A educação de jovens e adultos e o analfabetismo na velhice: Os idosos e a exclusão educacional

Autores

  • Marcos Augusto de Castro Peres Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v10i38.8639701

Palavras-chave:

Velhice. Educação. Educação de jovens e adultos. Política educacional

Resumo

Este artigo pretende analisar a relação entre velhice e educação nos programas de educaçãode jovens e adultos (EJA), levando em conta, essencialmente, duas teses: a da exclusão davelhice do projeto educacional brasileiro, e a da funcionalidade do sistema educacional aosistema produtivo, que é verificada na sociedade capitalista. Nesta relação, serãoconsideradas, especificamente, três problemáticas principais de análise: 1) o caráterhomogêneo das práticas educacionais verificadas nos programas de EJA, que atendem aum público heterogêneo quanto à faixa etária; 2) a inexistência de uma política educacionalespecífica para a velhice no Brasil e 3) a não-contemplação, em leis como a LDB e oEstatuto do Idoso, do analfabetismo como um problema social que afeta sobretudo osidosos. Tais problemáticas revelam, em essência, o descaso do Estado brasileiro para coma “questão social da velhice”, no que se refere ao direito à educação, que é (ou deveria ser)universal e não restrito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Augusto de Castro Peres, Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC

Professor Adjunto do Departamento de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC, campus de Ilhéus/BA

Referências

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos de Estado. Rio de Janeiro: Graal, 1992.

ARANHA, Maria. Filosofia da educação. São Paulo: Moderna, 2006.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Guanabara, 1981.

ARROYO, Miguel. Educação básica, profissional e sindical: um direito do trabalhador, um desafio para os sindicatos. In: Educação de jovens e adultos: relatos de uma nova prática. Belo Horizonte: Secretaria Municipal de Educação, 1996.

BEAUVOIR, Simone. A velhice. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

CACHIONI, Meire. Universidades da terceira idade: das origens à experiência brasileira. In: Velhice e sociedade, DEBERT & NERI (orgs.). Campinas/SP: Papirus, 1999.

CACHIONI, Meire. Quem educa os idosos?: um estudo sobre professores de universidades da terceira idade. Campinas/SP: Alínea, 2003.

BRASIL.Constituição (1988). Constituição da Republica Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

DIAS, Edmundo. A liberdade (im)possível na ordem do capital: reestruturação produtiva e passivização. Textos Didáticos IFCH-UNICAMP, n. 29, 1999.

DUBAR, Claude. La socialisation: construction des identites sociales et professionnalles. Paris: A. Colin, 1995.

Estatuto do Idoso – Lei n. 10.741/03. Edição Especial da Câmara Municipal de Campinas/SP, 2004.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva. São Paulo: Cortez, 1984.

Fundação Perseu Abramo. Idosos no Brasil: vivências, desafios e expectativas na 3a idade. Resultado da pesquisa publicado em 07/05/2007.

GADOTTI, Moacir. Perspectivas atuais do educador. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 2008.

IANNI, Octávio. A ditadura do grande capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.

IBGE. Censo 2000. Nível educacional concluído por faixa etária. Disponível em www.ibge.gov.br.

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) – Lei n. 9394, de 1996.

MARX, Karl. O capital. Vol 1. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

MORAES, Carmen. Diagnóstico da formação profissional – Ramo metalúrgico. São Paulo: Artchip, 1999, p. 15-27.

PAIVA, Vanilda. História da educação popular no Brasil. São Paulo: Loyola, 2003.

PERES, Marcos. A educação de jovens e adultos e o analfabetismo entre idosos no semi-árido nordestino: velhice e exclusão educacional no campo. In: Verinotio – Revista de Educação e Ciências Humanas, n. 10, ano V, out./2009.

PERES, Marcos. A andragogia no limiar da relação entre velhice, trabalho e educação. Revista História, Sociedade e Educação no Brasil (HISTEDBR), da Faculdade de Educação da Unicamp, n. 20, pp. 20-27, dez./2005.

PINTO, Álvaro. Sete lições sobre educação de adultos. São Paulo: Cortez, 2005.

RAMOS, Marise. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez, 2001.

Secretaria Municipal de Educação de São Paulo: Reorganização da EJA: Educação de Jovens e Adultos, 2008.

VENÂNCIO, João. A educação de jovens e adultos na primeira etapa do ensino fundamental no município do Marília/SP. In: Revista Científica Eletrônica de Pedagogia, da Faculdade de Ciências Humanas de Garça, ano V, n. 10, jul./2007.

VIEIRA, Evaldo. Estado e miséria social no Brasil: de Getúlio a Geisel. São Paulo: Cortez, 1987.

Downloads

Como Citar

PERES, M. A. de C. A educação de jovens e adultos e o analfabetismo na velhice: Os idosos e a exclusão educacional. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 38, p. 225–236, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i38.8639701. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639701. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos