Globalização, trabalho e docência: constatações e possibilidades

Autores

  • Afonso Celso Scocuglia (UFPB/CNPq)

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v10i38e.8639757

Palavras-chave:

Globalização. Precarização do trabalho. Protagonismo social. Reinvenção docente. História como possibilidade e consciência crítica

Resumo

Este artigo analisa alguns impactos da globalização hegemônica no mundo do trabalho e daidentidade docentes, tomando o caso brasileiro como referência. Buscamos compreender ocenário da precarização do trabalho, as identidades dilaceradas dos trabalhadores, aspossíveis alternativas destes processos e os novos protagonistas da sociedade civil. Nessecenário, as possibilidades de reinvenções do trabalho e da identidade docentes constituemnossos focos. Dividimos nossa argumentação em partes ligadas que se retro-alimentam. Naprimeira parte, argumentamos sobre a precarização do trabalho no contexto neoliberal eglobalizado, procurando alternativas deste quadro por meio do cooperativismo e dosdiversos protagonismos da sociedade civil. Na segunda parte, tentamos visualizar osrebatimentos desse contexto na precarização e na identidade do trabalho docente, bemcomo as possíveis reinvenções das práticas pedagógicas dos/as professores/as. Nasconsiderações finais, afirmamos os caminhos complexus da reconstrução da identidadeeducativa e docente, utilizando a conceituação sobre a ação dialógica, a consciência crítica,sobre a história como possibilidade de atuação do/a educador/a enquanto trabalhador eintelectual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Afonso Celso Scocuglia, (UFPB/CNPq)

Professor Titular da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Referências

ANTUNES, R. (1995). Adeus ao trabalho? São Paulo: Cortez.

ANTUNES, R. (1999). Os sentidos do trabalho. São Paulo: Boitempo.

ANTUNES, R. e ALVES, G. (2004). As mutações no mundo do trabalho na era da mundialização do capital. IN: Revista Educação e Sociedade, vol.25, No. 87, p.335-351.

AZEVEDO, J. M. L. de. (2002). Implicações da nova lógica de ação do Estado para a educação municipal. IN: Revista Educação e Sociedade, vol.23, no. 80, p.49-71.

BORDIEU, P. e CHAMPAGNE, P. (1999). Os excluídos do interior IN: CATANI, A. e

NOGUEIRA (org.). Pierre Bourdieu – Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, pp. 217-227.

CATANI, A.; DOURADO, L.F.; OLIVEIRA, J.F. (2002). A política de avaliação da educação superior no Brasil em questão. IN: DIAS SOBRINHO, J.; RISTOFF, D.I. (org.). Avaliação democrática para uma universidade cidadã. Florianópolis: Insular, pp. 99-118.

DALE, R. (2004). Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”? IN: Revista Educação e Sociedade. Campinas, vol. 25, no. 87, p.423-460.

DELORS, J. (2000). Educação – um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez/UNESCO.

DOURADO, L. F. (2002). Reforma do Estado e as políticas para a educação superior no Brasil nos anos 90. Revista Educação e Sociedade, vol.23, No. 80, p.234-252.

FREIRE, P. (1980). Cartas à Guiné-Bissau. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FREIRE, P. (1984a). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FREIRE, P. (1992). Pedagogia da esperança. São Paulo: Cortez.

FREIRE, P. (1993). Política e educação. São Paulo: Cortez.

FREIRE, P. (1996). Pedagogia da autonomia. São Paulo: Cortez.

FREIRE, P. et al. (1982). Sobre Educação (Vol. I). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FREIRE, P. et al. (1985). Por uma pedagogia da pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

GOHN, M. da G. (2005). O protagonismo da sociedade civil – ONGs, movimentos sociais e redes solidárias. São Paulo: Cortez.

HIRATA, H. (2002). Nova divisão sexual do trabalho? São Paulo: Boitempo.

MEC/SEMTEC (2002). Parâmetros curriculares nacionais – ensino médio. Brasília: MEC.

MORAES, R. C. (2002). Reformas neoliberais e políticas públicas: hegemonia ideológica e redefinição das relações Estado-sociedade. Revista Educação e Sociedade, vol.23, No. 80, p.13-24.

MORIN, E. (1998). O Método – As idéias. Porto Alegre: Sulina.

NÓVOA, A. (1999). Os professores na virada do milênio: excesso de discursos à pobreza das práticas. IN: Revista Educação e Pesquisa, Vol. 25, No. 1, p.11-20.

OLIVEIRA, D. A. de (2004). A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. IN: Revista Educação e Sociedade, vol.25, No. 89, p.1127-1144.

RODRIGUES, R. L. (2002). Sociologia das profissões. Oeiras: Portugal, Celta.

SANTOS, B. S. (2002). As tensões da modernidade. IN: www.dhnet.org.br/direitos/militantes/boaventura/boaventura4.html.

SANTOS, B. S. (2004). Entrevista IN: www.ces.fe.uc.pt/BSS/documentos/JornalOGLOBNov2004.pdf.

SCHNEIDER, J. O. (2002). Globalização, desenvolvimento local sustentável e cooperativismo. São Leopoldo: PPGCS/Unisinos (www.unisinos.br).

SCOCUGLIA, A. C. (2003). A história das idéias de Paulo Freire e a atual crise de paradigmas. João Pessoa: Editora Universitária – UFPB (4a edição).

SCOCUGLIA. A. C. (2005a). Paulo Freire e a conscientização na transição pós-moderna, IN: Revista Educação, Sociedades e Culturas, No. 23, (Porto: Portugal).

SCOCUGLIA, A. C. (2005b). As reflexões curriculares de Paulo Freire. IN: Revista Lusófona de Educação, No. 6 (Lisboa: Portugal).

SCOCUGLIA, A. C. (2008). Globalizações, política educacional e pedagogia contra-hegemônica, IN: Revista Iberoamericana de Educación, v. 48, p. 9-25 (Montividéo: Uruguai).

SILVA JUNIOR, J. dos R. (2002). Mudanças estruturais no capitalismo e a política educacional do Governo FHC: o caso do ensino médio. IN: Revista Educação e Sociedade, vol.23, no. 80, p.201-233.

Downloads

Como Citar

SCOCUGLIA, A. C. Globalização, trabalho e docência: constatações e possibilidades. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 38e, p. 175–190, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i38e.8639757. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639757. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos