Banner Portal
Movimento de professores e transição democrática em Mato Grosso do Sul (1979-1985)
PDF

Palavras-chave

História da Educação. Movimento de Professores. Políticas Educacionais

Como Citar

FERREIRA JUNIOR, A. Movimento de professores e transição democrática em Mato Grosso do Sul (1979-1985). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 9, n. 33, p. 64–77, 2012. DOI: 10.20396/rho.v9i33.8639554. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639554. Acesso em: 28 set. 2023.

Resumo

Este artigo tem como objeto de estudo, com base numa perspectiva marxista, o movimentosindical protagonizado pelos professores públicos em Mato Grosso do Sul durante atransição democrática ocorrida entre 1979 e 1985. A criação de Mato Grosso do Sul, em1979, após a divisão de Mato Grosso uno, impôs a necessidade de formação de um sistemaestadual de educação pública do ensino de 1° e 2° graus na nova unidade federativa. E, porconseqüência, iniciou-se o processo de constituição da categoria social dos professorespúblicos e as suas demandas por melhores condições de vida e de trabalho. Em plenocontexto da ditadura militar (1964-1985), os professores sul-mato-grossenses formaram umamplo movimento associativista reivindicatório que os transformaram num dos principaisatores sociais na luta contra o regime político imposto depois de 1964. As dissensões quese estabeleceram entre os professores e os primeiros governos de Mato Grosso do Sulvincaram a própria institucionalidade da escola pública de 1° e 2° graus. Portanto, parte-sedo pressuposto de que o estudo de tais conflitos possibilita traçar, pelo viés da luta sindicaltravada pelo movimento de professores, uma panorâmica histórica sobre a educação sulmato-grossense na sua gênese.
https://doi.org/10.20396/rho.v9i33.8639554
PDF

Referências

ABRAMO, Perseu. O professor, a organização corporativa e a ação política. In: CATANI, Denise Bárbara; MIRANDA, Hercília T. de et al. Universidade, escola e formação de professores. São Paulo: Brasiliense, 1986. p.77-84.

ALBUQUERQUE, Manoel Maurício. Pequena história da formação social brasileira. Rio de Janeiro: Graal, 1981. 728 p.

ALVES, Maria Helena Moreira. Estado e oposição no Brasil (1964-1984). 2a Ed. Petrópolis: Vozes, 1984. 337p.

CAMPANHOLE, Adriano; CAMPANHOLE, Hilton L. Consolidação das Leis do Trabalho e Legislação Complementar. 50a Ed. São Paulo: Editora Atlas, 1979. 1018 p.

CARONE, Edgard. Movimento operário no Brasil (1964-1980). São Paulo: DIFEL, 1984. 311 p.

DINIZ, Eli; BOSCHI, Renato et al. Modernização e consolidação democrática no Brasil: dilemas da Nova República, São Paulo: Vértice, 1989. 190 p.

FERNANDES, Florestan. A formação política e o trabalho do professor. In: CATANI, Denise Bárbara; MIRANDA, Hercília T. de et al (Org.). Universidade, escola e formação de professores. São Paulo: Brasiliense, 1986. p. 13-37.

FERREIRA Jr., Amarilio. A FEPROSUL e a luta sindical dos professores estaduais de 1o e 2o graus: 1979-1986. Campo Grande: UFMS, 1992. 130 p. Dissertação (Mestrado em Educação). Centro de Ciências Humanas e Sociais, UFMS.

FERREIRA Jr., Amarilio. Professores e sindicalismo em Mato Grosso do Sul: 1979-1986. Campo Grande: Editora da UFMS, 2003.

FERREIRA Jr., Amarilio; BITTAR, Marisa. Proletarização e sindicalismo de professores na ditadura militar (1964-1985). São Paulo: Pulsar, 2006a. 105p.

GRAMSCI, Antonio. Caderno 13 (1932-1934): Breves notas sobre a política de Maquiavel. In: _____ . Cadernos do cárcere. Tradução: Carlos Nelson Coutinho et al. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. v. 3, p. 11-109.

IANNI, Octavio. O professor como intelectual: cultura e dependência. In: CATANI, Denise Bárbara; MIRANDA, Hercília T. de et al (Org.). Universidade, escola e formação de professores. São Paulo: Brasiliense, 1986. p. 40-49.

KECK, Margaret. O "Novo Sindicalismo" na Transição Brasileira. In: STEPAN, Alfred (Org.). Democratizando o Brasil. Tradução: Ana Luíza Pinheiro et al. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988. p. 381-440.

MILLS, Wrigth. A nova classe média. 3a ed. Rio de Janeiro: Zahar, 3.079. 380 p.

PERALVA, Angelina Teixeira. Professores: um movimento a se repensar. Aconteceu Especial, 19 – Educação no Brasil 1987-1988. São Paulo, p.158-161, 1991.

PREGO, Niso. Profissionalização do magistério e suas entidades de classe. Congresso Brasileiro de Educação. IV Conferência Brasileira de Educação: Educação e Constituinte, 1986, Goiânia. Anais. São Paulo: Cortez Editora, 1986. p. 538-545. (Tomo I).

RIBEIRO, Maria Luisa S. A formação política do professor de l° e 2° graus. São Paulo: Cortez Editora, 1984. 280 p.

RIBEIRO, Maria Luíza Santos. A profissionalização do magistério e as entidades de classe. Congresso Brasileiro de Educação. IV Conferência Brasileira de Educação: Educação e Constituinte, 1986, Goiânia. Anais. São Paulo: Cortez Editora, 1986. p. 533-537. (Tomo I).

SADER, Emir. A transição no Brasil; da ditadura à democracia?. São Paulo: Atual Editora, 1990. 92 p.

KIDM0RE, Thomas. Brasil: de Castelo a Tancredo. 4a Ed. Rio de Janeiro: Faz e Terra, 1988. 608 p.

STEPAN, Alfred. Democratizando o Brasil. Rio de Janeiro: paz e Terra 1308. p. 137-197.

VIANNA, Luiz Werneck. Liberalismo e sindicato no Brasil. 2a Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978. 288 p.

VIANNA, Luiz Werneck. A transição: da Constituição à sucessão presidencial. Rio de Janeiro: DEVAN, 1989. 174 p.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.