Banner Portal
A reestruturação produtiva e o festival de teses sobre educação e qualificação profissional
PDF

Palavras-chave

Reestruturação produtiva. Educação profissional. Competências

Como Citar

BATISTA, Roberto Leme; ARAÚJO, Renan. A reestruturação produtiva e o festival de teses sobre educação e qualificação profissional. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 9, n. 33e, p. 162–180, 2012. DOI: 10.20396/rho.v9i33e.8639533. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639533. Acesso em: 15 jun. 2024.

Resumo

Este artigo é resultado das reflexões que realizamos em nossas pesquisas na Rede deEstudos do Trabalho – RET e, em nos Programas de Pós Graduação da UNESP (Marília eAraraquara). Pesquisamos as transformações no mundo do trabalho inerentes ao processode reestruturação produtiva que impôs uma afirmação ideológica, segundo a qual, haveriauma importância da educação básica para a formação profissional dos indivíduos. Nessesentido, ganha posição uma visão segundo a qual haveria uma centralidade da educação,sobretudo porque a esta caberia a formação da força de trabalho, desenvolvendo as"competências" para atender as necessidades do mercado. O debate atual no âmbito dasociologia do trabalho e da educação retoma antigas questões sobre o problema daqualificação, ao mesmo tempo, em que novas questões devem ser investigadas. No Brasil aideologia da nova educação profissional, presente em diversos documentos oficiais queconsolidam a legislação da educação e a nova institucionalidade da educação profissional,apresenta as denominadas competências como requisitos exigidos da força de trabalhocomo uma espécie de "consenso nacional".
https://doi.org/10.20396/rho.v9i33e.8639533
PDF

Referências

ALVES, Giovanni. O novo (e precário) mundo do trabalho: Reestruturação produtiva e crise do sindicalismo. São Paulo: Boitempo, 2000.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho – ensaio sobre afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

ARAÚJO, Ronaldo Marcos de Lima. As novas “qualidades pessoais” requeridas pelo capital. Trabalho & Educação. Núcleo de Estudos sobre Trabalho e Educação/UFMG, no 5, p. 18-33, 1999.

BRASIL. Educação Profissional: um projeto para o desenvolvimento sustentado.

SEFOR/MTb, FAT/CODEFAT, 1999a, http://mte.gov.br.

BRASIL. Habilidades uma questão de competências? Brasília: MTb/SEFOR, FAT/CODEFAT, 1996.

BRASIL. Plano de Ação – Um Compromisso com a Mudança 1996-1998. Brasília: SEFOR/MTb, 1999b, http://mte.gov.br.

BRASIL. Política para a educação profissional: cooperação MEC/MTb. Brasília: MTb/SEFOR/MEC/SPPE, 1995.

CASTRO, Ramón Peña. A construção social do emprego e da qualificação. Texto apresentado na Reunião da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Caxambu, mimeo, 2001.

CATANI, Afrânio Mendes et al. Mudanças no mundo do trabalho e reforma curricular dos cursos de graduação no Brasil. Caxambu, Anped, 2000, in: http://www.anped.org.br/

CATTANI, Antonio David (org.). Trabalho e Tecnología: Diccionario crítico. Petrópolis: Vozes, 1999.

DIAS, Edmundo Fernandes. A liberdade (im)possível na ordem do capital: reestruturação produtiva e passivização. Campinas-SP: IFCH/Unicamp, 1999. distintas leituras da obra de Marx. São Paulo: PUC, relatório parcial de pesquisa, 2001.

DUARTE, Newton. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. Campinas, SP: Autores Associados, 2001.

FERRETTI, Celso João. Formação Profissional e reforma do ensino técnico no Brasil: anos 90. Educação e Sociedade Campinas, no 59, p. 225-269, 1997.

FINKEL, Lucila. La organización social del trabajo. Madrid: Perámide, 1996

FREITAS, Luiz Carlos de. Crítica da organização do trabalho pedagógico e da didática. Campinas, SP: Papirus, 2001.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1989.

GENTILI, Pablo. O conceito de empregabilidade. In: Avaliação do PLANFOR: uma política pública de educação profissional em debate. São Carlos: UNITRABALHO, 1999.

HIRATA, Helena. Da polarização das qualificações ao modelo da competência. In, Ferretti, C. J. et al. Novas Tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. 2a ed, Petrópolis: Vozes, 1994.

LEITE, Elenice Monteiro. Reestruturação industrial, cadeias produtivas e qualificação. In CARLEIAL, Liana & VALLE, Rogério. Reestruturação produtiva e mercado de trabalho no Brasil. São Paulo: Hucitec-Abet, p. 140-166, 1997.

LEITE, Elenice Monteiro. Reestruturação produtiva no Brasil: mudanças no mercado de trabalho e impactos sobre a qualificação profissional. Brasília: Convênio MTb/SEFOR-FLACSO, 1998.

PINTO, Ana Maria Rezende. Pessoas inteligentes trabalhando com máquinas ou máquinas inteligentes substituindo o trabalho humano. Trabalho e Educação, Campinas, Papirus, p. 39-44, 1994. qualificação profissional como construção e relações sociais: as contribuições de RAMOS, Marise Nogueira. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez, 2001.

ROPÉ, Françoise & TANGUY, Lucie (Orgs.). Saberes e competências: O uso de tais noções na escola e na empresa. Campinas: Papirus, 1997.

RUMMERT, Sonia Maria. Capital e trabalho convergências e divergências quanto à educação básica. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, NETE/UFMG, no 4, 1999, p. 21-39.

SILVA JÚNIOR, João dos R., FERRETTI, Celso J. e GONZÁLEZ, Jorge L. C. A STROOBANTS, Marcelle. A visibilidade das competências. In ROPÉ, Françoise & TANGUY, Lucie (Orgs.). Saberes e competências: O uso de tais noções na escola e na empresa. Campinas: Papirus, p. 135-166, 1997.

TEIXEIRA, Ana. Trabalho, tecnologia e educação: algumas considerações. Trabalho e Educação, Belo Horizonte, NETE/UFMG, no 4, p. 161-184, 1998.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.