Harvard University Press, 1985.

MEHLER, J. A. et. al. La Babel de l’inconscient. Langue maternelle, langues étrangères et psychanalyse. Paris: Presses Universitaires de France, 1994.

MELMAN, C. Imigrantes. Incidências subjetivas das mudanças de línguas e país. São Paulo: Escuta, 1992.

MILNER, J.-C. (1978) For the love of language. Cambridge, MA.: Palgrave Macmillan, 1990.

PASTERNAK, B.; TSVETAYEVA, M.; RILKE R.M. Letters Summer 1926. Oxford: Oxford University Press, 1988.

PAYER, O. Memória da língua. Imigração e nacionalidade. São Paulo: Escuta, 2006.

PEREIRA DE CASTRO, M. F. Saussure e o necessário esquecimento da fala infantil: uma leitura para a aquisição de linguagem. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, SP, v. 52, p. 91–102, 2010.

PEREIRA DE CASTRO, M.F. Sobre o (im)possível esquecimento da língua materna. In: LIER DE VITTO, M.F.; ARANTES, L. (ed). Aquisição, patologias e clínica de linguagem. S. Paulo: Educ-Fapesp, 2006, p. 135-148.

SAUSSURE, F. de. (1916) Cours de Linguistique Générale. Paris: Payot, 1968.

SAUSSURE, F. de. Notes inédites de F. de Saussure. Cahiers Ferdinand de Saussure, n. 12, Genebra: Droz, 1954, p. 48-71.

WIENER, S. Aharon Appelfeld, lalangue perdue?. Essaim, v. 29, n. 2, p. 17-25, 2012.

WISMANN, H. Penser entre langues. Paris: Albin Michel, Bibliothèque Idées, 2012.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Cadernos de Estudos Linguísticos

Downloads

Não há dados estatísticos.