Fabulações travestis sobre o fim

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conce.v10i00.8664035

Palavras-chave:

Arte e temporalidade, Estudos cênicos de gênero, Curadoria do fim

Resumo

Se o tempo cura, qual o tempo da cura? O fim é transitivo ou intransitivo? Quais os traços de uma curadoria de arte temporalizada? O texto aborda, desde a cosmovisão travesti, as interjeições especulativas altamente publicizadas na pandemia do novo coronavírus de “fim do teatro”, “fim do gênero”, “fim da espécie humana” e “fim do mundo” procurando apreender a operatividade econômico-filosófica curatorial do apocalipse e a curabilidade do fim. Pretende-se equacionar o que há no subsolo destes discursos, aventando o modo fabular das transgeneridades no sentido de desarmar os arranjos de comercialização do fim (Krenak, 2019) e de barganhas mercadológicas do luto social (Žižek, 2012). Almeja-se compreender os limites do corpo, da raça, do gênero e da cena para além do dilema da escassez de capital, tendo em vista o alargamento das dimensões cronológicas lineares da branquitude e da cisgeneridade. Notamos, assim, que a artesania espiralar do tempo (Martins, 2002), corresponde à audácia da elaboração do inacabamento inexorável da existência e da estética. Neste sentido, as fabulações travestis sobre o fim trazem para os estudos do futuro inscrições paradigmáticas de tempografias sincopadas, não obsolescentes da arte e da vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dodi Tavares Borges Leal, Universidade Federal do Sul da Bahia

Doutora em Psicologia Social pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IP-USP). Professora do Centro de Formação em Artes (CFA) e do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências (IHAC) da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB).

Referências

ADICHIE, Chimamanda. O perigo de uma história única. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ARARUNA, Maria Léo. Bricolagem travesti. Brasília: Padê, 2019.

BRASILEIRO, Castiel. Quando encontro vocês - macumbas de travesti, feitiços de bixa. Vitória: Castiel Vitorino Brasileiro, 2019.

HABIB, Ian. Corpos transformacionais: a facetrans no Brasil. In: Revista Arte da Cena, v.6, n.2, pp.68-106, 2020a.

HABIB, Ian. Corpos Transformacionais: Proposições decoloniais sobre corpos e diversidades de gênero nas artes da cena. In: ALMEIDA, Saulo Vinícius; BRONDANI, Joice Aglae; HADERCHPEK, Robson Carlos (Orgs.). Práticas decoloniais nas artes da cena. São Paulo: Giostri, 2020b.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

KRENAK, Ailton. do tempo. In: Pandemia Crítica, n.038. São Paulo: n-1 edições, 2020a.

KRENAK, Ailton. O amanhã não está à venda. São Paulo: Companhia das Letras, 2020b.

LEAL, abigail. me curo y me armo, estudando: a dimensão terapêutica y bélica do saber prete y trans. In: Pandemia Crítica, n.052. São Paulo: n-1 edições, 2020a.

LEAL, abigail. Escuiresendo: ontografias poéticas. Uberlândia: O sexo da palavra, 2020b.

LEAL, Dodi. Performatividade transgênera: equações poéticas de reconhecimento recíproco na recepção teatral. Tese (Doutorado em Psicologia Social). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, 2018.

LEAL, Dodi. A arte travesti é a única estética pós-apocalíptica possível? Pedagogias antiCIStêmicas da pandemia. In: Pandemia Crítica, n.094. São Paulo: n-1 edições, 2020a.

LEAL, Dodi. Encontra de Pedagogias da Teatra: afetividades do saber riscar e arriscar. In: cartografias.MITsp - Revista de Artes Cênicas, v. 7, p. 22-23, 2020b.

LEAL, Dodi. ROSA, André. Transgeneridades em performance: desobediências de gênero e anticolonialidades das artes cênicas. In: Revista Brasileira de Estudos da Presença, v.10, n.3, pp.1-29, 2020.

MARTINS, Leda. Performances do tempo espiralar. In: RAVETTI, Graciela. ARBEX, Márcia. (Orgs.) Performance, exílio, fronteiras - errâncias territoriais e textuais. Belo Horizonte: Faculdade de Letras / Universidade Federal de Minas Gerais, 2002.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. São Paulo: n-1 edições, 2018.

MOMBAÇA, Jota. A plantação cognitiva. In: MASP Afterall - Arte e Descolonização. São Paulo: Museu de Arte de São Paulo, 2020.

PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. São Paulo: Perspectiva, 2015.

PAVIS, Patrice. Dicionário da Performance e do Teatro Contemporâneo. São Paulo: Perspectiva, 2017.

PRECIADO, Paul. Testo Junkie. Sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica. São Paulo: n-1 edições, 2018.

PRECIADO, Paul. Un apartamento en Urano. Barcelona: Anagrama, 2019.

PRECIADO, Paul. Aprendendo do vírus. In: Pandemia Crítica, n.007. São Paulo: n-1 edições, 2020a.

RAVENA, Isadora. Sinfonia para o fim do mundo. Fortaleza: LAC - Laboratório de Estética e Filosofia da Arte, LAC - Laboratório de Arte Contemporânea / Universidade Federal do Ceará, 2020.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das encruzilhadas. Rio de Janeiro: Mórula, 2019.

SILVA, Denise. A dívida impagável: lendo cenas de valor contra a flecha do tempo. São Paulo: Oficina de Imaginação Política, 2019.

SIMAS, Luiz. RUFINO, Luiz. Fogo no mato: a ciência encantada das macumbas. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.

SIMAS, Luiz. RUFINO, Luiz. Encantamento: sobre política de vida. Rio de Janeiro: Mórula, 2020.

TÉO, Preto. EP. Brasília: Padê, 2018.

VERGUEIRO, Viviane. Sou travestis: estudando a cisgeneridade como uma possibilidade decolonial. Brasília: Padê, 2018.

ŽIŽEK, Slavoj. Vivendo no fim dos tempos. São Paulo: Boitempo, 2012.

Downloads

Publicado

2021-05-15

Como Citar

LEAL, D. T. B. . Fabulações travestis sobre o fim. Conceição/Conception, Campinas, SP, v. 10, n. 00, p. e021002, 2021. DOI: 10.20396/conce.v10i00.8664035. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conce/article/view/8664035. Acesso em: 17 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos - Temas Livres