Gestão educacional e trabalho docente: aspectos socioinstitucionais e psicossociais dos processos de saùdedoença

Autores

  • Eduardo Pinto e Silva Universidade Federal de São Carlos – UFSCar
  • Roberto Heloani Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v9i33.8639564

Palavras-chave:

Trabalho docente. Gestão educacional. Aspectos psicossociais

Resumo

Abordam-se as relações entre gestão educacional e trabalho docente, enfatizando osaspectos socioinstitucionais e psicossociais dos processos de saúde-doença. Relacionam-seos processos de exploração, precarização e intensificação do trabalho do professor àacumulação flexível e ao Estado-gestor. Discutem-se dados de pesquisa em seteinstituições federais de Ensino Superior que são contrapostos aos dados de pesquisa emescola estadual de Niterói. Argumenta-se que as políticas e práticas educacionais daEducação Superior influenciam as políticas e práticas da Educação Básica. Aponta-se parao predomínio da sociabilidade produtiva sobre a formação humana e para um modelo degestão organizacional heterônomo, pragmático e mercantil. Apresentam-se consideraçõesde estudos sobre as relações entre trabalho docente e processos de saúde-doença ereflexões dos conceitos de não-reconhecimento no trabalho e identidade. Conclui-se que asconseqüências prejudiciais à vida sociofamiliar e à saúde do professor se relacionam aosaspectos socioinstitucionais (gestão educacional heterônoma; precarização e intensificaçãodo trabalho) e psicossociais (não-reconhecimento no trabalho; conflitos identitários;competitividade nas relações).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Pinto e Silva, Universidade Federal de São Carlos – UFSCar

Professor Adjunto do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da UFSCar, linha de pesquisa Educação e Trabalho. Mestre e Doutor em Educação pela UNICAMP.

Roberto Heloani, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Professor Titular da Faculdade de Educação e da Pós-Graduação em Educação da UNICAMP, linha de pesquisa Gestão, Saúde e Subjetividade. Professor da FGV-SP. Mestre em Administração pela FGV-SP e Doutor em Psicologia Social pela PUC-SP.

Referências

BERGER, Peter; LUCKMANN, Thommas. A construção social da realidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1991.

CIAMPA, Antonio da Costa. A estória de Severino e a história de Severina. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CIAMPA, Antonio da Costa. Identidade. In: LANE, S., CODO, W (orgs.). Psicologia Social: o homem em movimento. São Paulo: Brasiliense, 1992.

CHESNAIS, François. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

CODO. Wanderley. Educação: carinho e trabalho. 3.ed. Petróplis: Vozes, 1999.

CORRÊA, Maria Laetitia; PIMENTA, Solange Maria. Teorias da administração e seus desdobramentos no âmbito escolar. In: OLIVEIRA, M. A. M. (org.). Gestão educacional: novos olhares, novas abordagens. Petrópolis, RJ: Vozes, p.22-39, 2005.

DEJOURS, Christophe. O fator humano, Rio de Janeiro: Editora FGV, 1997.

DEJOURS, Christophe. Psicodinâmica do trabalho. 2.ed. SP: Atlas, 1994.

DEJOURS, Christophe. Pour une clinique de la médiation entre psychanalyse et politique: la psychodynamique du travail. Paris: Bayard, 1993.

DEJOURS, Christophe. Uma Nova Visão do Sofrimento Humano nas Organizações. In: Chanlat, J. F. (org). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Editora Atlas, v.1, 1992.

DUARTE, Newton. Educação escolar, teoria do cotidiano e a escola de Vigotski. Campinas, SP: Autores Associados, 2001.

DUARTE, Newton. Vigotski e o aprender a aprender: críticas às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

ENRIQUEZ, Eugène. O indivíduo preso na armadilha da instituição estratégica. RAE, São Paulo, 37, (1), p.18-29, 1997.

ESTEVE, Jose Manuel. O mal-estar docente: a sala de aula e a saúde dos professores. Bauru: EDUSC, 1999.

FIORI, José Luís. Globalização, estados nacionais e políticas públicas. In: FIORI, J. L. (org.). Em busca do dissenso perdido: ensaios críticos sobre a festejada crise do Estado. Rio de Janeiro: Insigth Editorial, p.195-211, 1995.

FORTUNA, Maria Lucia de Abrantes. Gestão escolar e subjetividade. São Paulo/Niterói: Xamã/Intertexto, 2000.

FREUDENBERGER, Herbert J. The staff burn-out syndrome. Psychotherapy: theory, research and practice, 12, p.73-82, 1975.

FREUDENBERGER, Herbert J. Staff burn-out. Journal of Social Issues, 30, pp.159-165, 1974.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Zahar, 1963.

HABERMAS, Jürgen. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

HABERMAS, Jürgen. Teoria de la accion comunicativa. Versión castellana de Manuel Jimenes Redondo. Madrid: Taurus, 1987.

HABERMAS, Jürgen. Para a reconstrução do materialismo histórico. São Paulo: Brasiliense, 1983.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. SP: Loyola, 1993.

HELOANI, Roberto. Gestão e organização no capitalismo globalizado: história da manipulação psicológica no mundo do trabalho. SP: Atlas, 2003.

HONNETH, Alex. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Ed.34, 2003.

LEITE, Marcia de Paula; SOUZA, Aparecida Neri de. Condições de trabalho e suas repercussões na saúde dos professores da Educação Básica no Brasil. Campinas/São Paulo: Faculdade de Educação da Unicamp/Fundacentro, Relatório de Pesquisa, 2007.

LÜCK, Heloísa. Gestão Educacional: uma questão paradigmática. Petrópolis, RJ: Vozes, Série Cadernos de Gestão, v.1, 2007.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, livro 1, v.2, 1971.

RAMOS, Marise Nogueira. Pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez, 2001.

SGUISSARDI, Valdemar; SILVA JÚNIOR, João dos Reis. O trabalho intensificado na Federais: pós-graduação e produtivismo acadêmico. São Paulo: Xamã, 2009 (no prelo).

SILVA, Eduardo Pinto e. As concepções de subjetividade em Gramsci e Lukács e a praxis educacional. Belo Horizonte, Trabalho & Educação, v.2, n.17, 2008.

SILVA JÚNIOR, João dos Reis. Pragmatismo e populismo na Educação Superior: nos governos Lula e FHC. São Paulo: Xamã, 2005.

SILVA JÚNIOR, João dos Reis; FERRETTI, Celso João. O institucional, a organização e a cultura da escola. São Paulo: Xamã, 2004.

SILVA JÙNIOR, João dos Reis; GONZÁLEZ, Jorge Luis Cammarano. Reformas educacionais, competências e prática social. Belo Horizonte, Trabalho & Educação, n.9, jul.dez., 2001.

SILVA JÚNIOR, João dos Reis; SILVA, Eduardo Pinto e. Carreira docente diante da atual configuração da pós-graduação: pragmatismo, intensificação e precarização do trabalho do professor. In: MANCEBO, D; SILVA JÙNIOR, J. dos R.; OLIVEIRA, J. F. de. Reformas e políticas: educação superior e pós-graduação no Brasil. São Paulo: Xamã, cap.8, p.189-222, 2008.

TEIXEIRA, Benedito Juberto. Influência dos estereótipos nos julgamentos do selecionador de pessoal. São Paulo: FGV/SP, 1994 (Dissertação de Mestrado).

VIEIRA, Juçara Dutra. Identidade expropriada: retrato do educador brasileiro. 2.ed. Brasília: CNTE, 2004.

Downloads

Como Citar

SILVA, E. P. e; HELOANI, R. Gestão educacional e trabalho docente: aspectos socioinstitucionais e psicossociais dos processos de saùdedoença. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 9, n. 33, p. 207–227, 2012. DOI: 10.20396/rho.v9i33.8639564. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639564. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos