Dança de salão: inclusão social e realização pessoal

  • Lilian Fátima Zaniboni Ambulatório de Transtornos do Movimento do Hospital de Base
  • José Augusto Rodrigues Cia de Dança Guto Rodrigues
Palavras-chave: Dança de salão. Deficiência auditiva e visual. Inclusão social.

Resumo

Este estudo descreve como aconteceu o processo de ensino e aprendizagem da dança de salão com uma aluna com deficiência auditiva e visual. Para tanto, foi feita uma análise longitudinal das aulas realizadas entre o professor J. A. R., sexo masculino, 37 anos, e sua aluna W. L. W, sexo feminino, 52 anos. Os resultados mostram que a interação entre professor-aluna dava-se a partir da técnica elaborada e adaptada pelo professor, em que o mesmo usava da língua de sinais na palma da mão esquerda de sua aluna. Além da efetividade dessa técnica comunicativa, observou-se que, após as aulas de dança de salão, a aluna passou a apresentar uma melhor postura corporal, agilidade física, mais equilíbrio físico e uma significativa melhora da auto-confiança, que lhe rendeu uma nova estratégia de comunicação e uma vida social mais ativa. Conclui-se, assim, que o ensino-aprendizagem da dança de salão, quando fundamentado em conhecimentos que perpassam pelo bio-psico-social do corpo humano, proporciona bem mais que técnicas e (re)produção de passos. Possibilita superação física, emocional e social, bem como pode viabilizar a inclusão e a realização pessoal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lilian Fátima Zaniboni, Ambulatório de Transtornos do Movimento do Hospital de Base
Possui graduação em Fonoaudiologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1994), Mestrado em Estudos Lingüísticos pelo Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas-UNESP (2002) e Doutorado em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas (2007).
José Augusto Rodrigues, Cia de Dança Guto Rodrigues
Graduação em Educação Física pelo Centro Universitário do Norte Paulista-UNORP. Professor de dança de salão há 15 anos.

Referências

NIETZSCHE, F. Assim falou Zaratustra. São Paulo: Círculo do Livro, 1989

GUERVÓS, L. E. S. Nos limites da linguagem: Nietzsche e a expressão vital da dança. Cadernos Nietzsche, v. 14, p. 83-104, 2003.

FERREIRA, E. L. Corpo, movimento, deficiência: as formas dos discursos da/na dança em cadeira de rodas e seus processos de significação. Juiz de Fora: CBDCR. 2005a.

FERREIRA, E. L. O corpo do possível. In: FERREIRA E. L. (Org.). Dança artística e esportiva para pessoas com deficiência: multiplicidade, complexidade, maleabilidade corporal. Juiz de Fora: CBDCR. 2005b. v.1.

ORLANDI, E. Coreografar: inscrever significativamente o corpo no espaço. In: FERREIRA E. L.; FERREIRA M. B. R.; FORTI V. A. M. (Org.). Interfaces da dança para pessoas com deficiência. Campinas: Confederação Brasileira de Dança em Cadeira de Rodas, 2002, p. 89-95. v. 1.

CAZÉ, C. M. J.; OLIVEIRA, A. S. Dança além da visão: possibilidades do corpo cego. Pensar a Prática, Goiânia, v. 11, n. 3, p. 293-302, 2008. Disponível em: http://www.revistas.ufg.br/index.php/fef/article/view/3592/4263. Acesso em: 18 jun. 2012.

DANTAS, M. Dança: o enigma do movimento. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 1999.

PORTINARI, M. História da dança. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1989.

SOUZA, N. C. P.; CARAMASCHI, S. Contato corporal entre adolescentes através da dança de salão na escola. Motriz, Rio Claro, v. 17, n. 4, p. 618-629, out./dez. 2011.

RODRIGUES, G. M. Em cena, olhares para a travessia de corpos que dançam. Conexões: educação física, esporte, lazer, Campinas, v. 6, p. 47-50, dez. 2011.

Publicado
2013-06-17
Como Citar
Zaniboni, L. F., & Rodrigues, J. A. (2013). Dança de salão: inclusão social e realização pessoal. Conexões, 11(2), 223-239. https://doi.org/10.20396/conex.v11i2.8637625
Seção
Relato de Experiência