Práticas corporais como tecnologia social na estratégia saúde da família

Autores

  • Sabrina Raquel de Lima Andrade Universidade Estadual do Ceará http://orcid.org/0000-0002-4063-0731
  • Aline Albuquerque Marques Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Ana Clécia Silva Ferreira Rodrigues Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Neires Alves de Freitas Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • André Luis Façanha da Silva Universidade Federal do Ceará https://orcid.org/0000-0003-3940-454X

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v15i3.8647454

Palavras-chave:

Prática corporal, Tecnologia social, Estratégia saúde da família, Educação física

Resumo

O presente relato de experiência tem como objetivo descrever o processo de implantação e a trajetória das Práticas Corporais Comunitárias (PCC) como tecnologia social da Estratégia Saúde da Família (ESF) no município de Sobral/CE. Utilizamos o diário de campo, observação direta nos grupos de práticas corporais em 13 bairros facilitados por profissionais de Educação Física. Nos resultados destacaram-se a predominância de participação do público feminino intergeracional; variação na utilização dos conteúdos da cultura corporal do movimento; espaço de construção de vínculos, autonomia, socialização, criticidade e conhecimentos dos microprocessos de trabalhos para efetivação do apoio matricial nas PCC. A experiência contribuiu para enriquecer os conhecimentos e as necessidades das PCC na ESF no município de Sobral/CE.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sabrina Raquel de Lima Andrade, Universidade Estadual do Ceará

Licenciada em Educação Física pela Faculdade Católica Rainha do Sertão (FCRS), Quixadá/CE. Especialista em Atividade Física, pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza/CE e Residência Multiprofissional em Saúde da Família pela Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia (EFSFVS) / Universidade Estadual Vale do Aracaú (UVA), Sobral/CE. Pós Graduanda em Educação Física Escolar, pela Faculdade Unyleya, Brasília/DF. Tem experiência na docência de Educação Física Escolar a níveis fundamental, médio e superior; na Saúde Pública com grupos de práticas corporais e educação em saúde. Desenvolveu estudo sobre avaliação no serviço de saúde.

Aline Albuquerque Marques, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (2008). Especialista em Treinamento Desportivo pela FANOR.

Ana Clécia Silva Ferreira Rodrigues, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Possui graduação em Educação Física (Licenciatura), pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (2013). Especialista em caráter de Residência Multiprofissional em Saúde da Família (2016). Tem experiência na área de Educação Física. Professora em caráter temporário do Estado.

Neires Alves de Freitas, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Possui graduação em Educação Física, pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (2013). Com Especialização em Saúde da Família pelo Instituto Superior de Teologia Aplicada (INTA), e Residência Multiprofissional em Saúde da Família pela Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia (EFSFVS). Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do Instituto de Medicina Social (IMS), da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Integra a linha de Política, Planejamento e Administração em Saúde e o Grupo de Pesquisa do CNPq, e integrante do Laboratório de Pesquisas sobre Práticas de Integralidade em Saúde (LAPPIS). Atualmente desenvolve estudos sobre Integralidade do cuidado no cotidiano de populações camponesas; Formação em Educação Física e em Saúde; e Práticas de ensino e de avaliação no contexto da Educação Superior e da Pós-graduação.

André Luis Façanha da Silva, Universidade Federal do Ceará

Graduado em Educação Física pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), 2003. Mestrado acadêmico em Saúde da Família pela Universidade Federal do Ceará - UFC, 2014. Egresso do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família (RMSF), 2007, pela Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia (EFSFVS). Atuou como professor substituto do curso de Educação Física da Universidade Estadual Vale do Acaraú- UVA (2012-2016) e Universidade Regional do Cariri -URCA (2016-2017) campus Iguatu, compõem a comissão científica do GTT Atividade Física e Saúde do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte. Atualmente doutorando em Educação Física, na Universidade Federal de Espírito Santos. Áreas de estudos e pesquisas, formação e trabalho docente em Educação Física; corpo/práticas corporais/promoção da saúde, cuidado em saúde, educação permanente e educação na saúde.

Referências

BILIBIO, Luiz Fernando; CECCIM, Ricardo Burg. Singularidades da educação física na saúde: desafios à educação de seus profissionais e ao matriciamento interprofissional. In: FRAGA, Alex Branco; WACHS, Felipe (Org.). Educação física e saúde coletiva: políticas de formação e perspectivas de intervenção. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2007. p. 47-62.

BONFADA, Diego et al. A integralidade da atenção à saúde como eixo da organização tecnológica nos serviços. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.17, n. 2, p. 555-560, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio Saúde da Família. Cadernos de Atenção Básica, n. 27. Brasília, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.446, de 11 de novembro de 2014. Redefine a Política Nacional de Promoção da Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, n 220, p. 68, 13 nov. 2014a. Seção 1.

BRASIL. Ministério da Saúde. Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Cadernos de Atenção Básica, n. 39. Brasília, 2014b.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=231290&search=ceara|sobral. Acesso em: 20 abr. 2015.

CAMPOS, Sousa Wagner Gastão. Um método para análise e co-gestão de coletivos: a construção do sujeito, a produção de um valor de uso e a democracia em instituições: O método da roda. São Paulo: Hucitec, 2000.

CARVALHO, Yara Maria. Promoção da saúde, práticas corporais e atenção básica. In: BRASIL. Revista Brasileira Saúde da Família, Brasília, p. 33-45, 2006.

DALL’AGNOL, Clarice Maria et al. O trabalho com grupos como instância de aprendizagem em saúde. Revista Gaúcha Enfermagem, Rio Grande do Sul, v. 28, n. 1, p. 21-26, 2007.

DARON, Vanderléia. A educação popular em saúde como referencial para as nossas práticas na saúde. In: BRASIL. Ministério da Saúde. II Caderno de educação popular em saúde. Brasília, 2014. p. 123-146.

FIGUEIREDO, Mariana Dorsa; CAMPOS, Rosana Onocko. Saúde mental na atenção básica à saúde de Campinas, SP: uma rede ou um emaranhado? Ciências & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.14, n.1, p.129-138, 2009. Disponível em:

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000100018. Acesso em: 06 out. 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2003.

FURTADO, Roberto Pereira et al. Educação física e saúde mental: uma análise da rotina de trabalho dos profissionais dos CAPS de Goiânia. Movimento, Porto Alegre, v. 22, n. 4, 1077-1090, out./dez. 2016.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2008.

INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL (ITS). Reflexões sobre a construção do conceito de tecnologia social. In: DE PAULO, Antônio et al. Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004.

LINHARES, Anagécia Sousa; SILVA, André Luis Façanha. Caracterização do grupo de práticas corporais na Atenção Primária à Saúde em Sobral – Ceará. SANARE, Sobral, v. 13, n.1, p.56-63, jan./jun. 2014.

MACÊDO, Virgílio Cesar Dourado de; MONTEIRO, Ana Ruth Macêdo. Educação e saúde mental na família: experiência com grupos vivenciais. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v.15, n. 2, p. 222-230, abr./jun. 2006.

MERHY, Emerson Elias; ONOCKO, Rosana. Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec, 2006.

MINAYO, Maria Cecília Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2013.

MUNARI, Denize Bouttelet; LUCCHESE, Roselma; MEDEIROS, Marcelo. Reflexões sobre o uso de atividades grupais na atenção a portadores de doenças crônicas. Ciências, Cuidado e Saúde, Maringá, v. 8, supl. 8, p. 148-54, 2009. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/9742.

PEDUZZI, Marina. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 35, n. 1, p. 103-109, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v35n1/4144.pdf. Acesso em: 3 mar. 2015.

PERERA, Apes Falcão; GOMES, João Carlos Costa. O uso de metodologias participativas na democratização do conhecimento: Avaliação de redes de referências na região Sul do Rio Grande do Sul. Revista Extensão Rural, Rio Grande do Sul, ano 16, n. 18, jul./dez. 2009.

PONTES, Flávia Campos; CHAGAS, Maristela Inês Osawa. Ginástica comunitária na Estratégia Saúde da Família do município de Sobral-CE: avaliação a partir dos discursos dos profissionais e usuários. 2010. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) - Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, 2010.

SILVA, Ana Márcia; DAMIANI, Iara Regina. As práticas corporais na contemporaneidade: pressupostos de um campo de pesquisa e intervenção social. In: SILVA, Ana Márcia; DAMIANI, Iara Regina (Org.). Práticas corporais: gênese de um movimento investigativo em educação física. Florianópolis: Nauemblu Ciência & Arte: 2005. v. 1.

SILVA, André Luis Façanha; SOUSA, Roberta Menezes. A roda como espaço de co-gestão da residência multiprofissional em saúde da família do município de Sobral – CE. SANARE, Sobral, v. 9, n. 2, p. 07-13, jul./dez. 2010.

SILVA, André Luis Façanha; OLIVEIRA, Bráulio Nogueira. A trajetória da educação física no SUS em Sobral-CE: um resgate histórico. Conexões: Revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v. 11, n. 2, p. 193-207, 2013.

SILVA, André Luis Façanha et al. SIREMU: uma tecnologia de gestão e formação de processos de trabalho na Estratégia Saúde da Família. Prêmio InovaSUS 2012/2013: valorização de boas práticas e inovação na gestão do trabalho na saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

SOUZA, José Nicolau. Prática docente comprometida e o apoio didático pedagógico no ensino superior: a experiência da FARN. Revista da FARN: Revista da Faculdade Natalense, Natal, v. 3, n. 1/2, p. 209-221, jul. 2003/jun. 2004.

Downloads

Publicado

2017-09-30

Como Citar

Andrade, S. R. de L., Marques, A. A., Rodrigues, A. C. S. F., Freitas, N. A. de, & Silva, A. L. F. da. (2017). Práticas corporais como tecnologia social na estratégia saúde da família. Conexões, 15(3), 380–394. https://doi.org/10.20396/conex.v15i3.8647454

Edição

Seção

Relato de Experiência

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)