A dança do Brasil e o movimento do encontro

discussões acerca do tema na BNCC e possibilidades de ação para o seu ensino

Autores

  • Paula Caruso Universidade Estadual de Campinas
  • Juliana Magalhães Machado Pedroso Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/conce.v7i0.8653779

Palavras-chave:

Base nacional comum curricular, Dança na escola, Cultura popular, Método BPI (bailarino-pesquisador-intérprete)

Resumo

O artigo procura analisar as proposições do novo documento normativo para a educação nacional - a Base Nacional Comum Curricular quanto ao ensino da dança do Brasil no ensino fundamental, levantando hipóteses que indagam as escolhas do documento e quais as consequências para o trabalho a ser feito com o tema dentro do âmbito escolar. Busca-se levantar alguns conceitos sobre as características da cultura popular que afetam a qualidade da proposição a ser realizada na escola, apontando caminhos e opções percorridas pela autora em sua formação em dança e em sua docência na rede municipal de São Paulo. Por fim, conclui-se refletindo quais os aprendizados possíveis em um projeto aprofundado com a cultura popular e a dança do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Caruso, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Artes da Cena pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Professora do Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena e dos Cursos de Bacharelado e Licenciatura em Dança.

Juliana Magalhães Machado Pedroso, Universidade Estadual de Campinas

Bacharel e Licenciada em Dança pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

ARANTES, A. A. O que é Cultura Popular. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

BERGER, P. L. Perspectivas sociológicas: uma visão humanística. Petrópolis: Vozes, 1986.

BOSI, A. Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BRANDÃO, C. R. O que é folclore. São Paulo: Editora Brasiliense, 1984.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/>. Acesso em: 02 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: 2ª versão revista. Abril de 2016.

Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/documentos/bncc-2versao.revista.pdf>. Acesso em: 03 nov. 2016.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996.

Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>. Acesso em: 03 nov. 2016.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003.Disponível em:

<https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm>. Acesso em: 03 nov. 2016.

BRASIL. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008.Disponível em:

<https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm>. Acesso em: 03 nov. 2016.

BRASIL. Lei nº 13.278, de 2 de maio de 2016.Disponível em:

<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13278.htm>. Acesso em: 03 nov. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Arte. Ensino Fundamental. Terceiro e Quarto Ciclos. Brasília/ SEF, 1998.

Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/arte.pdf>. Acesso em: 03 nov. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CEB n. 4/98. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Brasília, DF: MEC/CNE, 1998.

Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/PCB0498.pdf>. Acesso em: 03 nov. 2016.

BRASIL (Estado). Orientações Curriculares e Didáticas dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental: Dança. São Paulo, SÃO PAULO, 2013. Secretaria da Educação SP. Disponível em: <http://www.educacao.sp.gov.br/a2sitebox/arquivos/documentos/1039.pdf>. Acesso em: 14 nov. 2016.

BOURDIEU, P. Cultural Reproduction and Social Reproduction', in J. Karabel and A. H. Halsey (eds.), Power and Ideology in Education. Oxford: Oxford University Press, 1977.

BOURDIEU, P. La distinction: critique sociale du jugement. Paris: Minuit, 1979.

CBCE – Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (Brasil) (Org.). Sobre a Dança na Base Nacional Curricular Comum (BNCC) da Educação Física Escolar: Dezembro de 2015. Disponível em: <http://www.cbce.org.br/upload/biblioteca/GTTS_DANCA_TEMA_EF_BASES_CURRICULARES_13_12_2015 A.pdf>. Acesso em: 24 maio 2016.

COSTA, F. B. Homens Invisíveis: relatos de uma humilhação social. São Paulo: Globo, 2004.

COX, H. A festa dos foliões: um ensaio teológico sobre festividade e fantasia. Petrópolis, RJ: Editora Vozes. 1974.

CASTRO, E. V. Diálogos sobre o fim do mundo. 2014. Disponível em: <http://brasil.elpais.com/brasil/2014/09/29/opinion/1412000283_365191.html>. Acesso em: 23 jul. 2016.

CASTRO, E. V. Outros valores, além do frenesi de consumo. 2012.Disponível em:

<http://outraspalavras.net/posts/outros-valores-alem-do-frenesi-de-consumo/>. Acesso em: 23 jul. 2016.

GIROUX, H. Teoria crítica e resistência em educação (para além das teorias da reprodução) Petrópolis: Vozes, 1986.

FLORIANO, M. O Método BPI para criança: considerações acerca de uma prática corporal com crianças de 7-8 anos. Tese (Mestrado em Artes) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

FORTIN, S. Transformação de Práticas de Dança. In: Lições de dança 4. Rio de Janeiro: UniverCidade Editora, 2004.

MOLINA, A. Base Nacional Comum Curricular: por que isso interessa à dança? 2016. Disponível em: <http://idanca.net/base-nacional-curricular-comum/>. Acesso em: 13 jun. 2016.

MOLAR, J.O. A Alteridade na Educação: Noção em construção. In Revista NUPEM (Online), v. 3, p. 61-72, 2011.

NAVAS, C. Dança Brasileira no final do século XX .In: Dicionário SESC, A Linguagem da Cultura. São Paulo: Perspectiva, 2003.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso. Campinas: Pontes Editores, 2010.

ROCHA, E. P. G. O que é Etnocentrismo. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988.

RODRIGUES, G.; MÜLLER, R. Dança dos Brasis: as mulheres Asurini do Xingu. In: Anais do IV CONGRESSO ABRACE. Ed. 7 Letras: UNIRIO, Rio de Janeiro, 2006, p.166-167. ISSN 1517-7831. Disponível em: <http://www.portalabrace.org/Memoria%20Abrace%20X%20digital.pdf>Acesso em: 24 maio 2016.

RODRIGUES, G. E. F. Bailarino-pesquisador-intérprete: processo de formação. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

RODRIGUES, G. E. F. O Método BPI (Bailarino-Pesquisador-Intérprete) e o desenvolvimento da imagem corporal: reflexões que consideram o discurso de bailarinas que vivenciaram um processo criativo baseado neste Método. Tese (Doutorado em Artes) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

RODRIGUES, G. E. F. Dança em Foco I: Por que Dançar? Material didático. GGPE- Grupo Gestor de Projetos Educacionais do Gabinete do reitor. UNICAMP: Campinas, SP, 2007.

RODRIGUES, G. E. F. As Ferramentas do BPI (Bailarino-Pesquisador-Intérprete). In: Anais do I Simpósio Internacional e I Congresso Brasileiro de Imagem Corporal (ISBN:9788599688120). UNICAMP. Campinas, SP. 2010.

SANTOS, J.L. O que é cultura. São Paulo: Brasiliense, 1996.

SILVA, V. D. M. Os processos de violência simbólica e a orientação educacional. Disponível em: <http://monografias.brasilescola.uol.com.br/educacao/os-processos-violencia-simbolica-orientacao-educacional.htm>. Acesso em: 30 maio 2016.

SILVA, G. O. V. Capital cultural, classe e gênero em Bourdieu. Informare: Cadernos do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, v. 1, n. 2, p. 24-36, 1995. Disponível em: <http://basessibi.c3sl.ufpr.br/brapci/v/a/3184>. Acesso em: 15 Nov. 2016.

STRAZZACAPPA, M. Reflexão sobre a formação profissional do artista da dança. In: Lições de Dança 4, Rio de Janeiro: UniverCidade. 2004.

TAVARES, M. C. G. C. Imagem corporal: conceito e desenvolvimento. São Paulo: Manole, 2003.

TEIXEIRA. P. C. O Santo que dança: uma vivência corporal a partir do eixo co-habitar com a fonte do Método Bailarino-Pesquisador-Intérprete (BPI). Dissertação (Mestrado em Artes) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

TURTELLI, L. S.. O espetáculo cênico no método Bailarino-Pesquisador-Intérprete (BPI): um estudo a partir da criação e apresentações do espetáculo de dança Valsa do Desassossego. Tese (Doutorado em Artes) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

VALARDÃO, S. D. Relações de risco: um processo criativo com adolescentes em situação de vulnerabilidade social a partir do Método BPI (Bailarino-Pesquisador-Intérprete. Dissertação (Mestrado em Artes) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

Downloads

Publicado

2018-10-31

Como Citar

Caruso, P., & Pedroso, J. M. M. (2018). A dança do Brasil e o movimento do encontro: discussões acerca do tema na BNCC e possibilidades de ação para o seu ensino. Conceição/Conception, 7, 70–109. https://doi.org/10.20396/conce.v7i0.8653779

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)