O papel dos professores na formação social brasileira: 1827-1889

Autores

  • André Paulo Castanha Unioeste
  • Marisa Bittar UFSCar

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v9i34.8639578

Palavras-chave:

Trabalho dos professores. Instrução elementar, Educação no Império. Legislação educacional

Resumo

O texto é resultado das pesquisas desenvolvidas sobre as políticas de instrução públicaelementar no Brasil imperial a partir do Ato Adicional de 1834. Um dos objetivos do estudofoi compreender as ações do Estado em relação aos professores de instrução primária. Qual operfil dos professores? Quais as condições de trabalho e incentivos salariais? Qual o papel doprofessorado em relação à organização da sociedade? Para tanto, fez-se uma comparaçãoentre a legislação educacional produzida pela Corte e pelas províncias do Rio de Janeiro,Mato Grosso e Paraná, subsidiada por outras fontes primárias. O estudo concluiu que o Estadoutilizou-se da legislação educacional para controlar de perto o trabalho dos professores. Apreocupação com o trabalho dos mestres esteve mais centrada no potencial que estesdesempenhavam enquanto agentes da administração e responsáveis pela difusão de ummodelo de sociedade do que pelo conhecimento básico dos conteúdos escolares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Paulo Castanha, Unioeste

Professor do Colegiado de Pedagogia da Unioeste – Campus de Francisco Beltrão. Historiador, mestre e doutor em Educação. Membro do Grupo de Pesquisa: HISTEDOPR – GT local do HISTEDBR, onde desenvolve pesquisas na linha: História, Sociedade e Educação no Brasil.

Marisa Bittar, UFSCar

Professora e Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFSCar. Atua na área de Fundamentos da Educação. Doutora em História Social pela USP e pesquisadora em História da Educação.

Referências

ALMEIDA, J. R. P. de. História da Instrução Pública no Brasil (1500-1889). Tradução de Antonio Crizzotti São Paulo: EDUC; Brasília: INEP/MEC, 1989.

BASTOS, A. C. T. “Descentralização e ensino”. In: O Brasil no pensamento brasileiro. Introd. sel. e org. de Djacir Menezes. Brasília: Senado Federal, 1998, p. 659-66.

ARAÚJO e outros (Orgs). As escolas normais no Brasil: do Império à Republica. Campinas: Editora Alínea, 2008.

BRASIL. “Constituição de 1824”. In: NOGUEIRA, Octaciano. Constituições Brasileiras: 1824. Brasília: Senado Federal e MCT, 2001.

BRASIL. Decisão n. 222 do Ministério do Império de 10 de dezembro de 1830. Declara que os menores de 25 anos não podem ser nomeados professores de primeiras letras. Coleção das Decisões do Governo do Império do Brasil de 1830. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1876.

BRASIL. Decisão n. 77 do Ministério do Império de 6 de novembro de 1883. Aprova o regimento interno para as escolas públicas primárias do 1o grau do município da Corte. Coleção das Decisões do Governo do Império do Brasil de 1883. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1884

BRASIL. Decreto n. 1331-A de 17 de fevereiro de 1854. Aprova o Regulamento para a reforma do ensino primário e secundário do Município da Corte. Coleção das Leis do Império do Brasil de 1854 – Tomo XVII. Parte II. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1854.

BRASIL. Decreto n. 6479 de 18 de janeiro de 1877. Manda executar o Regulamento para as Escolas públicas de instrução primária do município da Corte. Coleção das Leis do Império do Brasil de 1877 – Tomo XL. Parte II. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1877.

BRASIL. Decreto n. 7247 de 19 de abril de 1879. Reforma o ensino primário e secundário no município da Corte e o superior em todo o Império. Coleção das Leis do Império do Brasil de 1879 – Parte II Tomo XLII. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1880, p. 196-217.

BRASIL. Decreto n. 8528 de 13 de maio de 1882. Aprova os estatutos do Grêmio dos Professores Públicos Primários da Corte. Coleção das Leis do Império do Brasil de 1882 – Parte II Tomo XLV – Vol. I. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1883.

BRASIL. Lei de 15 de outubro de 1827. Manda criar escolas de primeiras letras em todas as cidades, vilas e lugares mais populosos do Império. Coleção das Leis do Império do Brasil de 1827 – primeira parte. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional 1878, p. 71-73.

BRASIL. Portaria do Ministério do Império de 20 de outubro de 1855. Aprova e Manda que se observe, para execução do parágrafo 8o do Artigo 3o do Regulamento que baixou com o Decreto n. 1331-A de 17 de fevereiro de 1854, o Regimento Interno para as Escolas Públicas de Instrução primária. Coleção das Decisões do Governo do Império do Brasil de 1855 – Tomo XVIII. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1855.

BRASIL. Relatório do Ministro dos Negócios do Império, José Liberato Barroso, apresentado a Assembléia Geral Legislativa em 6 de maio de 1865. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1865.

CASTANHA, A. P. O Ato Adicional de 1834 e a instrução elementar no Império: descentralização ou centralização? Tese (doutorado em Educação). Universidade Federal de São Carlos, 2007.

CASTANHA, A. P. “Escolas normais no século XIX: um estudo comparativo”. In: Revista HISTEDBR On-line, n.32, dez, 2008a p. 17-36. Disponível: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/

CASTANHA, A. P. “Iniciativas estatais de formação docente no século XIX: a modalidade dos alunos-mestres e das conferencias pedagógicas”. In: Seminário Nacional de Educação, I., 2008. Anais. Francisco Beltrão – PR: Unioeste, 2008b.

GONDRA, J. G., Artes de civilizar: medicina, higiene e educação escolar na Corte imperial. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2004.

GONDRA, J. G. e SACRAMENTO, W. “Luiz Pedreira do Coutto Ferraz”. In: FÁVERO, M. de L. A. e BRITO, J. M. (Org). Dicionário de educadores no Brasil. 2 ed. aum. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2002.

GRAMSCI, A. Maquiavel, a política e o Estado moderno. 8 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

HOLLOWAY, T. H. Polícia no Rio de Janeiro: repressão e resistência numa cidade do século XIX. Tradução de Francisco de Castro Azevedo. Rio de Janeiro: FGV, 1997.

MATTOS, I. R. O Tempo Saquarema: a formação do Estado Imperial. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1990.

MIGUEL, M. E. B. (Org). Coletânea da documentação educacional paranaense no período de 1854 a 1889. Campinas: Autores Associados, 2000.

MIGUEL, M. E. B. MARTIN, S. D. (Org). Coletânea da documentação educacional paranaense no período de 1854 a 1889. In: Coleção documentos da educação brasileira. Barsília/São Paulo: INEP/SBHE, 2004. CD-ROM.

MUNICÍPIO da Corte. Inspetoria Geral de Instrução Primária e Secundária. Relatório do Inspetor Geral Eusébio de Queirós Coutinho Mattoso Câmara, de 15 de fevereiro de 1856. Publicado como anexo S-4 do Relatório do Ministro dos Negócios do Império, Luiz Pedreira do Coutto Ferraz, de 15 de maio de 1856. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1856.

MUNICÍPIO da Corte. Inspetoria Geral de Instrução Primária e Secundária. Relatório do Inspetor Geral Eusébio de Queirós Coutinho Mattoso Câmara, de 25 de abril de 1859. Publicado como anexo E do Relatório do Ministro dos Negócios do Império, Sérgio Teixeira de Macedo de 14 de maio de 1859. Rio de Janeiro: Tipografia Universal de Laemmert, 1859.

MUNICÍPIO da Corte. Inspetoria Geral de Instrução Primária e Secundária. Relatório do Inspetor Geral interino Francisco Ignácio Marcondes Homem de Mello, de 24 de março de 1873. Publicado como anexo B-3 do Relatório do Ministro dos Negócios do Império, João Alfredo Correa de Oliveira de 15 de maio de 1873. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1873.

MUNICÍPIO da Corte. Inspetoria Geral de Instrução Primária e Secundária. Relatório do Inspetor Geral Antonio Herculano de Souza Bandeira Filho, de 15 de fevereiro de 1884. Publicado como anexo C-7 do Relatório do Ministro dos Negócios do Império, Francisco Antunes Maciel de 3 de maio de 1884. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1884.

MUNICÍPIO da Corte. “Escolas Públicas da Corte do Império no ano de 1873”. Relatório apresentado pela comissão ao Inspetor Geral de Instrução Primária e Secundária, em abril de 1874. Publicado como anexo B-7 do Relatório do Ministro dos Negócios do Império, João Alfredo Correia de Oliveira de 12 de maio de 1874. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1874.

OLIVEIRA, A. de Almeida. O ensino público. Brasília: Senado Federal, 2003.

PROVÍNCIA de Mato Grosso. Inspetoria Geral de Instrução Pública. Relatório do inspetor Joaquim Gaudie Ley, de 29 de janeiro de 1859. Cuiabá: Arquivo Público do Estado de Mato Grosso - APEMT, Lata B, Ano de 1859 – Pasta Inspetoria Geral dos Estudos.

PROVÍNCIA de São Paulo. Lei n. 34 de 16 de março de 1846. Organiza a instrução pública primária e cria uma Escola Normal na capital da Província. Coleção das Leis promulgadas pela Assembléia Legislativa da Província de São Paulo desde 1835 até 1888. São Paulo: Tipografia Imparcial de Azevedo Marques, 1868.

PROVÍNCIA de São Paulo. Regulamento de 8 de novembro de 1851. Para a instrução pública. São Paulo: Tipografia do Correio Paulistano de Azevedo Marques, 1874, p. 211-218.

PROVÍNCIA do Paraná. Inspetoria da Instrução Pública. Relatório do Inspetor Ernesto Francisco de Lima Santos, de 31 de janeiro de 1867. Publicado como Anexo 1 do relatório do presidente Polidoro Cezar Burlamaque de 15 de março de 1867. Curitiba: Tipografia de Candido Martins Lopes, 1867.

PROVÍNCIA do Paraná. Relatório do presidente André Augusto de Pádua Fleury, apresentado à Assembléia Legislativa Provincial, em 21 de março de 1865. Curitiba: Tipografia de Candido Martins Lopes, 1865.

PROVÍNCIA do Rio de Janeiro. Diretoria da Instrução Pública. Relatório do diretor Josino do Nascimento Silva de 26 de agosto de 1874. Publicado como Anexo -2 do Relatório do presidente Manoel José de Freitas Travassos de 8 de setembro de 1874. Rio de Janeiro: Tipografia do Apóstolo, 1874.

PROVÍNCIA do Rio de Janeiro. Diretoria da Instrução Pública. Relatório do diretor Josino do Nascimento Silva de 3 de agosto de 1878. Publicado como Anexo S-6 do Relatório do presidente Visconde de Prados de 8 de setembro de 1878. Rio de Janeiro: Tipografia da Reforma, 1878.

PROVÍNCIA do Rio de Janeiro. Lei n. 1 de 2 de janeiro de 1837. “Dá Regulamento a Instrução Primária na Província do Rio de Janeiro”. In: Coleção de Leis, Decretos e Regulamentos da Província do Rio de Janeiro desde 1835. Niterói: Tipografia Niterói, 1839, p. 293-300.

PROVÍNCIA do Rio de Janeiro. “Regulamento da Instrução Primária e Secundária na Província do Rio de Janeiro de 14 de dezembro de 1849”. In: Legislação Provincial do Rio de Janeiro de 1835 a 1850. Niterói: Tipografia Fluminense, 1851, p. 581-614.

PROVÍNCIA do Rio de Janeiro. “Regulamento da Instrução Primária e Secundária de 30 de abril de 1862”. In: Coleção de Leis, Decretos e Regulamentos da Província do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Tipografia Cosmopolita, 1873, p. 43-73.

PROVÍNCIA do Rio de Janeiro. “Regulamento da Instrução Pública de 16 de dezembro de 1876”. In: Coleção de Leis, Decretos, Atos e Decisões do Governo da Província do Rio de Janeiro de 1876. Rio de Janeiro: Imperial Instituto Artístico, 1877, p. 277-339.

PROVÍNCIA do Rio de Janeiro. Relatório do presidente Luiz Pedreira do Coutto Ferraz de 5 de maio de 1851. Rio de Janeiro: Tipografia do Diário, 1851.

PROVÍNCIA do Rio de Janeiro. Relatório do presidente Luiz Pedreira do Coutto Ferraz de 3 de maio de 1852. Rio de Janeiro: Tipografia de Amaral e Irmão, 1852.

ROCHA, Justiniano José da. Relatório apresentado ao Ministro dos Negócios do Império Visconde de Monte Alegre em 5 de abril de 1851. Publicado como anexo S-3 do relatório do Ministro dos Negócios do Império, Visconde de Monte Alegre de 15 de maio de 1851. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1851.

SÁ, Nicanor Palhares e SIQUEIRA, Elizabeth M. (Org). Leis e regulamentos da instrução pública do Império em Mato Grosso. Campinas: Autores Associados, 2000.

SÃO VICENTE, José Antônio Pimenta Bueno, Marquês de. José Antônio Pimenta Bueno, Marquês de São Vicente. (Org. e introd. de Eduardo Kugelmas). São Paulo: Editora 34, 2002.

SOUSA, Paulino José Soares de. “Ensaios sobre o direito administrativo”. In: Uruguai Visconde do. Org. e introdução de José Murilo de Carvalho. São Paulo: Editora 34, 2002.

THOMPSON, E. P. “Algumas observações sobre classe e ‘falsa consciência’”. In: THOMPSON, E. P. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. (Orgs. de Antonio Luigi Negro e Sergio Silva). Campinas: Unicamp.

Downloads

Como Citar

CASTANHA, A. P.; BITTAR, M. O papel dos professores na formação social brasileira: 1827-1889. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 9, n. 34, p. 37–61, 2012. DOI: 10.20396/rho.v9i34.8639578. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639578. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>