Linguagem, corpo e educação física

o sempre insuficientemente dito

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/conex.v19i1.8662114

Palavras-chave:

Linguagem, Corpo, Educação física

Resumo

Introdução: O artigo trata da linguagem e seus entrelaçamentos com o tema do corpo e a responsabilidade pedagógica da Educação Física no interior da Área de Linguagens. Metodologia: Referenciado em uma perspectiva crítico-hermenêutica de natureza bibliográfica, recupera conceitos fundantes da cultura ocidental, tais como physis, logos, pathos, e recorre aos marcos legais da Educação Básica no Brasil. Resultados e discussão: Reconhece, nas objetificações em situações práticas vinculadas aos sentidos, a dignidade das diferentes formas de linguagem. Não se limitando ao universo de uma razão cientificista, nem à imediatidade dos impulsos sensíveis, sustenta que as linguagens que nos constituem humanos estão tensionadas entre logos e pathos. Referindo-se à especificidade da área das linguagens, destaca o caráter formativo destas, ao dar espaço para que aflorem os canais da sensibilidade para além do cognitivo-conceitual. Considerações finais: Afirma o corpo como a base do nosso entendimento e compreensão de mundo, o que exige uma razão mundana que dialogue com os contextos e que seja capaz de construir um mundo comum. Aposta que o conhecimento, emergente das experiências de linguagens, permite um saber ético-estético, expressivo e reflexivo, em uma relação de pertencimento e estranhamento com a tradição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Evaldo Fensterseifer, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Professor do Departamento de Pedagogia da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Membro do Grupo de Pesquisa Paidotribas e do Grupo de Pesquisa Teorias Pedagógicas e Dimensões Éticas e Políticas na Educação.

Maria Regina Johann, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Professora do Departamento de Humanidades e Educação da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Membro do Grupo de Pesquisa Paidotribas e do Grupo de Pesquisa Teorias Pedagógicas e Dimensões Éticas e Políticas na Educação. Ijuí - RS. Brasil.

Referências

BRASIL. Resolução nº 7, de 14 de dezembro de 2010. Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos. 2010a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb007_10.pdf. Acesso em: 1º out. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional De Educação. Resolução nº 04, de 13 de julho 2010b. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 09 jul. 2010. Seção 1, p. 10. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=17417&Itemid=866. Acesso em: 1 out. 2020.

BRASIL. Resolução nº 2, de 30 de janeiro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília: Ministério da Educação; Conselho Nacional de Educação; Câmara de Educação Básica, 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=17417&Itemid=866. Acesso em: 1 out. 2020.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. – Brasília: MEC/SEF, 1997. 126p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acesso em: 1 out. 2020.

BRASIL. Lei 9.394/96 de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf. Acesso em: 26 out. 2020.

BRASIL. Lei 5.692/1971. Trata das Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/. Acesso em: 26 out. 2020.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4024.htm. Acesso em: out. 5 out. 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 1º out. 2020.

BRECHT, Bertold. “Se os tubarões fossem homens.” Resistir Info, maio. 2005. 1 site. Disponível em: http://resistir.info/brecht/tubaroes_homens.html. Acesso em: 20 jun. 2020. Acesso em: 10 out. 2020.

BORGES, Jorge Luis. Una brújula. "Poesia Completa" Debolsillo. 3. ed. 2016. p. 183. Disponível em: https://www.escritas.org/pt/t/50964/una-brujula.

ECO, Umberto. ECO – Entrevista de Roger Pol Droit ("LE MONDE"). Folha de São Paulo, Caderno +mais. São Paulo, domingo, 3 abr. 1994. Tradução Clara Allain. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1994/4/03/mais!/9.html. Acesso em: 13 nov. 2020.

FERRANTE, Elena. Entrevista a Luiz Zanin Oricchio. Caderno de cultura do Jornal O Estado de São Paulo, 30 de agosto de 2020. Disponível em: https://cultura.estadao.com.br/noticias/literatura,critica-a-vida-mentirosa-dos-adultos-reafirma-paixao-e-coragem-na-voz-de-elena-ferrante,70003418999. Acesso: 23 out. 2020.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método I: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Tradução Flávio Paulo Meurer. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método II: complementos e índices. Tradução Enio Paulo Giachini. Revisão tradução de Márcia Sá Cavalcante Schuback. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

GRONDIN, Jean. Retrospectiva Dialógica à obra reunida e sua história de efetuação. In: ALMEIDA, Custódio Luís S. de; FLICKINGER, Hans-Georg; ROHDEN, Luiz. Hermenêutica filosófica. Nas trilhas de Hans-Georg Gadamer. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000. p. 203-222. (Coleção filosofia, 117).

GONZÁLEZ, Fernando J.; JOHANN, Maria R.; POSSANI, Taíse N. Área das linguagens na educação básica: conhecimento e especificidade. In: GASTALDO, Luiz F.; ARENHART, Lívio O.; ANGST, Francisco (Org.). Formação continuada macromissioneira. Tubarão: Ed. Copiart, 2015. p. 453-468.

HEIDEGGER, Martin. A época da imagem do mundo. Tradução Paulo Rudi Schneider. In: SCHNEIDER, Paulo Rudi. O outro pensar: sobre o que significa pensar? e A época da imagem do mundo. Ijuí: Editora Unijuí, 2005. (Coleção filosofia; 17).

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1988. Parte I.

HERMANN, Nadja. O enlace entre corpo, ética e estética. Revista Brasileira de Educação, v. 23, e230051, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413-24782018000100243&lng=pt&nrm=iso

KUNZ, Elenor. Se movimentar. In: GONZÁLEZ, Fernando J.; FENSTERSEIFER, Paulo E. (Org.). Dicionário crítico de educação física. 3. ed. revisada e ampliada. Ijuí, RS: Editora Unijuí, 2014. p. 608-610.

LENINE, Oswaldo. Paciência. 1999. Disponível em: https://www.letras.mus.br/lenine/47001/. Acesso em: 10 out. 2020.

NUNES, Benedito. Hermenêutica e poesia. O pensamento poético. Organização Maria José CMPOS. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2007.

ROHDEN, Luiz. Hermenêutica e linguagem. In: ALMEIDA, Custódio Luís S. de; FLICKINGER, Hans-Georg; ROHDEN, Luiz. Hermenêutica filosófica. Nas trilhas de Hans-Georg Gadamer. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000. p. 151-202. (Coleção filosofia, 117).

SAFATLE, Vladimir. Há situações em que é imoral pensar? O duplo fundamento insuficiente do ato moral. In: NOVAES, Adauto (org.). Mutações. A experiência do pensamento. São Paulo: Edições Sesc SP, 2010. p. 133-155.

SAVATER, Fernando. O valor de educar. Tradução Monica Stahel. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

Downloads

Publicado

2021-06-10

Como Citar

FENSTERSEIFER, P. E.; JOHANN, M. R. Linguagem, corpo e educação física: o sempre insuficientemente dito. Conexões, Campinas, SP, v. 19, n. 1, p. e021023, 2021. DOI: 10.20396/conex.v19i1.8662114. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conexoes/article/view/8662114. Acesso em: 20 set. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ: Educação Física, Linguagem e Corpo