As competências do professor de educação física na educação especial: uma aproximação preliminar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v12i4.1670

Palavras-chave:

Educação física adaptada, Educação especial, Competência docente

Resumo

A atuação do professor de educação física na educação especial é sempre desafiadora, demandando uma constante atualização das suas competências. O objetivo do presente estudo se constitui em identificar as competências necessárias ao professor de educação física para intervir adequadamente na educação especial. Para a realização do estudo foi realizada uma pesquisa de campo, utilizando uma escala Likert construída a partir da perspectiva dos pressupostos de Perrenoud (2000) sobre competência de professores. Foram pesquisados 30 profissionais que atuam na educação especial. Os dados apontam para a valorização de diferentes competências, entretanto, relações interpessoais, gestão e novas tecnologias ainda requerem avanços significativos. A formação continuada também se apresentou muito valorizada, mas ainda necessitam de aproximação com a temática da educação especial e para a construção de competências que se coadunem mais especificamente com essa dimensão da educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Moreira Antunes, Universidade Federal Fluminense

Doutor em educação física da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Mestre em Educação Física pela Universidade Gama Filho (UGF). Pós-graduado em docência superior pela Universidade Gama Filho (UGF). Graduado em Educação Física pelo Centro Universitário da Cidade. Foi professor da Prefeitura Municipal de Niterói por sete anos. É docente do curso de graduação em educação física da Universidade Federal Fluminense. Atualmente realiza estágio de Pós-doutorado na Faculdade de Educação Física da Unicamp.

Lilian Cristiane Costa Damasceno, Universidade Gama Filho

Graduada em Educação Física pela Universidade Gama Filho. Atuante na área de atividade motora adaptada e treinamento desportivo.

José Júlio Gavião Almeida, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Educação Física pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas–PUCC (1982). Especialização em Ginástica Artística pela Universidade Estadual de São Paulo-USP (1995). Mestrado em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP (1992). Doutorado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP (1995). Atualmente é Professor Assistente Doutor da UNICAMP e Coordenador de Extensão da Faculdade de Educação Física da UNICAMP. Assessor Técnico da Federação Paulista de Desporto para Cegos.. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Educação Física Adaptada, atuando principalmente nos seguintes temas: Deficiência Visual, Lutas, Aprendizagem esportiva, Esportes Paralímpicos.

Diego Luz Moura, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Mestre e Doutor em Educação Física pela Universidade Gama Filho. Atualmente realiza Estágio de pós-Doutorado em Estudos Culturais (UFRJ) e em Ciências do Exercício e do Esporte (UGF). É Professor Adjunto da Universidade Federal do Vale de São Francisco (UNIVASF) atuando no curso de graduação de educação física e no Mestrado em Ciências da Saúde e Biológicas. É líder do LECPEF (Laboratório de Estudos Culturais e Pedagógicos da Educação Física). Possui experiência no ensino da educação física na educação básica tendo atuado na Secretaria Municipal e Estadual de Educação do Rio de Janeiro, ministrando aulas para o ensino infantil, fundamental e médio. É revisor de vários periódicos nacionais. Seu interesse e trajetória de investigação se baseiam nos estudos sobre os aspectos pedagógicos do ensino da educação física e os aspectos sócio-culturais da atividade física e do esporte. É autor do livro: Cultura e educação Física escolar: da teoria à prática; publicado pela editora Phorte no ano de 2012.

Referências

PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico 2010. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br/. Acesso em: 03 jan. 2012.

LOPES, M. C.; FABRIS, E. H. Inclusão e educação. Belo Horizonte: Autentica, 2013.

SILVA, R. F.; SEABRA JÚNIOR, L.; ARAÚJO, P. F. Educação física adaptada no Brasil: da história à inclusão educacional. São Paulo: Phorte, 2008.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS DOCENTES DA EDUCAÇÃO ESPECIAL (ANDEE). Tomada de posição da ANDEE - Pró inclusão face ao insuficiente número de professores de educação especial. 2013. Disponível em: http://proandee.weebly.com/. Acesso em: 24 out. 2013.

TERRA, R. N.; GOMES, C. G. Inclusão escolar: carências e desafios da formação e atuação profissional. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 26, n. 45, p.109-124, jan./abr. 2013.

MAZZOTTA, M. J. S.; D’ANTINO, M. E. F. Inclusão social de pessoas com deficiências e necessidades especiais: cultura, educação e lazer. Saúde soc., São Paulo, v. 20, n. 2, 2011. p. 377-389.

PEDRINELLI, A.; TEIXEIRA, W. J. Atividade física nas amputações e anomalias congênitas. In: GORGATTI, M. G.; COSTA, R. F. (Org.). Atividade física adaptada: qualidade de vida para pessoas com necessidades especiais. 2. ed. Barueri: Phorte, 2008.

FERREIRA, E. L. (Org.). Atividade física para pessoas com deficiência física: livro de exercícios. 2. ed. Niterói: Intertexto, 2009.

TEIXEIRA, L. Atividade física adaptada e saúde: da teoria a prática. Barueri: Phorte, 2008.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2010.

PERRENOUD, P. Ensinar: agir na urgência, decidir na incerteza. Porto Alegre: Artmed, 2001.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA (UNESCO). O perfil dos professores brasileiros: o que fazem, o que pensam, o que almejam. São Paulo: Moderna, 2004.

BECKER, H. Métodos de pesquisa em ciências sociais. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1994.

VEIGA, I. P. A.; CUNHA, M. I. (Org.). Desmistificando a profissionalização do magistério. Campinas: Papirus, 1999.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002. Estabelece diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, em curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União, Brasília, p. 31, 9 abr. 2002. Seção 1. Republicada por ter saído com incorreção do original no D. O. U., p. 8, 4 mar. 2002. (b) Seção 1. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res1_2.pdf. Acesso em: 19 jan. 2013.

NAUJORKS, M. I.; REAL, D. C.; MOHR, A. C. Deficiência, cinema, imaginário e formação docente. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 24, n. 41, set./dez. 2011.

OLIVEIRA, A. A. S. Formação de professores em educação especial: a busca de uma direção. In: MENDES, E. G.; ALMEIDA, M. A.; WILLIAMS, L. C. A. (Org.). Temas em Educação Especial: avanços recentes. São Carlos: EdUFSCar, 2004.

DIAS, A. F.; CRUZ, M. H. S. A docência sob suspeita: as representações de gênero no campo da educação. Interfaces Científicas: educação, Aracaju, v. 2, n. 2, p. 93-110, fev. 2014.

OLIVEIRA, D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1127-1144, set./dez. 2004.

OLIVEIRA, M. P.; SANTOS, S. C.; FREITAS, S. N. (Trans)formação docente: entrecruzando competências e saberes no fazer pedagógico. Revista Brasileira de Educação e Cultura, São Gotardo, n. 5, p. 45-67, jan./jun. 2012.

MELO, F. R. L. V.; MARTINS, L.A. R. Acolhendo e atuando com alunos que apresentam paralisia cerebral na classe regular: a organização da escola. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.13, n.1, p.111-130, jan./abr. 2007.

THIN, D. Para uma análise das relações entre família, populares e escola: confrontação entre lógicas socializadores. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v.11, n. 32, maio/ago. 2006.

MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 13. ed. Campinas: Papirus, 2007.

SANT’ANA, I. M. Educação inclusiva: concepções de professores e diretores. Psicologia em Estudo, Maringá, v.10, n. 2, p. 227-234, maio/ago. 2005.

AGUIAR, J. S.; DUARTE, E. Educação inclusiva: um estudo na área da educação física. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.11, n. 2, p. 223-240, maio/ago. 2005.

FERREIRA, M. O. V. Somos todos trabalhadores em Educação? Reflexões sobre identidades docentes desde a perspectiva de sindicalistas. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 225-240, maio/ago. 2006.

RICH, S. M. Estratégias de instrução na educação física adaptada. In: WINNICK, J. P. Educação física e esportes adaptados. Barueri: Manole, 2004.

SILVA, C. S.; SOUZA NETO, S.; DRIGO, A. J. Os professores de educação física adaptada e os saberes docentes. Motriz, Rio Claro, v.15, n. 3, p. 481-492, 2009.

Downloads

Publicado

2014-12-30

Como Citar

ANTUNES, M. M.; DAMASCENO, L. C. C.; ALMEIDA, J. J. G.; MOURA, D. L. As competências do professor de educação física na educação especial: uma aproximação preliminar. Conexões, Campinas, SP, v. 12, n. 4, p. 23–40, 2014. DOI: 10.20396/conex.v12i4.1670. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/1670. Acesso em: 27 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)