Militarização da escola pública em Goiás

dilemas da educação física escolar em tempos de autoritarismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v19i1.8660879

Palavras-chave:

Autoritarismo, Educação física escolar, Militarização, Escolas públicas

Resumo

Introdução: Discute-se neste artigo o processo histórico que culminou na militarização de uma parte da escola pública do estado de Goiás, cuja ideia e vem sendo disseminada todo o país sob um processo que consiste na transferência da gestão escolar ao poder da Polícia Militar por meio de uma parceria entre as Secretarias Estaduais de Educação e de Segurança Pública. O objetivo deste artigo consistiu em discutir o contexto da crise educacional brasileira como pano de fundo da militarização da escola pública e os dilemas que se impõe à Educação Física Escolar (EFE) a partir desta transferência de modelo de gestão. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa teórica/bibliográfica de abordagem qualitativa. No sentido de dar uma resposta aos elementos decorrentes da articulação entre militarização da escola e educação física escolar, formulamos um problema de investigação acerca da temática. Resultados e Discussão: Julgamos a militarização da escola pública como uma política oportunista que sob a aparência de restauro da autoridade e da ordem busca implementar políticas neoliberais. Quanto à Educação Física Escolar (EFE), subsumida a este contexto, salienta-se a importância e o renascimento da crítica como forma de resistência, posicionamento e luta pelos valores democráticos. Conclusões: Como a EFE depende de quem a exerce no cotidiano das escolas, é crucial que a compreensão acerca da militarização possa superar a concepção do senso comum que a toma como uma resposta à altura da crise na educação, e possa compreender mais a fundo, desvelando os sentidos subjacentes desta transferência de gestão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Lionel Quiroga, Universidade Estadual de Goiás

Doutor e Mestre em Ciências pelo programa Multidisciplinar: Educação e Saúde na Infância e na Adolescência - Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP. Professor da Universidade Estadual de Goiás, na área de Fundamentos da Educação, lotado no Centro de Aprendizagem em Rede - CEAR/Anápolis.

Beatriz Aparecida Paolucci, Universidade Federal de Goiás

Mestranda em Educação Física pela Faculdade de Educação Física e Dança da Universidade Federal de Goiás.

Kelly Pires, Universidade Federal de Goiás

Mestranda em Educação Física pela Faculdade de Educação Física e Dança da Universidade Federal de Goiás. Ministra aulas no Colégio Floresta em Senador Canedo e no Centro Universitário Leonardo Da Vinci.

Isaac de Lima Neves, Universidade Federal de Goiás

Mestrando em Educação Física pela Faculdade de Educação Física e Dança da Universidade Federal de Goiás. Professor pela Rede Estadual de Ensino do Estado de Goiás. Membro do Grupo ECOS - FEFD/UFG.

Maycon Ornelas Almeida, Universidade Federal de Goiás

Mestrando em Educação Física pela Faculdade de Educação Física e Dança da Universidade Federal de Goiás. Professor da Educação Básica na Secretaria de Educação do Distrito Federal e professor universitário na Faculdade de Tecnologia e Educação de Goiás (FATEG).

Referências

APPLE, Michael W. Ideologia e currículo. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. A crise na Educação. São Paulo: Perspectiva, 2005.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. Que é autoridade? São Paulo: Perspectiva, 2005.

ALTHUSSER, L. Aparelhos Ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado (AIE). Tradução de Walter José Evangelista e Maria Laura Viveiros de Castro. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.

BAUDELOT, Christian; ESTABLET, Roger. L'école capitaliste en France. Paris: Maspéro, 1971

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, 5 out. 1988.

BOURDIEU, Pierre. Escritos de Educação. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean Claude. A Reprodução: Elementos para uma teoria do sistema de ensino. Petrópolis: Vozes, 2011.

CANÁRIO, Rui. A escola tem futuro? Das Promessas às Incertezas. Porto Alegre: Artmed, 2006.

CAMPOREZ, Patrik; MERENCO, Daniel. Número de escolas públicas militarizadas no país cresce sob pretexto de enquadrar alunos. Época, Rio de Janeiro, 02 ago. 2018. Disponível em: https://epoca.globo.com/numero-de-escolas-publicas-militarizadas-no-pais-cresce-sob-pretexto-de-enquadrar-os-alunos-22904768. Acesso em 13 abr. 2021.

CASTELLANI FILHO, Lino et al. Metodologia do ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez, 2009.

DAOLIO, Jocimar. Da cultura do corpo. Campinas, SP: Papirus, 1995.

DAOLIO, Jocimar. A Antropologia social e a Educação Física: Possibilidades de encontro, In: CARVALHO, Yara Maria de; RUBIO, Katia. Educação Física e Ciências Humanas. São Paulo: HUCITEC, 2001.

GALEANO, Eduardo. Dias e noites de amor e de guerra. Porto Alegre: L&PM, 2007.

GAUDENZI, Paula. Normal e Patológico no naturalismo e no normativismo em saúde: a controvérsia entre Boorse e Nordenfelt. Physis, Rio de Janeiro, v. 26, n. 3, p. 747-767, set. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312016000300747&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 16 oct. 2020.

GOIÁS. Secretaria de Segurança Pública. Regimento Interno do Colégio da Polícia Militar Do Estado De Goiás. Disponível em: https://www.portalcepmg.com.br/wp-content/uploads/2018/03/regimento_interno.pdf. Acesso em: 13 abr. 2021.

GOIS JUNIOR, Edivaldo; MELO, Victor Andrade de; SOARES, Antônio Jorge Gonçalves. Para a construção da nação: debates brasileiros sobre educação do corpo na década de 1930. Educ. Soc., Campinas, v. 36, n. 131, p. 343-360, jun. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302015000200343&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 abr. 2021.

KLEIN, Naomi. A Doutrina do Choque: a ascensão do capitalismo de desastre. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

KREIN, José Dari; COLOMBI, Ana Paula Fregnani. A Reforma trabalhista em foco: desconstrução da proteção social em tempos de neoliberalismo autoritário. Educ. Soc., Campinas , v. 40, e0223441, 2019.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

QUIROGA, Fernando Lionel. O mal-estar na contemporaneidade e suas expressões na docência. Jundiaí: Paco Editorial, 2018.

RAVITCH, Diane. Vida e Morte do grande sistema escolar americano: como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a educação. Porto Alegre: Sulina, 2011.

SANTOS, Catarina de Almeida; PEREIRA, Rodrigo da Silva. Militarização e Escola Sem Partido: duas faces de um mesmo projeto. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 12, n. 23, jul./out. 2018.

SOUZA, Jessé. A Radiografia do Golpe: entenda como e por que você foi enganado. Rio de Janeiro: LeYa, 2016.

WILLIS, Paul. Aprendendo a ser trabalhador: escola, resistência e reprodução social. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

VILLANI, Marialuisa; OLIVEIRA, Dalila Andrade. Avaliação Nacional e Internacional no Brasil: os vínculos entre o PISA e o IDEB. Educ. Real., Porto Alegre, v. 43, n. 4, p. 1343-1362, out. 2018.

ZARAGOZA, José M, E. O mal-estar Docente: a sala de aula e a saúde do professor: Bauru, Edusc, 1999.

Downloads

Publicado

2021-06-10

Como Citar

QUIROGA, F. L.; PAOLUCCI, B. A. .; PIRES, K.; NEVES, I. de L.; ALMEIDA, M. O. . Militarização da escola pública em Goiás: dilemas da educação física escolar em tempos de autoritarismo. Conexões, Campinas, SP, v. 19, n. 1, p. e021029, 2021. DOI: 10.20396/conex.v19i1.8660879. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8660879. Acesso em: 20 set. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ: Os desafios da Educação Física em tempos de ataques à Educação