Banner Portal
Colégio Gonzaga: pioneiro e difusor do ensino católico na cidade de Pelotas
PDF

Palavras-chave

Instituição educacional. Educação católica. Projeto pedagógico lassalista

Como Citar

AMARAL, Giana Lange do. Colégio Gonzaga: pioneiro e difusor do ensino católico na cidade de Pelotas. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 37, p. 151–168, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i37.8639671. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639671. Acesso em: 15 jun. 2024.

Resumo

Este texto apresenta aspectos da história do Colégio Gonzaga, criado pelos jesuítas, em1894, como Escola São Luís Gonzaga, e que foi a primeira instituição católica de ensinoprimário e secundário da cidade de Pelotas. O Gonzaga foi, em diferentes épocas, umimportante instrumento na disseminação da ideologia católica junto a meninos e rapazes.Sua ação educacional e evangelizadora deu-se inicialmente pela ação dos jesuítas eposteriormente, pelos lassalistas com importante atuação das associações religiosas que alise formavam. O sistema de ensino pautado pelos princípios da disciplina, da obediência, dorespeito e dos bons exemplos, tendo por base a inculcação moral e religiosa, visava àformação de alunos dóceis, obedientes, mas ao mesmo tempo preparados para ocuparemfuturamente posições e responsabilidades de mando. Era uma escola destinada àqueles quepodiam pagar e que se sujeitavam às suas regras bem definidas.
https://doi.org/10.20396/rho.v10i37.8639671
PDF

Referências

AMARAL, Giana Lange do. O Gymnasio Pelotense e a Maçonaria: uma face da história da educação em Pelotas. Pelotas: Seiva Publicações, 1999. (Série História da Educação em Pelotas, no 1).

AZZI, Riolando. História da educação católica no Brasil. Contribuição dos Irmãos maristas: 1887-1987. São Paulo, Simar, 1997.

BOURDIEU, Pierre. Economia das trocas simbólicas. 3a ed. São Paulo: Perspectiva, 1992.

CAMPAGNONI, Ivo Carlos. História dos Irmãos lassalistas no Brasil. Canoas: Editora La Salle, 1980.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

CHARTIER, Roger. Textos, impressão e leitura. In: HUNT, Lynn. A nova história cultural. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

CHARTIER, Roger. História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.

CORSETTI, Berenice. Controle e ufanismo – A escola pública no Rio Grande do Sul (1889/1930). In: História da Educação/ASPHE. FaE/UFPel. No 4, set.1998. Pelotas. Ed. da UFPel.

DALLABRIDA, Norberto. A fabricação das elites: o Ginásio Catarinense na primeira república. Florianópolis: cidade Futura, 2001.

DE CERTEAU, Michel. A operação histórica. In: Lê GOFF e NORA, Pierre (Orgs.). História: novos problemas. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1995b.

FERREIRA, Marieta e AMADO, Janaína (Coord.). Usos e abusos da história Oral. Rio de Janeiro: Ed. da Fundação Getúlio Vargas, 1998.

FRAGO, Antonio Viñao Del espacio escolar y la escuela como lugar: propuestas y cuestiones. Historia de la Educación, v. 13-14, p. 17-74, 1993-1994.

FRAGO, Antonio Viñao, ESCOLANO, Augustin. Currículo, Espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. Rio de Janeiro: DP&A, 1998.

FRANCA, Leonel, S.J. O método pedagógico dos jesuítas – o “Ratio Studiorum”: introdução e tradução. Rio de Janeiro:.Livraria Agir Editora, 1952.

GIOLO, Jaime. Estado, Igreja e Educação no RS da Primeira República. São Paulo: USP, 1997. Tese de Doutorado em História e Filosofia da Educação – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Ed: Vértice, 1990.

HENGEMÜLE, Edgard, fsc. La Salle, uma leitura de leituras: o padroeiro dos professores na história da educação. Centro Universitário La Salle, 2000.

JUSTO, Henrique. La Salle, Patrono do Magistério – Vida, bibliografia, pensamento, obra pedagógica. 4a ed, 1991.

LE GOFF, Jacques. A História Nova. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. 4a ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1996.

LEMBRANÇAS DO GINÁSIO GONZAGA – 1910 A 1940.

LOCHER, Gustavo. Vade Mecum Philosophico. São Paulo, Typographia Brazil de Carlos Gerke, 1898.

MAIA, Pedro. Ratio Studiorum - Método Pedagógico dos Jesuítas. São Paulo, Loyola, 1986.

MAGALHÃES, Justino. Contributo para a História das Instituições Educativas - entre a Memória e o Arquivo. Universidade do Minho (mimeo), 1996.

MAGALHÃES, JUSTINO. A história das instituições educacionais em perspectiva. In: GATTI JR, Décio; INÁCIO FILHO, Geraldo. História da Educação em Perspectiva: ensino, pesquisa, produção e novas investigações. Campinas, SP: Ed. Autores Associados, Uberlândia, EDUFU, 2005. p. 91 a 103.

NAGLE, Jorge. Educação e sociedade na primeira república. São Paulo, EPU. Ed. Da Universidade de São Paulo, 1974.

NÓVOA, António (org.). As Organizações Escolares em Análise. 2oed. Lisboa, Portugal: Publicações Dom Quixote, 1995.

PARMAGNANI, Irm. Jacob José, RUEDELL, Otto. Memorial do Colégio Gonzaga - Cem anos de Educação. Porto Alegre: Gráfica Editora Pallotti, 1995.

ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação no Brasil (1930/1973). 18oed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes Ltda, 1996.

SAVIANI, Dermeval; LOMBARDI, José Claudinei; SANFELICE, José Luís (Orgs.). História e História da Educação: o debate teórico-metodológico. Campinas, SP: Autores Associados: HISTEDBR, 1998. (Coleção Educação Contenporânea).

SAVIANI, Dermeval. História da idéias pedagógicas no Brasil.Campinas, SP: Autores Associados, 2007.

TAMBARA, Elomar. Positivismo e Educação - Educação no Rio grande do Sul sob o Castilhismo. Pelotas, RS: Ed. Universitária, UFPel, 1995

VEIGA, Cyntia Greive. História da Educação. São Paulo: Ática, 2007

WERLE, Flávia . História das instituições escolares: de que se fala?. In: LOMBARDI, C.;NASCIMENTO, M. (orgs.). Fontes, história e historiografia da educação. Campinas, SP: HISTEDBR, PUCPR, UNICS, UEPG, 2004. p. 13 a 35.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.