Dança na educação básica

reflexões sobre o papel dos licenciados em dança na construção de saberes artísticos no contexto escolar

Autores

  • Ana Maria Rodriguez Costas Universidade Estadual de Campinas
  • Geovana Andrieta Universidade Estadual de Campinas
  • Luiza Tortorella Universidade Estadual de Campinas
  • Marina Tenório Universidade Estadual de Campinas
  • Ayumi Hanada Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/conce.v7i0.8653846

Palavras-chave:

Educação básica, Saberes sensíveis, Saberes relacionais, Imaginação, Ensino da dança

Resumo

O presente artigo busca refletir sobre o sentido da presença da dança na educação básica e o papel do licenciado formado na área. Para tanto, focalizando o lugar da arte, e particularmente, da dança, partimos de uma contextualização histórica dos documentos que embasam os currículos nacionais, chegando na formulação da Base Nacional Curricular Comum e na reforma do ensino médio anunciada pela medida provisória 746/2016 –, procurando observar seus reflexos no ensino de dança hoje.  Seguimos então para discussões de algumas temáticas escolhidas pelas autoras: o papel da iniciação artística em dança como propiciadora da experiência estética e sua importância na construção da subjetividade; as práticas corporais e o desenvolvimento de valores como a singularidade, a alteridade e a noção de coletividade nas abordagens pedagógicas contemporâneas da dança; e, por fim, a imaginação e a criatividade como saberes cultivados nas experiências propostas por um projeto artístico inserido na escola. Por meio da discussão desses temas, nosso propósito é destacar a relevância do ensino da dança na escola, sob responsabilidade de professores formados nos cursos de licenciatura na área, capazes de trabalhar com a construção de saberes artísticos significativos para a formação de cidadãos plenos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Rodriguez Costas, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Docente do Departamento de Artes Corporais do Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

 

Geovana Andrieta, Universidade Estadual de Campinas

Bacharel e Licenciada em Dança pela Universidade Estadual de Campinas.

Luiza Tortorella, Universidade Estadual de Campinas

Bacharel e Licenciada em Dança pela Universidade Estadual de Campinas.

Marina Tenório, Universidade Estadual de Campinas

Bacharel e Licenciada em Dança pela Universidade Estadual de Campinas.

Ayumi Hanada, Universidade Estadual de Campinas

Bacharel e Licenciada em Dança pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

ALVES, Rubem. Os quatro pilares. São Paulo: Paulus, 2008. DVD, 4 v.

BRASIL, L. D. B. Lei nº9394/96-Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 20 de Dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Portal da Legislação: Leis Ordinárias 2016. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm.

BRASIL. Lei nº13278/2016, de 2 Maio de 2016. Altera o § 6o do art. 26 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que fixa as diretrizes e bases da educação nacional, referente ao ensino da arte. Portal da Legislação: Leis ordinárias 2016. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13278.htm.

BRASIL. Lei nº 5692/71, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Portal da Legislação: Leis ordinárias 2016. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5692.htm

BRASIL. Medida Provisória nº 746/2016, de 22 de Setembro de 2016. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e a Lei nº 11.494 de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, e dá outras providências. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Mpv/mpv746.htm.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Conselho Nacional da Educação. Câmara Nacional de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica / Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação. 2000.

BRASIL. Secretaria da Educação Superior. Referenciais Curriculares Nacionais dos Cursos de Bacharelado e Licenciatura. Brasília: MEC/SES, 2010.

BRASIL. Secretaria do Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais para 1° a 4° série. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Secretaria do Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais para 5° a 8° série. Brasília: MEC/SEF.1998.

CASTRO, Ana Luisa Manzini Bittencourt de. O desenvolvimento da criatividade e da autonomia na escola: o que nos dizem piaget e vygotsky. Rev. psicopedag., São Paulo , v. 23, n. 70, pp. 49-61, 2006.

COSTAS, Ana Maria R.; XAVIER, Annamaria N. Dança e a questão do corpo na escola. In: CADERNO ARTE + EDUCAÇÃO. Propostas de reflexão e práticas de ensino para professores que atuam com as várias linguagens da arte na escola. IAVELBERG, Rosa. et al. São Paulo: Fundação Volkswagen e Editora Segmento, 2014.

COSTAS, A. M. R. Saberes Sensíveis no trânsito somático-dançante. In: Cristiane Wosniak; Nirvana Marinho. (Org.). O avesso do avesso do corpo - educação somática como práxis. 1ed.Joinville: Nova Letra, 2011, v. , p. 163-184.

DAYRELL, J. A escola como espaço sócio-cultural. In: DAYRELL, J. (org): Múltiplos Olhares: Sobre educação e cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1996.

DELORS, Jacques et al. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o Séc. XXI. São Paulo: Cortez, 1996.

DUARTE JUNIOR, J.F. Fundamentos Estéticos da Educação. Campinas: Papirus Editora. 1998

DUARTE JÚNIOR, J.F. Por que arte-educação? 5ed. Campinas: Papirus, 1988.

INSTITUTO DE ARTES. Universidade Estadual de Campinas. Deliberação Congregação IA nº 028/2016: Referente a moção de repúdio à proposta da Base Nacional Curricular Comum - BNCC. Campinas, 2016.

FARINA, C. Pedagogia das afecções: arte atual, corpo e sujeito. Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 14, n. 1, p. 45-53, jan./jun. 2006.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 6ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GODARD, Hubert. Foreword by Hubert Godard. In: MCHOSE, Caryn; FRANK, Kevin. How Life Moves: Explorations in Meaning and Body Awareness. Berkeley: North Atlantic Books, 2006b. p. ix-xiv.

JOHNSON, Don. Corpo. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1990. p. 151 - 171

LIMA, D. Gesto: Práticas e Discursos. 1ª edição. Rio de Janeiro, RJ: Cobogó, 2013. pp. 71-79.

LIMA, S. P. F de. Escolinha de arte do brasil: movimentos e desdobramentos. In: Anais do 21o Encontro Nacional da ANPAP; Rio de Janeiro, 2012 pp. 454-466.

LOUPPE, Laurence. Poética da dança contemporânea. Falta a cidade: Editora Orfeu Negro, 2012. pp. 27-49.

MACHADO, Meire Luci Bernardes Silva; ABREU-BERNARDES, Sueli Teresinha de. LEITURAS SOBRE O CONCEITO DE IMAGINAÇÃO EM GASTON BACHELARD. Revista Encontro de Pesquisa em Educação, Uberaba, v. 1, n. 1, p.59-69, out. 2013.

MARQUES, Isabel A.. Corpo, dança e educação contemporânea. Pro-Posições, [S.l.], v. 9, n. 2, p. 70-78, mar. 2016. ISSN 1982-6248. Disponível em: <http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8644138>. Acesso em: 06 nov. 2016.

MARQUES, I. Oito razões para ensinar dança na escola. In: Gilberto Icle. (Org.). Pedagogia da Arte: entre-lugares da escola. 1ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2012. v. 2., p.57- 72.

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Licenciatura em Dança. Departamento de Artes Corporais, Instituto de Artes, Unicamp. 2016.

RIBEIRO, M. M. O Prazer Estético: um laboratório somaestético na sala de aula de dança. Revista Brasileira de Estudos da Presença, [S.l.], v. 2, n. 1, p. 133-146, jun. 2012. ISSN 2237-2660. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/index.php/presenca/article/view/25683>. Acesso em: 03 nov. 2016.

RICHTER, S. R. S. Bachelard e a experiência poética como dimensão educativa. Revista Educação. Santa Maria, n. 2, v.31, p.241-254, jul./dez.2006.

SAFRA, G. A face estética do self: teoria e clínica. 3ª edição. São Paulo, SP: Ideias & Letras, 2005.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi de. As infinitas descobertas do corpo. Cadernos Pagu (14). Campinas: 2000. p. 235 -249

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi de. Corpos de passagem: ensaios sobre a subjetividade contemporânea. São Paulo: Editora Estação Liberdade, 2001. p. 11 - 12, p. 87 - 101

SÃO PAULO. Secretaria da Educação. Coordenadoria de Gestão da Educação Básica. Orientações Curriculares e Didáticas de Arte para Ensino Fundamental – anos iniciais. São Paulo: SEE 2014. 17p.

SÃO PAULO. Secretaria da Educação. Currículo do Estado de São Paulo.: Linguagens, códigos e suas tecnologias. 2ed. São Paulo: SEE, 2011. 260p.

STRAZZACAPPA, Márcia. A educação e a fábrica de corpos: a dança na escola. Cadernos Cedes, v. 21, n. 53, p. 69-83. Campinas: 2001.

Downloads

Publicado

2018-10-31

Como Citar

Costas, A. M. R., Andrieta, G., Tortorella, L., Tenório, M., & Hanada, A. (2018). Dança na educação básica : reflexões sobre o papel dos licenciados em dança na construção de saberes artísticos no contexto escolar. Conceição/Conception, 7, 125–180. https://doi.org/10.20396/conce.v7i0.8653846