Relações de gênero e precarização do trabalho docente

Autores

  • Edson Caetano UFMT
  • Camila Emanuella Pereira Neves UFMT

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v9i33e.8639539

Palavras-chave:

Feminização do trabalho docente. Trabalho docente. Educação e trabalho

Resumo

O artigo pretende discutir a trajetória das mulheres no exercício do magistériorelacionando-a com o mundo do trabalho e, assim, ampliar os olhares sobre a constituiçãoda profissão docente. Na busca por uma maior inserção no mercado de trabalho, a mulher,através de lutas, avançou e recuou em momentos distintos, mas acabou por conquistarespaço e identidade profissional. A feminização da profissão docente é vista como um dosfatores de desvalorização profissional da carreira docente. Atualmente, uma parcelaconsiderável das professoras manifesta insatisfação com a docência, em razão da crescentedesvalorização da profissão, dos baixos salários e das precárias condições de trabalho. Otexto pretende, ainda, discutir as interferências promovidas pela reestruturação do trabalhopedagógico no sentido da flexibilização e precarização do trabalho docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edson Caetano, UFMT

Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas e professor da Universidade Federal de Mato Grosso; Instituto de Educação; Departamento de Teoria e Fundamentos da Educação.

Camila Emanuella Pereira Neves, UFMT

Discente do 4o. ano do curso de Pedagogia da Universidade Federal e Mato Grosso; Bolsista do Projeto PES.

Referências

ALMEIDA, Jane Soares de. Mulher e educação: a paixão pelo possível. São Paulo, UNESP, 1998.

ANTUNES, Ricardo. As mutações no mundo do trabalho na era da mundialização do capital. Educação & Sociedade, Campinas, vol. 25, no. 87, p. 335-351, 2004.

BANCO MUNDIAL. O trabalhador e o processo de integração mundial. Relatório sobre o desenvolvimento mundial. Washington, 1995.

BANCO MUNDIAL. Do plano ao mercado. Relatório sobre o desenvolvimento mundial. Washington, 1996.

BANCO MUNDIAL. O Estado num mundo em transformações. Relatório sobre o desenvolvimento mundial. Washington, 1997.

BOING, Luiz Alberto & LUDKE, MENGA. Caminhos da profissão e da profissionalidade docente. Educação & Sociedade, Campinas, vol. 85, no. 89, p. 1159-1180, 2004.

BRUSCHINI, Cristina & AMADO, Tina. Estudos sobre mulher e educação. Algumas questões sobre o magistério. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, Fundação Carlos Chagas, no. 64, p. 04-13, 1988.

CARVALHO, Marília Pinto de. Trabalho docente e relações de gênero. Algumas indagações. Revista Brasileira de Educação, ANPED, no. 2, p. 77-84, 1996.

CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petrópolis, Vozes, 2001.

CHAMON, Magda. Trajetória de feminização do magistério. Ambigüidades e conflitos. Belo Horizonte, Autêntica, 2005.

COMENIUS, Johann Amos. Didática magna. São Paulo, Martins Fontes, 2002.

DUBAR, Claude & TRIPIER, Pierre. Sociologie des professions. Paris, Armand Colin, 1998.

HARVEY, David. Condição pós moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo, Loyola, 2003.

HELOANI, Roberto. Gestão e organização no capitalismo globalizado. História da manipulação psicológica no mundo do trabalho. São Paulo, Atlas, 2003.

IBGE. PNAD. http://www.ibge.gov.br/trabalhoerendimento/pnad2004/notas_pnad.pdf, acesso em 02/10/2008.

LEITE, Márcia de Paula. Trabalho e sociedade em transformação: mudanças produtivas e atores sociais. São Paulo, Fundação Perseu Abramo, 2003.

MTE/RAIS. http://www.mte.gov.br, acesso em 02/10/2008.

LICHTENSZTEJN, Samuel & BAER, Mônica. Fondo Monetário Internacional y Banco Mundial. Estratégias y politicas del poder financeiro. San José, Buenos Aires, Nueva Sociedad, 1986.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. As reformas educacionais na América Latina e os trabalhadores docentes. Belo Horizonte, Autêntica, 2003.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação & Sociedade, Campinas, vol. 25, no. 89, p. 1127-1144, 2004.

PASSOS, Mauro. Historiando embates e conquistas da profissão docente em Minas Gerais (1977-2004). In: PEIXOTO, Ana Maria Cassandra & PASSOS, Mauro. A escola e seus atores – educação e profissão docente. Belo Horizonte, Autêntica, 2005.

PIMENTA, Selma Garrido. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? São Paulo, Cortez, 2001.

REIS, Maria Cândida Delgado. Tessitura de destino: mulheres e educação. São Paulo, EDUC,1993.

SANTOS, Elizabeth Ângela dos. Profissão docente: uma questão de gênero? http://www.fazendogenero8.ufsc.br/sts/ST8/Elizabeth_Angela_dos_Santos_08.pdf, acesso em 06/10/2008.

SENNETTR, Richard. A corrosão do caráter. Consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. São Paulo, Record, 2001.

SOUSA, Érica Renata de. No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais. Cadernos Pagu, Campinas, no. 17/18, p. 379-387, 2001/02.

Downloads

Como Citar

CAETANO, E.; NEVES, C. E. P. Relações de gênero e precarização do trabalho docente. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 9, n. 33e, p. 251–263, 2012. DOI: 10.20396/rho.v9i33e.8639539. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639539. Acesso em: 3 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos