História e cultura afro-brasileira e indígena nas escolas: uma reflexão necessária

Autores

  • Anselmo Alencar Colares UFOPA
  • Marco Antonio de Oliveira Gomes UNIR
  • Maria Lília Imbiriba Sousa Colares UFOPA

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v10i38.8639699

Palavras-chave:

Educação Escolar. Diversidade cultural. Exclusão. Inclusão

Resumo

Diante da vigência da Lei 11.645/08 que prevê a obrigatoriedade da temática “História eCultura Afro-Brasileira e Indígena” nas escolas, acreditamos que se faz necessário areflexão permanente sobre seus propósitos, alcances e limites, especialmente levando-seem conta a forma como as temáticas abrangidas pela Lei são contempladas nos currículosdos cursos que formam os professores incumbidos de aplicá-la. Dessa forma, aoescrevermos este artigo objetivamos analisar historicamente o sentido da inclusão dessatemática nas salas de aula, em uma sociedade na qual os segmentos economicamentedominantes naturalizam as diferenças entre as classes sociais. Sendo a educação escolarum reflexo, em última instância, das correlações de forças existentes em uma dadasociedade, ela própria reflete os valores dominantes, bem como as suas contradições. Daíporque, pode servir tanto para a legitimidade das diferenças quanto para odesenvolvimento de propostas com vistas a superação dos mecanismos opressores quegeram as desigualdades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anselmo Alencar Colares, UFOPA

Professor efetivo da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), na categoria Associado II.

Marco Antonio de Oliveira Gomes, UNIR

Professor adjunto da Universidade Estadual de Maringá, lotado no Departamento de Fundamentos da Educação. Participa do Grupo de Pesquisas em Fundamentos Histórico-Filosóficos da Educação - UFSC/CNPq.

Maria Lília Imbiriba Sousa Colares, UFOPA

Professora Associada da Universidade Federal do Oeste do Pará/UFOPA. 

Referências

ANTONIL, André João. Cultura e Opulência do Brasil por suas drogas e minas. São Paulo: Edusp, 2007.

BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

DIAS, Romualdo. Imagens da ordem – a doutrina católica sobre autoridade no Brasil (1992-1933). São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1996.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 24. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. 6. ed., Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1988.

GRAMSCI, Antonio. Maquiavel, a política e o Estado moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1988.

IANNI, Octavio. O colapso do populismo no Brasil. 4.ed., Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1988.

IANNI, Octavio. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchausen. 5 ed. São Paulo: Cortez, 1994

JAPIASSÚ, Hilton. MARCONDES, Danilo. Dicionário básico de filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 1996.

MARX, Karl, ENGELS, Friedrich. Manifesto do partido comunista. São Paulo: Cortez, 1998.

MELLO, Leonel Itaussu Almeida. John Locke e o individualismo liberal. In: WEFFORT, Francisco C. Os clássicos da política. vol. I São Paulo: Ática, 1999.

MACHADO, Lucília R. de Souza. Politecnia, escola unitária e trabalho. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1989.

MATOS, Olgária. Discretas esperanças: reflexões filosóficas sobre o mundo contemporâneo. São Paulo: Nova Alexandria, 2006.

MÉSZÁROS, István. O século XXI: socialismo ou barbárie? São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.

MÉSZÁROS, István. O poder da ideologia. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo Editorial, 2005.

NAGLE, Jorge. Educação e sociedade na primeira República. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 1974.

PAIVA, José Maria de. Colonização e catequese, 1549-1600. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1982.

SALVADOR, Frei Vicente do. História do Brasil (1500-1627). 6. ed. São Paulo: Companhia Melhoramentos; Instituto Nacional do Livro, 1975, p. 82.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados, 2003.

SILVA, Tomaz Tadeu. da. (org.). A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu. da. (org.). Identidade e diferença : a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000. cap. 2, p. 73 -102. Sem fé, lei ou rei, Veja, 28 de abril de 2004.

TEIXEIRA, A.S. O Manifesto dos Pioneiros da educação nova. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos,1984, 65(150):407-425.

TEIXEIRA, A.S. Educação no Brasil. Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 1999.

TEIXEIRA, Anísio. Educação não é privilégio. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1999.

WOOD, Ellen Meiksins. O que é agenda pós-moderna? In: WOOD, Ellen Meiksins; FOSTER, John Bellamy (orgs.). Em defesa da história: Marxismo e pós-modernismo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

Downloads

Como Citar

COLARES, A. A.; GOMES, M. A. de O.; COLARES, M. L. I. S. História e cultura afro-brasileira e indígena nas escolas: uma reflexão necessária. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 38, p. 197–213, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i38.8639699. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639699. Acesso em: 27 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>