Níveis de aptidão física em escolares pré-púbere

uma comparação entre gêneros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v13i3.8640867

Palavras-chave:

Gênero, Aptidão física, Criança

Resumo

Pesquisadores na área das ciências da saúde tem formulado diversas teorias, com o aumento das publicações e debates acadêmicos utilizados como pano de fundo, hoje, no universo escolar. Refletir sobre as desigualdades e promover a inclusão são um dos desafios dos educadores propostos pela ciência. O objetivo desse estudo foi verificar se há diferenças de aptidão física entre meninos e meninas durante o ensino fundamental em uma escola particular de Brasília. Foram coletados dados de 44 crianças com idade média de 8,65±0,6 anos, sendo 22 do sexo masculino e 22 do sexo feminino. Foram mensurados peso(kg), estatura (m) e calculado o índice de massa corporal (kg/m²). Os testes aplicados foram de velocidade (50 metros), agilidade (shuttlerun) e força de membros inferiores (impulsão vertical). Não foram encontradas diferenças significativas antropométricas ou de aptidão física entre os dois grupos. Os achados deste estudo, somado a análise de estudos semelhantes, anteriores, com diferentes populações, sugerem que não há diferença de aptidão física entre gêneros nessa fase da infância, de modo que sob esta premissa não se justificam a separação dos alunos na aula de Educação Física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caio Victor Sousa, Universidade Católica de Brasília

Possui graduação em Educação Física pelo Centro Universitário de Brasília, Especialização em Fisiologia do Exercício pela Universidade de Brasília, Mestrado em Educação Física pela Universidade Católica de Brasília (bolsista CAPES/PROCAD). Atualmente estudante de Doutorado em Educação Física na UCB (CAPES/PROSUP I). 

Renan Renato Cruz dos Santos, Universidade de Brasília

Graduado (Licenciatura Plena) em Educação Física pela Universidade de Brasília e Mestrando do Programa de Pós Graduação em Ciências da Saúde da Universidade de Brasília.

Vitor Vicente, Centro Universitário de Brasília

Graduado em Educação Física (2013) pelo Centro Universitário de Brasília – UniCEUB,

Márcio Rabelo Mota, Centro universitário de Brasília

Possui graduação em Educação Física (Licenciatura) pela Universidade Católica de Brasília (2000), mestrado em Educação Física pela Universidade Católica de Brasília (2006 ), doutorado em Educação Física pela Universidade Católica de Brasília (2010) e pós doutorado em Educação Física pela Universidade de Brasilia (2014).

Renata Aparecida Elias Dantas, Centro Universitário de Brasília

Doutora em Ciências da Saúde (2013), possui graduação em Licenciatura Em Educação Física pela Universidade de Brasília (1995) é mestre em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília (2002). Atualmente é professora do Centro Universitário de Brasília- UniCEUB, e da Faculdade de Ciências e Tecnologias de Unaí.

Referências

CHAN-VIANNA, A. J.; MOURA, D. L.; MOURÃO, L. Educação física, gênero e escola: uma análise da produção acadêmica. Movimento, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 149-164, 2010.

BRASIL Presidência da República. Lei n° 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: 1996.

CHICON, J. F. Inclusão e exclusão no contexto da educação física escolar. Movimento, Porto Alegre, v. 14, n. 1, p. 13-38, 2008.

DWYER, G.; DAVIS, S. ACSM's: health-related physical fitness assessment manual. 2. ed. Philadelphia: Lippincott :Williams & Wilkins Health, 2008.

VASCONCELOS, A. F.; DE DAVID, A. C. A influência de um programa em educação física no desenvolvimento motor das crianças na educação infantil. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a World Health Organization Consultation. Geneva, 2000. p. 256 (WHO Obesity Technical Report Series, n. 284).

MATSUDO, V. K. R. Testes em ciências do esporte. 7. ed. São Paulo: CELAFISCS. 2005.

GALHAHUE, D. L.; OZMUN, J. Compreendendo o desenvolvimento motor. São Paulo, 2005.

RODRIGUES, L. P. et al. Estabilidade da aptidão física na transição da infância (7-9 anos) para a puberdade (15 anos): o estudo morfofuncional da criança vianense. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, v. 7, n. 3, p. 347-357, 2007.

RAMOS, E. et al. Associação do envolvimento à actividade física e à aptidão em jovens madeirenses. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, v. 8, n. 2, p. 229-240. 2008.

ANDREASI, V. et al. Aptidão física associada às medidas antropométricas de escolares do ensino fundamental. Jornal de Pediatria, São Paulo, v. 86, n. 6, p. 497-502, 2010.

ZAJONZ, R.; MÜLLER, A. B.; VALENTINI, N. C. A influência de fatores ambientais no desempenho motor e social de crianças da periferia de Porto Alegre. Revista da Educação Física/UEM, Maringá. v. 19, n. 2, p. 159-171, 2008.

THOMAS, J. R. Children's control, learning and performance of motor skills. Research Quaterly of Exercise and Sport, Reston v. 71, n. 1, p. 1-9, 2000.

GALLAHUE, D. L.; OZMUN, J. C.; GOODWAY, J. D. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. Porto Alegre: AMGH, 2013.

MANCINI, M. C. et al. Efeito moderador do risco social na relação entre risco biológico e desempenho funcional infantil. Revista Brasileira Saúde Materno Infantil, v. 4, n. 1, p. 25-34, 2004.

Downloads

Publicado

2015-10-02

Como Citar

Sousa, C. V., Santos, R. R. C. dos, Vicente, V., Mota, M. R., & Dantas, R. A. E. (2015). Níveis de aptidão física em escolares pré-púbere: uma comparação entre gêneros. Conexões, 13(3), 1–11. https://doi.org/10.20396/conex.v13i3.8640867

Edição

Seção

Artigo Original