O alargamento da escolaridade obrigatória para as meninas portuguesas (1960), uma medida legislativa envergonhada: sua representação nos jornais

Autores

  • Áurea Adão Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (Lisboa).
  • Maria José Remédios Instituto de Educação, Universidade de Lisboa.

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v9i36.8639636

Palavras-chave:

História da educação. Escolaridade feminina. Imprensa periódica

Resumo

Com a ascensão do regime do Estado Novo (1933), sustentado ideologicamente por umpensamento antiliberal, de cariz católico, a existência da mulher confunde-se com a dafamília, estando-lhe reservado o espaço doméstico. Um discurso, focalizado no elogio dadiferença, enforma a construção social da educação. A partir dos anos 40, do séc. XX, osmecanismos de resistência às transformações sociais, desencadeadas sobretudo pela 2.ªguerra mundial, tornam-se inoperantes e a política educativa terá de alterar o seudireccionamento. Em Portugal, o alargamento para quatro anos da escolaridade dasmeninas deu-se tardiamente, no ano de 1960, quando essa frequência para os rapazes era jáobrigatória desde finais de 1956 e por toda a Europa a educação da mulher ocupava umlugar importante. Tendo em atenção que a imprensa periódica foi, até à difusão alargada deoutros meios de comunicação de massas (Televisão, Internet), o principal instrumento de(in)formação da opinião pública, pretende-se aqui analisar o papel dos jornais como fontepara a história da educação, a partir do tratamento dado àquela medida governamental emartigos de opinião e notícias publicados na época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Áurea Adão, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (Lisboa).

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (Lisboa).

Maria José Remédios, Instituto de Educação, Universidade de Lisboa.

Instituto de Educação, Universidade de Lisboa.

Referências

FRANCO, J. E. (1999). Brotar educação. Lisboa: Roma Editora.

MÓNICA, M. F. (1978). Educação e sociedade no Portugal de Salazar. A escola primária salazarista. 1926-1939. Lisboa: Editorial Presença/Gabinete de Investigações Sociais.

MÓNICA, M. F. (1999). “Ensino primário”. In A. Barreto & M. F. Mónica (coord.). Dicionário de História de Portugal. (Vol. VII, pp. 636-639). Porto: Liv.a Figueirinhas.

NÓVOA, A. (1999). “Política de educação”. In A. Barreto & M. F. Mónica (coord.), Dicionário de História de Portugal. (Vol. VII, pp. 591-596). Porto: Liv.a Figueirinhas.

PERROT, M. (1998). Femmes ou les silences de l’histoire. Paris: Flammarion.

PORTUGAL, Ministério dos Negócios da Fazenda (1905). Censo da população do Reino de Portugal, no 1.o de Dezembro de 1900. (Vol. I). Lisboa: Imprensa Nacional.

PORTUGAL, Direcção Geral de Estatística (1934). Censo da população. Dezembro de 1930. 7.o Recenseamento geral da população. (Vol. II). Lisboa: Imprensa Nacional.

PORTUGAL, Instituto Nacional de Estatística (1952). IX Recenseamento geral da população no Continente e Ilhas Adjacentes em 15 de Dezembro de 1950. (Tomo II). Lisboa: Tipografia Portuguesa.

ROSAS, F. (1992). “As grandes linhas da evolução institucional”. In J. Serrão & A. Oliveira Marques (dir.). Nova história de Portugal. (Vol. XII, pp. 86-143). Lisboa: Editorial Presença.

TEODORO, A. (2001). A construção política da Educação. Estado, mudança social e políticas educativas no Portugal contemporâneo. Porto: Edições Afrontamento.

Downloads

Como Citar

ADÃO, Áurea; REMÉDIOS, M. J. O alargamento da escolaridade obrigatória para as meninas portuguesas (1960), uma medida legislativa envergonhada: sua representação nos jornais. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 9, n. 36, p. 3–13, 2012. DOI: 10.20396/rho.v9i36.8639636. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639636. Acesso em: 27 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos