Análise do pico de potência de membro superior em jogadores amadores de rugby

Autores

  • Marco Aurélio Ferreira de Jesus Leite Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais. https://orcid.org/0000-0002-8332-5075
  • Juliano Magalhães Guedes Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais.
  • Lucila Costa Zini Angelotti Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais. https://orcid.org/0000-0003-3268-3670
  • Gustavo da Ribeiro Motta Professor Doutor do Programa de Pós- Graduação da Universidade Federal do Triângulo Mineiro - Uberaba
  • Edmar Lacerda Mendes Professor Doutor Coordenador do Departamento de Ciências do Esporte da Universidade Federal do Triângulo Mineiro https://orcid.org/0000-0001-8182-8296

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v13i2.8640652

Palavras-chave:

Rugby, Desempenho atlético, Avaliação da capacidade de trabalho, Força muscular

Resumo

O objetivo deste estudo foi identificar o pico de potência (PP) absoluta e relativa de membros superiores (MMSS) em jogadores amadores de rugby. Dezoito jogadores de rugby (nível universitário estadual, em início de temporada) de ambos os sexos (homens n=11) participaram voluntariamente. Os jogadores foram submetidos à avaliação antropométrica e testes 1 repetição máxima (1RM) no exercício supino reto (barra guiada). Após pelo menos 48 horas, os jogadores realizaram o teste de potência dos MMSS (mesmo aparelho) utilizando-se de acelerômetro (Myotest®) para mensurar a potência da ação concêntrica. As intensidades testadas foram de 30%, 40%, 50% e 60% de 1RM, com 3 minutos de pausa passiva entre as intensidades. Não houve diferença (p< 0,05) paras potências absolutas e relativas intragrupos. Entretanto, os homens produziram maiores valores de potências (p < 0,05) em todas intensidades testadas. O pico de potência absoluto e relativo não diferiu estatisticamente entre as intensidades testadas em cada grupo, para tanto, ainda devem ser realizadas mais pesquisas para comprovar a efetividade de treinamentos que utilizam o valor de pico de potência como zona de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Aurélio Ferreira de Jesus Leite, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais.

Integrante do Departamento de Ciências do Esporte (DCEs) da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Aluno Especial do Programa de Pós-graduação em Educação Física da UFTM. Atua na área de Aspectos Biodinâmicos e Metabólicos do Desempenho Humano.

Juliano Magalhães Guedes, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais.

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Federal de Lavras (2011). Mestre em Educação Física pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro, área de concentração Esporte e Exercício ( 2014). Professor da Faculdade Governador Ozanam Coelho (FAGOC). Professor de musculação da academia UP Sport Center ( Viçosa-MG). Tem experiência nas área de Fisiologia do Exercício, Treinamento Esportivo e Sistema Imune

Lucila Costa Zini Angelotti, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais.

Bacharel em Estatística pela Universidade Federal de São Carlos (2007). Realizou estágio de iniciação científica na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA - na área de Métodos Quantitativos. Tem especialização em metodologias do ensino da matemática e mestrado em Inovação Tecnológica pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Atualmente é professora universitária na Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) e no Centro Universitário Barão de Mauá, ministrando as disciplinas Estatística Aplicada, Bioestatística, Metodologia de Pesquisa II - Método Quantitativo e Pesquisa e Ciência

Gustavo da Ribeiro Motta, Professor Doutor do Programa de Pós- Graduação da Universidade Federal do Triângulo Mineiro - Uberaba

Docente do Departamento de Ciências do Esporte da Universidade Federal do Triângulo Mineiro ([UFTM] Uberaba,MG). Professor e coordenador do programa de Pós Graduação (Mestrado) em Ed. Física da mesma instituição. Fez mestrado (2002) e doutorado (2007) em Ciências da Motricidade (UNESP Rio Claro,SP). Foi treinador físico de futebol e preparador físico por mais de 12 anos. É líder do Grupo de Pesquisa em Desempenho Humano e Esporte (UFTM) e atua com pesquisas científicas nessas áreas.

Edmar Lacerda Mendes, Professor Doutor Coordenador do Departamento de Ciências do Esporte da Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Graduado em Educação Física, Mestre em Ciência da Nutrição e Doutor em Biologia Celular e Estrutural pela Universidade Federal de Viçosa. Professor Adjunto II e Coordenador do Departamento de Ciências do Esporte da Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Atua no Curso de Graduação e Pós Graduação stricto sensu em Educação Física da Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

Referências

OWEN, P. M.; WATHERSON, C. R. Professionalization of New Zeland Rugb Union: historical background, structual changes and competitive balance. School of Business, p.1-29.

GABBETT, T. J.; KING, T.; JENKINS, D. Applied physiology of rugby league. American Journal of Sports Medicine, Baltimore, v. 38, n. 2, p. 119-138, 2008.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE RUGBY. Sobre o rugby. São Paulo. Internet, São Paulo, 2013. Disponível em: http://www.sharklion.com/proyectos/cbru/main/content.php?page=8. Acesso em: 28 fev. 2014.

GABBETT, T. J. Science of rugby league football: a review. Journal of Sports Science and Medicine, Uludağ, v. 23, n. 9, p. 961-976, 2005.

GABBETT, T. J. Physiological and anthropometric characteristics of amateur rugby league players. British Journal of Sports Medicine, Loughborough, v. 34, n. 4, p. 303-307, 2000.

GABBETT, T. J. Incidence, site, and nature of injuries in amateur rugby league over three consecutive seasons. British Journal of Sports Medicine, Loughborough, v. 34, n. 2, p. 98-103, 2000.

ALVES, L. M.; SOARES, R. P.; LIEBANO, R. E. Incidência de lesões na prática do rúgbi amador no Revista Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 131-135, 2008.

VAZ, L.; ROOYEN, M. V.; SAMPAIO, J. Rugby game: related statistic that discriminate between winning and losing teams ins IRB and super twelve close games. Journal of Sports Science & Medicine, Bursa, v. 9, n. 1, p. 51-5 2010.

BISCOMBE, T.; DREWETT, P. Rugby: steps to sucess. 2. ed. Champaign: Human Kinetics, 1998.

BEVAN, H. R. et al. Influence of postactivation potentiation on sprinting performance in professional rugby players. Journal of Strength & Conditioning Research, Colorado Springs, v. 24, n. 3, p. 701-705, 2010.

SANTOS, E. J.; JANEIRA, M. A. Effects of complex training on explosive strength in adolescent male basketball players. Journal of Strength & Conditioning Research, Colorado Springs, v. 22, n. 3, p. 903-909, 2008.

DANTAS, E. H. M. A prática da preparação física. 5. ed. Rio de Janeiro: Shape, 2003.

ASCI, A.; ACIKADA, C. Power production among different sports with similar maximum strength. Journal of Strength & Conditioning Research, Colorado Springs, v. 21, n. 1, p. 10-16, 2007.

CORMIE, P.; MCBRIDE, J. M.; MCCAULLEY, G. O. Validation of power measurement techniques in dynamic lower body resistance exercises. Journal of Applied Biomechanics, Champaign, v. 23, n. 2, p. 103-118, 2007.

AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. Manual de pesquisa das directrices do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

GOMES, A. C. Treinamento desportivo: estruturação e periodização. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. p. 150-208.

COMSTOCK, B. A. et al. Validity of the myotest in measuring force and power production in the squat and bench press. Journal of Strength & Conditioning Research, Colorado Springs, v. 25, n. 8, p. 2293-2297, 2011.

GEHLERT, S. et al. Cycling exercise-induced myofiber transitions in skeletal muscle depend on basal fiber type distribution. European Journal of Applied Physiology, Heidelberg, v. 112, n. 7, p. 2393-2402, 2012.

WILSON, J. M. et al. The effects of endurance, strength, and power training on muscle fiber type shifting. Journal of Strength & Conditioning Research, Colorado Springs, v. 26, n. 6, p. 1724-1729, 2012.

FITTS, R. H.; WIDRICK, J. J. Muscle mechanics: adaptations with exercise-training. Exercise and Sport Sciences Reviews, Hagerstown, v. 24, n. 1, p. 427-473, 1996.

BATISTA, M. A. et al. Intermittent exercise as a conditioning activity to induce postactivation potentiation. Journal of Strength & Conditioning Research, Colorado Springs, v. 21, n. 3, p. 837-840, 2007.

ROSCHEL, H.; TRICOLI, V.; UGRINOWITSCH, C. Treinamento físico: considerações práticas e científicas. Revista Brasileira de Educação Física Esportiva, São Paulo, v. 1, n. 25, p. 53-65, 2011.

ROMERO, S. et al. Power-strength curve in basketball players. Revista de Psicologia del Deporte, Barcelona, v. 18, n. 1, p. 425-428, 2009.

LAMAS, L. D. R.; TRICOLI, V.; UGRINOWITSCH, C. Efeito de dois métodos de treinamento no desenvolvimento da força máxima e da potência muscular de membros inferiores. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 22, n. 3, p. 235-245, 2008.

SLEIVERT, G.; TAINGAHUE, M. The relationship between maximal jump–squat power and sprint acceleration in athletes. European Journal of Applied Physiology, Heidelberg, v. 91, n. 1, p. 46-52, 2004.

BAKER, D. Acute effects of alternating heavy and light resistances on power output during upper-body complex power training. Journal of Strength & Conditioning Research, Colorado Springs, v. 17, n. 1, p. 493-497, 2003.

GARCIA, F. G.; RIBEIRO, L. S.; FILHO, M. B. Personalidade de atletas brasileiros de alto-rendimento: comparações entre os sexos masculino e feminino e correlação com nível de performance e tempo de treinamento. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, Porto, v. 5, n. 1, p. 31-39, 2005..

SALVADOR, E. et al. Comparação entre o desempenho motor de homens e mulheres em séries múltiplas de exercícios com pesos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, n. 11, v. 5, p. 257-261, 2005.

GLASS, S. C.; STANTON, D. R. Self-selected resistance training intensity in novice weightlifters. Journal of Strength & Conditioning Research, Colorado Springs, n. 18, v. 2, p. 324-327, 2004.

MARTINS, A. Relação entre força dinâmica máxima de membros inferiores e o equilíbrio corporal em praticantes de musculação. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano, Florianópolis, v. 5, n. 12, p. 375-380, 2010.

KOMI, P. V. Força e potencia no esporte. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

Downloads

Publicado

2015-06-30

Como Citar

Leite, M. A. F. de J., Guedes, J. M., Angelotti, L. C. Z., Motta, G. da R., & Mendes, E. L. (2015). Análise do pico de potência de membro superior em jogadores amadores de rugby. Conexões, 13(2), 1–14. https://doi.org/10.20396/conex.v13i2.8640652

Edição

Seção

Artigo Original