Medidas higienistas adotadas no Patronato Agrícola Visconde da Graça (1923-34) - Pelotas/RS

  • Magda de Abreu Vicente UFPel
  • Giana Lange do Amaral UFPel
Palavras-chave: Instituição Escolar. Órfãos. Higiene e Patronato

Resumo

Esta pesquisa foi desenvolvida como parte de trabalho de mestrado junto ao Programa dePós-Graduação da Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Educação. Tem comoobjetivo analisar as normas higiênicas no Patronato Agrícola Visconde da Graça, noperíodo de 1923 até 1934, na cidade de Pelotas-RS e entender o enquadramento dasdiscussões higiênicas em voga no Brasil, a partir das notícias vinculadas no jornal DiárioPopular e das fichas dos alunos desta instituição. O texto, inicialmente, esboça asdiscussões brasileiras que elaboram o discurso higienista. Usa, para tal, referênciasbibliográficas que buscaram explicitar esta questão. Posteriormente, adentramos nestadiscussão em parâmetros locais, especificamente na cidade de Pelotas, através das notíciaspublicadas no jornal pelotense Diário Popular e também através de alguns pesquisadoresque aqui buscam entender as questões referentes às normas de higiene na cidade e naescola. Ao mesmo tempo analisamos como estas questões eram abordadas dentro doPatronato, através dos registros anotados nas fichas dos alunos que ali estiveram noperíodo estudado, pesquisadas no Acervo Escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Magda de Abreu Vicente, UFPel
Membro do grupo de pesquisa do CEIHE (Centro de Estudos e Investigação em História da Educação) da Fae/UFPel.
Giana Lange do Amaral, UFPel
Professora associada da Universidade Federal de Pelotas.

Referências

CONCEIÇÃO, Joaquim Tavares da. A pedagogia de internar: uma abordagem das práticas culturais do internato da Escola Agrotécnica Federal de São Cristóvão-SE (1934-1967). Dissertação de mestrado defendida na Universidade Federal de Sergipe no ano de 2007.

COSTA, N.R. Estado, Educação e Saúde: a higiene da vida cotidiana. Caderno do Cedes, n. 4. São Paulo: Ed. Cortez, 1984.

DIÁRIO POPULAR, 1923.

ELIAS, N. O processo civilizador. Vol. 1: Uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994. 2 v.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: Nascimento da Prisão. 20 ed. Petrópolis. Ed.Vozes: 1999.

FLECK, E.C.D. & KORNDORFER A.P. Infância, Violência Urbana e Saúde Pública. In: GOLIN, T. & BOEIRA, N. (Orgs.). Coleção História Geral do Rio Grande do Sul. República Velha (1889-1930). Passo Fundo: Méritos, 2007. vol. 3 t.2.

GILL, L. A. O Mal do Século: Tuberculose, Tuberculosos e Políticas de Saúde em Pelotas (RS) 1890-1930. Educat, 2007.

GONDRA, J.G. Medicina, Higiene e Educação Escolar. In: LOPES, E.M.T. et. al. 500 anos de educação no Brasil. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

JANTZEN, S. A. D. A ilustre pelotense: Tradição e Modernidade em Conflito. Um Estudo Histórico da Universidade Federal de Pelotas e suas tentativas de racionalização. Dissertação de Mestrado defendida na UFRGS, 1990.

NAGLE, J. Educação e Sociedade na primeira República. 2 ed. Ed. DP&A, 2001.

PAIVA, V. P. Educação Popular e Educação de Adultos: contribuição à história da educação brasileira. São Paulo: Ed. Loyola, 1973.

SANTOS, N. M. W. Práticas de Saúde, Práticas de Vida. In: GOLIN, T. & BOEIRA, N. (Orgs.). Coleção História Geral do Rio Grande do Sul. República Velha (1889-1930). Passo Fundo: Méritos, 2007. vol. 3 t. 2.

STEPHANOU, M. Discursos médicos e a educação sanitária na escola brasileira. In: STEPHANOU, M. & BASTOS, M.H.C. (Orgs.). Histórias e memórias da educação no Brasil, Vol. III: século XX. Petrópolis: Vozes: 2005, p. 142-164.

Como Citar
Vicente, M. de A., & Amaral, G. L. do. (1). Medidas higienistas adotadas no Patronato Agrícola Visconde da Graça (1923-34) - Pelotas/RS. Revista HISTEDBR On-Line, 10(37), 123-133. https://doi.org/10.20396/rho.v10i37.8639669
Seção
Artigos