Violência, escola e jovens de grupos populares urbanos: o caso de estudantes de ensino médio São Carlos/SP

Autores

  • Roseli Esquerdo Lopes UFSCar
  • Carla Regina Silva UFSCar
  • Beatriz Rocha Moura UFSCar
  • Jorge Oishi UFSCar

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v9i34.8639580

Palavras-chave:

Adolescência e Juventude. Cidadania e Direitos. Escola Pública. Ensino Médio. Violência Escolar

Resumo

Tomando-se o caso de adolescentes e jovens que freqüentam a escola pública de EnsinoMédio em São Carlos/SP, tratou-se de conhecer e analisar suas condições sócioeconômicas,seus problemas e perspectivas de estudo e de vida escolar e, também, dediscutir a avaliação que fazem acerca do fenômeno da violência na e da escola.Configurada uma amostragem representativa para o ano de 2006, contatou-se asdireções escolares, fazendo-se os acertos necessários para a realização da pesquisa.Trabalhou-se com um instrumento com questões abertas e fechadas. A escola é umareferência fundamental para a grande maioria dos alunos. Apesar de mais da metade dosjovens não considerarem sua escola violenta, o mesmo percentual refere a ocorrência desituações e de atitudes de violência na escola. Nossa pretensão é que esse perfil possaoferecer subsídios para estratégias de enfrentamento da violência na escola, associadas àpromoção dos direitos e ao contato relacional com respeito e dignidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roseli Esquerdo Lopes, UFSCar

Professora Associada do Departamento de Terapia Ocupacional e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Integrante do Núcleo UFSCar do HISTEDBR. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Terapia Ocupacional e Educação no Campo Social – CNPq. Pesquisadora CNPq.

Carla Regina Silva, UFSCar

Mestre e Doutoranda em Educação pela UFSCar. Integrante do Grupo de Pesquisa Terapia Ocupacional e Educação no Campo Social. Bolsista FAPESP.

Beatriz Rocha Moura, UFSCar

Terapeuta Ocupacional pela UFSCar. Integrante do Grupo de Pesquisa Terapia Ocupacional e Educação no Campo Social. Bolsista de IC/CNPq.

Jorge Oishi, UFSCar

Professor Associado do Departamento de Estatística da UFSCar.

Referências

ABRAMOVAY, Miriam; RUA, Maria das Graças. Violência nas escolas. Brasília: UNESCO, 2002, 400p.

ARENDT, Hannah. A condição humana. 7a. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995, 352 p.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. 2a.ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1981, 279p.

BRASIL. Ministério da Educação, INEP. Disponível em http://www.inep.gov.br/. Acesso em: setembro de 2006.

BRASIL. Lei No 9.394. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União. Brasília, 1996.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. São Paulo : Cortez, 1990.

CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petrópolis: Vozes, 1998, 611p.

COSTA, Arhur. Entre a lei e a ordem: violência e reforma nas polícias do Rio de Janeiro e Nova York. Rio de Janeiro : FGV, 2004, 203p.

DEBARBIEUX, Éric; BLAYA, Catherine. (Org.) Violência nas escolas: dez abordagens européias. Brasília: UNESCO, 2002, 268p.

DEBARBIEUX, Éric et al. Desafios e alternativas: violências nas escolas. Brasília: UNESCO/UNDP, 2003, 280p.

DUBET, François. A escola e a exclusão. Cadernos de Pesquisa, 2003, n. 119, p.29-45.

FOLHA DE S. PAULO. 27% dos jovens não trabalham nem estudam. São Paulo, 20 fev. 2006, Cotidiano, p. C1.

GONÇALVES, Lia; PASSOS, Sara; PASSOS, Álvaro. Novos rumos para o Ensino Médio noturno – como e por que fazer? Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação. Rio de Janeiro, v.13, n.48, p. 345-360. jul./set. 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Rio de Janeiro, 2001/2002. Disponível em www.ibge.gov.br. Acesso em: fevereiro de 2007.

MARCÍLIO, Maria Luiza. História da escola em São Paulo e no Brasil. São Paulo: Instituto Fernand Braudel e Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2005, 485p.

MINAYO, Maria Cecília; RAMOS, Edinilsa. (Org.). Violência sob o olhar da saúde: a infrapolítica da contemporaneidade brasileira. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2003, 284p.

LOPES, Roseli. et al. Juventude pobre, violência e cidadania. Saúde e Sociedade, v. 17, p. 63-76, 2008.

LOPES, Roseli; SILVA, Carla; MALFITANO, Ana Paula. Adolescência e juventude de grupos populares urbanos no Brasil e as políticas públicas: apontamentos históricos. Revista HISTEDBR On-line, v. 23, p. 114-130, 2006.

ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD (OMS); ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD (OPS). La salud del adolescente y el joven em las Américas. Washington, DC, 1985.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). World youth report 2005: young people today, and in 2015. United Nations Publication. October, 2005.

SANTOS, José. A violência na escola: conflitualidade e ações civilizatórias. Educação e Pesquisa. São Paulo, v.27, n.1, p.105-122. jan/jun, 2001.

SPOSITO, Marília. Um breve balanço da pesquisa sobre a violência escolar no Brasil, Educação e Pesquisa, v.27, n.1, p.87-103, jan/jun. 2001.

SENNETT, Richard. Respeito: a formação de um caráter em um mundo desigual. Rio de Janeiro: Record, 2004, 333p.

WAISELFISZ, Julio. Relatório de desenvolvimento juvenil. Brasília, DF: Rede de Informação Tecnológica Latino-Americana (RITLA), 2007, 167.

ZIBAS, Dagmar. Refundar o Ensino Médio? Alguns antecedentes e atuais desdobramentos das políticas dos anos de 1990. Educação e Sociedade. Campinas, v. 26, n. 92, p. 1067-1086. out. 2005.

Downloads

Como Citar

LOPES, R. E.; SILVA, C. R.; MOURA, B. R.; OISHI, J. Violência, escola e jovens de grupos populares urbanos: o caso de estudantes de ensino médio São Carlos/SP. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 9, n. 34, p. 73–96, 2012. DOI: 10.20396/rho.v9i34.8639580. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639580. Acesso em: 25 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos