Banner Portal
Práticas corporais como tecnologia social na estratégia saúde da família
PDF

Palavras-chave

Prática corporal
Tecnologia social
Estratégia saúde da família
Educação física

Como Citar

ANDRADE, Sabrina Raquel de Lima; MARQUES, Aline Albuquerque; RODRIGUES, Ana Clécia Silva Ferreira; FREITAS, Neires Alves de; SILVA, André Luis Façanha da. Práticas corporais como tecnologia social na estratégia saúde da família. Conexões, Campinas, SP, v. 15, n. 3, p. 380–394, 2017. DOI: 10.20396/conex.v15i3.8647454. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8647454. Acesso em: 19 jul. 2024.

Resumo

O presente relato de experiência tem como objetivo descrever o processo de implantação e a trajetória das Práticas Corporais Comunitárias (PCC) como tecnologia social da Estratégia Saúde da Família (ESF) no município de Sobral/CE. Utilizamos o diário de campo, observação direta nos grupos de práticas corporais em 13 bairros facilitados por profissionais de Educação Física. Nos resultados destacaram-se a predominância de participação do público feminino intergeracional; variação na utilização dos conteúdos da cultura corporal do movimento; espaço de construção de vínculos, autonomia, socialização, criticidade e conhecimentos dos microprocessos de trabalhos para efetivação do apoio matricial nas PCC. A experiência contribuiu para enriquecer os conhecimentos e as necessidades das PCC na ESF no município de Sobral/CE.

https://doi.org/10.20396/conex.v15i3.8647454
PDF

Referências

BILIBIO, Luiz Fernando; CECCIM, Ricardo Burg. Singularidades da educação física na saúde: desafios à educação de seus profissionais e ao matriciamento interprofissional. In: FRAGA, Alex Branco; WACHS, Felipe (Org.). Educação física e saúde coletiva: políticas de formação e perspectivas de intervenção. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2007. p. 47-62.

BONFADA, Diego et al. A integralidade da atenção à saúde como eixo da organização tecnológica nos serviços. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.17, n. 2, p. 555-560, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio Saúde da Família. Cadernos de Atenção Básica, n. 27. Brasília, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.446, de 11 de novembro de 2014. Redefine a Política Nacional de Promoção da Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, n 220, p. 68, 13 nov. 2014a. Seção 1.

BRASIL. Ministério da Saúde. Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Cadernos de Atenção Básica, n. 39. Brasília, 2014b.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=231290&search=ceara|sobral. Acesso em: 20 abr. 2015.

CAMPOS, Sousa Wagner Gastão. Um método para análise e co-gestão de coletivos: a construção do sujeito, a produção de um valor de uso e a democracia em instituições: O método da roda. São Paulo: Hucitec, 2000.

CARVALHO, Yara Maria. Promoção da saúde, práticas corporais e atenção básica. In: BRASIL. Revista Brasileira Saúde da Família, Brasília, p. 33-45, 2006.

DALL’AGNOL, Clarice Maria et al. O trabalho com grupos como instância de aprendizagem em saúde. Revista Gaúcha Enfermagem, Rio Grande do Sul, v. 28, n. 1, p. 21-26, 2007.

DARON, Vanderléia. A educação popular em saúde como referencial para as nossas práticas na saúde. In: BRASIL. Ministério da Saúde. II Caderno de educação popular em saúde. Brasília, 2014. p. 123-146.

FIGUEIREDO, Mariana Dorsa; CAMPOS, Rosana Onocko. Saúde mental na atenção básica à saúde de Campinas, SP: uma rede ou um emaranhado? Ciências & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.14, n.1, p.129-138, 2009. Disponível em:

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000100018. Acesso em: 06 out. 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2003.

FURTADO, Roberto Pereira et al. Educação física e saúde mental: uma análise da rotina de trabalho dos profissionais dos CAPS de Goiânia. Movimento, Porto Alegre, v. 22, n. 4, 1077-1090, out./dez. 2016.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2008.

INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL (ITS). Reflexões sobre a construção do conceito de tecnologia social. In: DE PAULO, Antônio et al. Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004.

LINHARES, Anagécia Sousa; SILVA, André Luis Façanha. Caracterização do grupo de práticas corporais na Atenção Primária à Saúde em Sobral – Ceará. SANARE, Sobral, v. 13, n.1, p.56-63, jan./jun. 2014.

MACÊDO, Virgílio Cesar Dourado de; MONTEIRO, Ana Ruth Macêdo. Educação e saúde mental na família: experiência com grupos vivenciais. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v.15, n. 2, p. 222-230, abr./jun. 2006.

MERHY, Emerson Elias; ONOCKO, Rosana. Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec, 2006.

MINAYO, Maria Cecília Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2013.

MUNARI, Denize Bouttelet; LUCCHESE, Roselma; MEDEIROS, Marcelo. Reflexões sobre o uso de atividades grupais na atenção a portadores de doenças crônicas. Ciências, Cuidado e Saúde, Maringá, v. 8, supl. 8, p. 148-54, 2009. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/9742.

PEDUZZI, Marina. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 35, n. 1, p. 103-109, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v35n1/4144.pdf. Acesso em: 3 mar. 2015.

PERERA, Apes Falcão; GOMES, João Carlos Costa. O uso de metodologias participativas na democratização do conhecimento: Avaliação de redes de referências na região Sul do Rio Grande do Sul. Revista Extensão Rural, Rio Grande do Sul, ano 16, n. 18, jul./dez. 2009.

PONTES, Flávia Campos; CHAGAS, Maristela Inês Osawa. Ginástica comunitária na Estratégia Saúde da Família do município de Sobral-CE: avaliação a partir dos discursos dos profissionais e usuários. 2010. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) - Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral, 2010.

SILVA, Ana Márcia; DAMIANI, Iara Regina. As práticas corporais na contemporaneidade: pressupostos de um campo de pesquisa e intervenção social. In: SILVA, Ana Márcia; DAMIANI, Iara Regina (Org.). Práticas corporais: gênese de um movimento investigativo em educação física. Florianópolis: Nauemblu Ciência & Arte: 2005. v. 1.

SILVA, André Luis Façanha; SOUSA, Roberta Menezes. A roda como espaço de co-gestão da residência multiprofissional em saúde da família do município de Sobral – CE. SANARE, Sobral, v. 9, n. 2, p. 07-13, jul./dez. 2010.

SILVA, André Luis Façanha; OLIVEIRA, Bráulio Nogueira. A trajetória da educação física no SUS em Sobral-CE: um resgate histórico. Conexões: Revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v. 11, n. 2, p. 193-207, 2013.

SILVA, André Luis Façanha et al. SIREMU: uma tecnologia de gestão e formação de processos de trabalho na Estratégia Saúde da Família. Prêmio InovaSUS 2012/2013: valorização de boas práticas e inovação na gestão do trabalho na saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

SOUZA, José Nicolau. Prática docente comprometida e o apoio didático pedagógico no ensino superior: a experiência da FARN. Revista da FARN: Revista da Faculdade Natalense, Natal, v. 3, n. 1/2, p. 209-221, jul. 2003/jun. 2004.

O periódico Conexões: Educação Física, Esporte e Saúde utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.