Movimento de professores e transição democrática em Mato Grosso do Sul (1979-1985)

Autores

  • Amarilio Ferreira Junior Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v9i33.8639554

Palavras-chave:

História da Educação. Movimento de Professores. Políticas Educacionais

Resumo

Este artigo tem como objeto de estudo, com base numa perspectiva marxista, o movimentosindical protagonizado pelos professores públicos em Mato Grosso do Sul durante atransição democrática ocorrida entre 1979 e 1985. A criação de Mato Grosso do Sul, em1979, após a divisão de Mato Grosso uno, impôs a necessidade de formação de um sistemaestadual de educação pública do ensino de 1° e 2° graus na nova unidade federativa. E, porconseqüência, iniciou-se o processo de constituição da categoria social dos professorespúblicos e as suas demandas por melhores condições de vida e de trabalho. Em plenocontexto da ditadura militar (1964-1985), os professores sul-mato-grossenses formaram umamplo movimento associativista reivindicatório que os transformaram num dos principaisatores sociais na luta contra o regime político imposto depois de 1964. As dissensões quese estabeleceram entre os professores e os primeiros governos de Mato Grosso do Sulvincaram a própria institucionalidade da escola pública de 1° e 2° graus. Portanto, parte-sedo pressuposto de que o estudo de tais conflitos possibilita traçar, pelo viés da luta sindicaltravada pelo movimento de professores, uma panorâmica histórica sobre a educação sulmato-grossense na sua gênese.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amarilio Ferreira Junior, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Professor Titular do Departamento de Educação da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Referências

ABRAMO, Perseu. O professor, a organização corporativa e a ação política. In: CATANI, Denise Bárbara; MIRANDA, Hercília T. de et al. Universidade, escola e formação de professores. São Paulo: Brasiliense, 1986. p.77-84.

ALBUQUERQUE, Manoel Maurício. Pequena história da formação social brasileira. Rio de Janeiro: Graal, 1981. 728 p.

ALVES, Maria Helena Moreira. Estado e oposição no Brasil (1964-1984). 2a Ed. Petrópolis: Vozes, 1984. 337p.

CAMPANHOLE, Adriano; CAMPANHOLE, Hilton L. Consolidação das Leis do Trabalho e Legislação Complementar. 50a Ed. São Paulo: Editora Atlas, 1979. 1018 p.

CARONE, Edgard. Movimento operário no Brasil (1964-1980). São Paulo: DIFEL, 1984. 311 p.

DINIZ, Eli; BOSCHI, Renato et al. Modernização e consolidação democrática no Brasil: dilemas da Nova República, São Paulo: Vértice, 1989. 190 p.

FERNANDES, Florestan. A formação política e o trabalho do professor. In: CATANI, Denise Bárbara; MIRANDA, Hercília T. de et al (Org.). Universidade, escola e formação de professores. São Paulo: Brasiliense, 1986. p. 13-37.

FERREIRA Jr., Amarilio. A FEPROSUL e a luta sindical dos professores estaduais de 1o e 2o graus: 1979-1986. Campo Grande: UFMS, 1992. 130 p. Dissertação (Mestrado em Educação). Centro de Ciências Humanas e Sociais, UFMS.

FERREIRA Jr., Amarilio. Professores e sindicalismo em Mato Grosso do Sul: 1979-1986. Campo Grande: Editora da UFMS, 2003.

FERREIRA Jr., Amarilio; BITTAR, Marisa. Proletarização e sindicalismo de professores na ditadura militar (1964-1985). São Paulo: Pulsar, 2006a. 105p.

GRAMSCI, Antonio. Caderno 13 (1932-1934): Breves notas sobre a política de Maquiavel. In: _____ . Cadernos do cárcere. Tradução: Carlos Nelson Coutinho et al. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. v. 3, p. 11-109.

IANNI, Octavio. O professor como intelectual: cultura e dependência. In: CATANI, Denise Bárbara; MIRANDA, Hercília T. de et al (Org.). Universidade, escola e formação de professores. São Paulo: Brasiliense, 1986. p. 40-49.

KECK, Margaret. O "Novo Sindicalismo" na Transição Brasileira. In: STEPAN, Alfred (Org.). Democratizando o Brasil. Tradução: Ana Luíza Pinheiro et al. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988. p. 381-440.

MILLS, Wrigth. A nova classe média. 3a ed. Rio de Janeiro: Zahar, 3.079. 380 p.

PERALVA, Angelina Teixeira. Professores: um movimento a se repensar. Aconteceu Especial, 19 – Educação no Brasil 1987-1988. São Paulo, p.158-161, 1991.

PREGO, Niso. Profissionalização do magistério e suas entidades de classe. Congresso Brasileiro de Educação. IV Conferência Brasileira de Educação: Educação e Constituinte, 1986, Goiânia. Anais. São Paulo: Cortez Editora, 1986. p. 538-545. (Tomo I).

RIBEIRO, Maria Luisa S. A formação política do professor de l° e 2° graus. São Paulo: Cortez Editora, 1984. 280 p.

RIBEIRO, Maria Luíza Santos. A profissionalização do magistério e as entidades de classe. Congresso Brasileiro de Educação. IV Conferência Brasileira de Educação: Educação e Constituinte, 1986, Goiânia. Anais. São Paulo: Cortez Editora, 1986. p. 533-537. (Tomo I).

SADER, Emir. A transição no Brasil; da ditadura à democracia?. São Paulo: Atual Editora, 1990. 92 p.

KIDM0RE, Thomas. Brasil: de Castelo a Tancredo. 4a Ed. Rio de Janeiro: Faz e Terra, 1988. 608 p.

STEPAN, Alfred. Democratizando o Brasil. Rio de Janeiro: paz e Terra 1308. p. 137-197.

VIANNA, Luiz Werneck. Liberalismo e sindicato no Brasil. 2a Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978. 288 p.

VIANNA, Luiz Werneck. A transição: da Constituição à sucessão presidencial. Rio de Janeiro: DEVAN, 1989. 174 p.

Downloads

Como Citar

FERREIRA JUNIOR, A. Movimento de professores e transição democrática em Mato Grosso do Sul (1979-1985). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 9, n. 33, p. 64–77, 2012. DOI: 10.20396/rho.v9i33.8639554. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639554. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos