Banner Portal
Concepção de professores de educação física em relação à qualificação e atuação junto de alunos com deficiência
PDF

Palavras-chave

Qualificação profissional
Professores
Pessoas com deficiência

Como Citar

SCHMITT, J. A.; FRANK, R.; BORELLA, D. R.; SCHONE, A.; DUARTE, A. C.; HARNISCH, G. S.; STORCH, J. A. Concepção de professores de educação física em relação à qualificação e atuação junto de alunos com deficiência. Conexões, Campinas, SP, v. 13, n. 1, p. 1–19, 2015. DOI: 10.20396/conex.v13i1.2146. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/2146. Acesso em: 7 dez. 2023.

Resumo

O presente estudo tem como objetivo averiguar a qualificação e dificuldades dos professores em relação ao trabalho diante de alunos com deficiência no contexto inclusivo ou na Modalidade de Educação Especial. Este estudo caracteriza-se como uma pesquisa de campo e exploratória, de cunho quantitativo. Os participantes do referido estudo foi composta de 30 professores de Educação Física, já formados, atuantes em escolas e colégios da rede pública e privada. Para a coleta de dados utilizou-se de um (1) questionário, composto de questões fechadas, elaborado pelos pesquisadores. Os resultados apresentam que uma pequena parcela considera que a disciplina foi suficiente para atuar com esta população. As principais dificuldades na regência dos professores está em “proporcionar práticas pedagógicas adequadas” e em “conhecer as características da deficiência”. Percebe-se que os professores reconheceram a importância que a atualização para essa área, porém, relatam não se interessar em fazer uma especialização. Contudo, observa-se que os professores não estão aptos para atuar com alunos com deficiência e apontam, principalmente, a falta de atualização nesta área dificulta proporcionar práticas pedagógicas inclusivas que garantam o desenvolvimento das potencialidades dos alunos e inclusive ensino de qualidade à pessoas com deficiência.

https://doi.org/10.20396/conex.v13i1.2146
PDF

Referências

MENDES, E. G. Deficiência mental: a construção científica de um conceito e a realidade educacional, 1995. 387f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.

MONTEIRO, A. P. H. Há mudanças nas concepções do professor do ensino fundamental em relação à inclusão após a inserção de alunos deficientes? 2006. 140f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2006.

MEDINA, J. P. S. A Educação física cuida do corpo e "mente". São Paulo: Papirus, 1983.

COSTA,V. L. Prática da Educação Física no 1o grau: modelo de reprodução ou perspectiva de transformação? São Paulo: Ibrasa, 1984.

CARMO, A. A. Educação Física: crítica de uma formação acrítica: um estudo das capacidades e habilidades intelectuais solicitadas na formação do profissional de Educação Física. Dissertação de mestrado: Universidade Federal de São Carlos, 1982.

MOREIRA, W. W. Educação Física: uma abordagem fenomenológica. Campinas: Ed. da Unicamp, 1991.

DAÓLIO, J. A representação do trabalho do professor de Educação Física na escola: do corpo matéria-prima ao corpo cidadão. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, p.181-186, 1993.

DARIDO, S. C. Teoria, prática e reflexão na formação profissional em Educação Física. Motriz, Rio Claro, v. 1, n. 2, 1995.

MARQUES, U. M.; CASTRO, J. A. M.; SILVA, M. A. Actividade física adaptada: uma visão crítica. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, v. 1, n.1, 2001.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei no 12.796, de 4 de abril de 2013, que estabelece a alteração das Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm.

CIDADE, R. E. A; FREITAS, P. S. Noções sobre Educação Física e desportos para portadores de deficiências: uma abordagem para professores de 1o e 2o grau. Uberlândia: INDESP, 1997.

PALLA, A. C.; CASTRO, E. M. Atitude de professores e estudantes de educação física em relação ao ensino de alunos com deficiência em ambientes inclusivos. Revista da Sobama, v. 9, n. 1, p. 25-34, 2004.

MAZZOTTA, M. J. S. Fundamentos de educação especial. São Paulo: Pioneira, 1997.

BORELLA, D. R. Atividade física adaptada no contexto das matrizes curriculares dos cursos de Educação Física. 2010. 166f. Tese (Doutorado em Educação Especial) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2010.

CRUZ, M. S. et al. Prevalência de deficiência auditiva referida e causas atribuídas: um estudo de base populacional. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 5, p. 1123-1131, maio 2009.

SILVA, R. F.; SEABRA JÚNIOR, L.; ARAÚJO, P. F. Educação Física adaptada no Brasil: da história a inclusão. São Paulo: Phorte, 2008.

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K.; SILVERMAN, S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Conselho Federal de Educação. Resolução no 03/87, 1987. Disponível: http://www.ufpb.br/sods/consepe/resolu/1990/Res0387-cfe.htm

SOUZA NETO, S. et al. A formação do profissional de Educação Física no Brasil: uma história sob a perspectiva da legislação federal no século XX. Revista Brasileira Ciências do Esporte, v. 25, n. 2, 2004.

FILUS, J.; MARTINS JUNIOR, J. Reflexões sobre a formação em Educação Física e a sua aplicação no trabalho junto as pessoas com deficiência. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v. 15, n. 2, p. 79-85, 2004.

MACIEL, M. R. C. Portadores de deficiência: a questão da inclusão social. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 51-56, 2000.

SANT’ANA, I. M. Educação inclusiva: concepções de professores e diretores. Psicologia em Estudo, Maringá, p. 227-234, maio/ago. 2005.

O periódico Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.