Ser professora: um estilo de vida pontuado pela formação

Autores

  • Rosimar Serena Esquisani Universidade de Passo Fundo
  • Flávia Obino Corrêa Werle UNISINOS

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v10i38.8639693

Palavras-chave:

Habitus. Estilo de vida. Professora. Formação inicial

Resumo

O trabalho discute o habitus como conceito apto a explicar o estilo de vida que assinala o‘ser professora’. Para tanto, lança mão de registros orais elaborados a partir de entrevistascom egressas da Escola Complementar. Por meio da identidade tecida na formação inicialdestas ex-complementaristas, as mesmas internalizaram comportamentos próprios a umestilo de vida que supunham adequado ao exercício profissional, condicionando seusmodos e hábitos pessoais à docência. Nesta direção, o texto procura agregar contribuiçõespara o entendimento desse estilo de vida, no momento em que reafirma o conceito dehabitus, como capaz de responder à especificidade da formação da identidade grupal dossujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosimar Serena Esquisani, Universidade de Passo Fundo

Professora Titular I da Universidade de Passo Fundo, atuando no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Passo Fundo.

Flávia Obino Corrêa Werle, UNISINOS

Professor titular da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, atuando no Programa de Pós-Graduação em Educação, orientadora de doutorado e exercendo a coordenação do Mestrado Profissional em Gestão Educacional.

Referências

BOURDIEU, Pierre. O Desencantamento do Mundo: estruturas econômicas e estruturas temporais. São. Ed. Perspectiva: São Paulo, 1979. 135p.

BOURDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

BOURDIEU, Pierre. Sobre o poder simbólico. In: BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: DIFEL, 1989. p. 7-15.

BOURDIEU, Pierre. Esboço de uma teoria da prática. In Renato Ortiz (Org.), Pierre Bourdieu. São Paulo: Ática, 1994, p.46-81.

BOURDIEU, Pierre. Razões Práticas – Sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996. 231p.

BOURDIEU, Pierre. Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 1998. 251p.

ESCOLANO, Augustín. Arquitetura como programa. Espaço-escola e currículo. In: VIÑAO FRAGO, Antônio; ESCOLANO, Augustín. Currículo, espaço e subjetividade. Rio de Janeiro: DP&A, 1998. 151p.

FOUCAULT, Michel. Sobre a história da sexualidade. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2000. 295p.

JEDLOWSKI, Paolo. Memória e a mídia: uma perspectiva sociológica. In: SÁ, C.P. (Org.) Imaginário e representações sociais. Rio de Janeiro: Museu da República, 2005. p. 87-98.

LAHIRE, Bernard. Homem Plural. Os determinantes da ação. Trad. Jaime A. Clasen. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

NORA, Pierre. 1993. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Revista Projeto História. São Paulo, no. 10, p. 7-28. dez. 1993.

NOGUEIRA, Maria Alice; NOGUEIRA, Cláudio M. Martins. Bourdieu e a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. 128p.

OLIVEIRA, Valeska Fortes de. A formação de professores revisita os repertórios guardados na memória. In: OLIVEIRA, Valeska Fortes de (Org.). Imagens de professor – significações do trabalho docente. 2. ed. Ijuí: UNIJUÍ, 2004. p.11-23.

ORTIZ, Renato. Introdução. In: ORTIZ, Renato (Org.). Pierre Bourdieu/ Sociologia. Trad. Paula Monteiro. 2.ed. São Paulo: Ática, 1994, p.14-25. (Coleção Grandes Cientistas Sociais).

WERLE, Flávia Obino Corrêa. Práticas de gestão e feminização do magistério. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, v. 35, n. 126, p.609-634, set./dez. 2005.

Downloads

Como Citar

ESQUISANI, R. S.; WERLE, F. O. C. Ser professora: um estilo de vida pontuado pela formação. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 38, p. 104–115, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i38.8639693. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639693. Acesso em: 2 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos