Comparação entre a altura do salto agachado e com contramovimento em idosas

Palavras-chave: Saltos verticais, Ciclo alongamento-encurtamento, Mulheres idosas

Resumo

O estudo teve como objetivo comparar a altura no salto agachado (SA) e no com contramovimento (SCM) de mulheres idosas. Vinte e oito mulheres idosas sedentárias voluntariaram-se para participar neste estudo (idade média de 68,7±5,9 anos). Cada sujeito foi instruído sobre como executar as técnicas de salto e descansaram 5 minutos entre a realização dos diferentes saltos. A média de 3 tentativas de cada salto foi utilizada para a análise estatística. A força de reação do solo (FRS) vertical durante o SA e o SCM foi mensurada por meio de uma plataforma de força. A integração numérica da FRS vertical no tempo foi utilizada para o cálculo do impulso e assim estimar a altura do salto. O teste T para amostras pareadas mostrou que a altura do salto no SCM foi significativamente maior do que no SA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Coelho Zazá, Centro Universitário de Belo Horizonte
Possui graduação em Educação Física pela Universidade Federal de Minas Gerais e mestrado em Educação Física pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professora do Centro Universitário de Belo Horizonte, tutora a distância do Curso de Especialização Gestão do Cuidado em Saúde da Família do Programa Ágora na Universidade Federal de Minas Gerais e orientadora de Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Especialização Gestão do Cuidado em Saúde da Família do Programa Ágora na Universidade Federal de Minas Gerais.
Mauro Heleno Chagas, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduação em Licenciatura em Educação Física pela Universidade Federal de Minas Gerais, mestrado em Ciências do Esporte pela Universidade Federal de Minas Gerais e doutorado em Sportwissenschaft - Goethe Universität Frankfurt am Main. Professor associado da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da Universidade Federal de Minas Gerais. Docente permanente no PPGCE desde 2002. Subcoordenador do Laboratório de Biomecânica (BIOLAB) e do Laboratório de Treinamento na Musculação (LAMUSC).

Cristina Carvalho Melo, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutoranda em Ciências do Esporte na UFMG. Mestre em Estudos do Lazer pela UFMG. MBA em Gestão Estratégica de Projetos. Idealizadora e Coordenadora do Projeto PILATES UFMG, Orientadora Educacional do curso de Educação Física da UNINTER. Integrante do Laboratório de Psicologia do Esporte (LAPES) e responsável pelo Grupo de "Estudos Interdisciplinares em Pilates" da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Franco Noce, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui Graduação em Educação Física pela Universidade Federal de Minas Gerais e em Psicologia pela Faculdade Pitágoras; Mestrado em Educação Física pela Universidade Federal de Minas Gerais e Doutorado na Universidade Federal de São Paulo. Professor Adjunto da Universidade Federal de Minas Gerais. Professor efetivo do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Esporte da UFMG. Membro do Managing Council da ISSP e membro do conselho editorial de diversos periódicos científicos.

Referências

AGUIAR, Jaina Bezerra de; GURGEL, Luilma Albuquerque. Investigação dos efeitos da hidroginástica sobre a qualidade de vida, a força de membros inferiores e a flexibilidade de idosas: um estudo no Serviço Social do Comércio – Fortaleza. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo. v. 23, n. 4, p. 335-344, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1807-55092009000400003&script=sci_abstract&tlng=pt.

ANDRADE, Rodrigo Maciel; MATSUDO, Sandra Marcela Mahecha. Relação da força explosiva e potência muscular com a capacidade funcional no processo de envelhecimento. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 16, n. 5, p. 344-348, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-86922010000500005&script=sci_abstract&tlng=pt.

ASMUSSEN, Erling; BONDE­PETERSEN, Flemming. Storage of elastic energy in skeletal muscle in man. Acta Physiologica Scandinavica, v. 91, p. 385­392, 1974. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/j.1748-1716.1974.tb05693.x.

ASSUMPÇÃO, Cláudio de Oliveira. et al. Efeito do treinamento de força periodizado sobre a composição corporal e aptidão física em mulheres idosas. Revista da Educação Física/UEM, v.19, n. 4, p. 581-590, 2008. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/4014.

BARRY, Benjamin; CARSON, Richard. The Consequences of Resistance Training for Movement Control in Older Adults. Journal of Gerontology: Medical Sciences, v. 59, n. 7, p. 730–754, 2004. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/8405816_The_Consequences_of_Resistance_Training_for_Movement_Control_in_Older_Adults.

BOBBERT, Maarten et al. Why is countermovement jump height greater than squat jump height? Medicine and Science in Sports and Exercise, v. 28; n. 11; p. 1402-1412, 1996. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/14272670_Why_is_countermovement_jump_height_greater_than_squat_jump_height.

BROWN, Lee; WEIR, Joseph. Asep procedures recommendation I: accurate assessment of muscular strength and power. Journal of Exercise Physiology online, v. 4, n. 3, p. 1-21, 2001. Disponível em: https://www.asep.org/asep/asep/Brown2.pdf.

CAO, Zhen-Bo et al. The Effect of a 12-week Combined Exercise Intervention Program on Physical Performance and Gait Kinematics in Community-dwelling Elderly Women. Journal of Physiological Anthropology, v. 26, n. 3, p. 325-332, 2007. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17641451.

CASEROTTI, Paolo. et al. Contraction-specific differences in maximal muscle power during stretch-shortening cycle movements in elderly males and females. European Journal of Applied Physiology, v. 84, n. 3, p. 206-212, 2001. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11320637.

CHRISTENSEN, Ulla. et al. Functional ability at age 75: is there an impact of physical inactivity from middle age to early old age? Scandinavian Journal of Medicine and Science in Sports, v. 16, n. 4, p. 245-251, 2005. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16895529.

CLEMSON, Lindy. et al. Integration of balance and strength training into daily life activity to reduce rate of falls in older people (the LiFE study): randomised parallel trial. British Medical Journal, v. 345, p. 1-15, 2012. Disponível em: https://www.bmj.com/content/345/bmj.e4547.

COLEDAM, Diogo Henrique Constantino. et al. Relação dos saltos vertical, horizontal e sêxtuplo com a agilidade e velocidade em crianças. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 27, n. 1, p. 43-53, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1807-55092013000100005.

CORREA, Cleiton Silva. et al. Avaliação funcional em idosas: uma proposta metodológica. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 15, n. 6, p. 745-753, 2013. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/87072.

CORREA, Cleiton Silva; PINTO, Ronei Silveira. Efeitos de diferentes tipos de treinamento de força no desempenho das capacidades funcionais em mulheres idosas. Estudos Interdisciplinares e Envelhecimento, v. 16, n. 1, p. 41-60, 2011. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/RevEnvelhecer/article/view/13300.

CUNHA, Leandro Alves da. et al. Variáveis fisiológicas anaeróbias de futebolistas em diferentes níveis competitivos. Revista Brasileira de Educação Física, Esporte, Lazer e Dança, v. 3, n. 2, p. 29-38, 2008. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFSP_06e3f9da55f8a102b639e4cc1855165b.

DE VITO, Giuseppe. et al. Determinants of maximal instantaneous muscle Power in women aged 50±75 years. European Journal of Applied Physiology, v. 78, p. 59- 64, 1998. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/13625018_Determinants_of_maximal_instantaneous_muscle_power_in_women_aged_50-75_years.

ENOKA, Roger. et al. Mechanisms that contribute to differences in motor performance between young and old adults. Journal of Electromyography and Kinesiology, v. 13, n. 1, p. 1-12, 2003. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12488083.

ENOKA, Roger. Neuromechanical Basis of Kinesiology. Champaign, IL. Human Kinetics, 1988.

FIDELIS, Luiza Teixeira; PATRIZZI, Lislei Jorge; WALSH, Isabel Aparecida Porcatti. Influência da prática de exercícios físicos sobre a flexibilidade, força muscular manual e mobilidade funcional em idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 16, n. 1, p. 109-116, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1809-98232013000100011&script=sci_abstract&tlng=pt.

FINNI, Taija; KOMI, Paavo; LEPODA, Vesa. In vivo human triceps surae and quadriceps femoris muscle function in a squat jump and counter movement jump. European Journal of Applied Physiology, v. 83, n. 4-5, p. 416-426, 2000. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11138584.

GAJDOSIK, Richard. et al. Viscoelastic properties of short calf muscle-tendon units of older women: effects of slow and fast passive dorsiflexion stretches in vivo. European Journal of Applied Physiology, v. 95, p. 131-139, 2005. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16032418.

GUEDES NETO, Carlos Luiz. et al. A atuação do ciclo alongamento-encurtamento durante ações musculares pliométricas. Journal of Exercise and Sport Sciences, v. 1, n. 1, p. 13-24, 2005. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/jess/article/view/2797/2294.

HAGUENAUER, Marianne; LEGRENEUR, Pierre; MONTEIL, Karine. Vertical jumping reorganization with aging: a kinematic comparison between Young and elderly men. Journal of Applied Biomechanics, v. 21, n. 3, p. 236-46, 2005. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/c0fc/95d454ed065083533a850aabd8e5f4c64f95.pdf.

HÄKKINEN, Keijo. et al. Neuromuscular adaptation during prolonged strength training, detraining and re-strength-training in middle aged and elderly people. European Journal of Applied Physiology, v. 83, n. 1, p. 51-62, 2000. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11072774.

HARMANN, Everett. et al. The effects of arms and countermovement on vertical jumping. Medicine and science in sports and exercise, v. 22, n. 6, p. 825-833, 1990. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/2287261.

HASSON, Christopher. et al. Neuromechanical strategies employed to increase jump height during the initiation of the squat jump. Journal of Electromyography and Kinesiology, v. 14, p. 515–521, 2004. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15165601.

HESPANHOL, Jefferson Eduardo et al. Avaliação da resistência de força explosiva em voleibolistas através de testes de saltos verticais. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 13, n. 3, p. 181-184, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-86922007000300010&script=sci_abstract&tlng=pt.

INGEN SCHENAU, Gerrit Jan; BOBBERT, Maarten; HAAN, Arnold. Does elastic energy enhance work and efficiency in the stretch-shortening cycle? Journal of applied Biomechanics, v. 13, p. 389-415, 1997. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/229071228_Does_Elastic_Energy_Enhance_Work_and_Efficiency_in_the_Stretch-Shortening_Cycle.

KIBELE, Armin. Possibilities and limitations in the biomechanical analysis of countermovement jumps: A methodological study. Journal of Applied Biomechanics, v. 14, p. 105-117, 1998. Disponível em: https://www.semanticscholar.org/paper/Possibilities-and-Limitations-in-the-Biomechanical-Kibele/4ebd80be357d2fada9f10ade66d8e94d85fc74d0.

KOMI, Paavo. Ciclo alongamento-encurtamento. In: KOMI, Paavo. (Org.) Força e potência no esporte. Porto Alegre: Artmed, 2006, p. 200-218.

KUBO, Keitaro; KAWAKAMI, Yasuo; FUKUNAGA, Tetsuo. Influence of elastic properties of tendon structures on jump performance in humans. Journal of Applied Physiology, v. 87, n. 6, p.2090–2096, 1999. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10601154.

MAGNUSSON, Stig Peter. Passive properties of human skeletal muscle during stretch maneuvers. A review. Scandinavian Journal of Medicine and Science in Sports, v. 8, n. 2, p. 65-77, 1998. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9564710.

MAULDER, Peter; CRONIN, John. Horizontal and vertical jump assessment: reliability, symmetry, discriminative and predictive ability. Physical Therapy in Sport, v. 6, n. 2, p. 74-82, 2005. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1466853X05000180.

McGUIGAN, Michael. et al. Eccentric utilization ratio: Effect of sport and phase of training. The Journal of Strength and Conditioning Research, v. 20, n. 4, p. 992-995, 2006. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/242274994_ECCENTRIC_UTILIZATION_RATIO_E_FFECT_OF_SPORT_AND_PHASE_OF_TRAINING.

OLIVEIRA, Rosana Fernandes. et al. Efeitos do treinamento de Tai Chi Chuan na aptidão física de mulheres adultas e sedentárias. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 9, n. 3, p. 15-22, 2001. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/389.

PIJNAPPELS, Mirjam. et al. Identification of elderly fallers by muscle strength measures. European Journal of Applied Physiology, v. 102, p. 585-592, 2008. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18071745.

PLOUTZ-SNYDER, Lori; GIAMIS, Elisabeth. Orientation and familiarization to 1RM strength testing in young and old women. The Journal of Strength and Conditioning Research, v. 15, p. 519-523, 2001. Disponível em: https://journals.lww.com/nsca-jscr/Abstract/2001/11000/Orientation_and_Familiarization_to_1RM_Strength.20.aspx.

RASO, Vagner; GREVE, Júlia Maria D’Andrea. Exercício aeróbico ou com pesos melhora o desempenho nas atividades da vida diária de mulheres idosas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 18, n. 2, p. 87-90, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922012000200004.

SALE, Digby. Testing strength and power. In: MacDOUGALL, Duncan; WENGER, Howard; GREEN, Howard. (Eds.) Physiological testing of the high-performance athlete. Champaign: Human Kinetics, 1991. p. 21-106.

SCAGLIONI, Gil. et al. Effect of ageing on the electrical and mechanical properties of human soleus motor units activated by the H reflex and M wave. The Journal of Physiology, v.548, n. 2, p. 649-661, 2003. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2342873/.

SHAFFER, Scott; HARRISON, Anna. Aging of the somatosensory system: A translational perspective. Physical Therapy, v. 87, n. 2, p. 193-207, 2007. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17244695.

SIPILÄ, Sarianna. et al. Muscle strength in male athletes aged 70-81 years and a population sample. European Journal of Applied Physiology, v. 63, p. 399-403, 1991. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/BF00364469.

VALE, Rodrigo Gomes de Sousa. et al. Efeitos do treinamento resistido na força máxima, na flexibilidade e na autonomia funcional de mulheres idosas. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 8, n. 4, p. 52-58, 2006. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/3922/16756.

ZATSIORSKY, Vladimir. The review is Nice, I disagree with it. Journal of applied Biomechanics, v. 13, p. 479-483, 1997. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/294797602_The_Review_Is_Nice_i_Disagree_with_It.

Publicado
2018-08-28
Como Citar
Zazá, D. C., Chagas, M. H., Melo, C. C., & Noce, F. (2018). Comparação entre a altura do salto agachado e com contramovimento em idosas. Conexões, 16(3), 252-265. https://doi.org/10.20396/conex.v16i3.8649876
Seção
Artigo Original