A alfabetização nos manuais didáticos: o estado da arte

  • Enilda Fernandes Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
  • Iara Augusta da Silva Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Alfabetização. Manuais escolares. Escola Normal de São Paulo

Resumo

O presente trabalho compõe pesquisa em andamento, “A Alfabetização nos ManuaisDidáticos Utilizados na Escola Normal de São Paulo para a Instrução dos Normalistas(1909-1945)”. A temática e o método vinculam-se a uma pesquisa interinstitucional, “OManual Didático como instrumento de trabalho nas escolas secundária e normal (1835-1945)”, financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico(CNPq) e coordenado pela professora, Drª. Sílvia Helena Andrade de Brito, cujos membrosestão vinculados ao HISTEDBR, da unidade regional de Mato Grosso do Sul. Escolheu-secomo marco inicial da pesquisa o ano de 1909, em razão de que nesse momento o ensinonormal paulista apresentou uma expansão geográfica significativa, bem como sofreumodificações nos currículos, com especialização de matérias. Como marco final elegeu-seo ano de 1945, dadas as exigências históricas, dentro das quais se delinearam as reformaseducacionais e os Decretos-Lei (Leis Orgânicas do Ensino), que balizaram as novasdisposições e organização escolar, no governo Vargas. A escolha da Escola Normal de SãoPaulo como locus da pesquisa decorreu da sua condição de forma mais desenvolvida dessamodalidade de ensino, no período republicano e por ser o espaço onde se consolidou omodelo de ensino público elementar e normal. Trata-se de uma pesquisa que tem comoobjetivo apreender os manuais na condição de instrumentos didáticos, com foco naalfabetização. Para fins desta fase da pesquisa, buscou-se levantar o estado da arte sobremanuais didáticos voltados à alfabetização, o qual compõe os seguintes trabalhos: estudoanalítico de teses e dissertações que investigam a alfabetização, análises de cartilhas eanálise de manuais pedagógicos na alfabetização. Assim, o estado da arte apontou aspectosque não foram explorados nessas pesquisas, e que se encontram ainda em aberto paraanálise. Trata-se da ausência de pesquisas focadas na dimensão histórica e na função queos manuais didáticos cumpriram na formação dos professores alfabetizadores. Assim,busca-se aqui abordar a pesquisa em uma perspectiva histórica, como forma de criarcondições para questionar esse instrumento e entender os seus limites para a educação naescola contemporânea.

Biografia do Autor

Enilda Fernandes, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Professora titular da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, desde abril de 2001. Experiência na área de Educação, com ênfase em Tecnologias e Educação. Coordenou o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Fundamentos da Educação (2003-2006). Chefe do Núcleo de Educação e Tecnologia (2006-2007).
Iara Augusta da Silva, Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso do Sul
Docente sênior do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu - Mestrado Profissional em Educação, da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (Unidade Universitária de Campo Grande). 

Referências

ALMEIDA, Jane Soares de. Currículos da escola normal paulista (1846-1920): revendo uma trajetória. [On Line], R. Brás. Estudos Pedag.; Brasília v. 76, no 184, p. 665-689, set/dez 1995.

ALVES, Gilberto Luiz. O trabalho didático na escola moderna: formas históricas, Campinas, SP: Autores Associados, 2005. (Coleção Educação Contemporânea).

BRASIL. Decreto n o 1.131 – A de 17 de Fevereiro de 1854. Tomo 17, Parte 2a, Secção 12a. [On Line]. Aprova o regulamento para a reforma do ensino primário e secundário no município da Côrte.

BOTO, Carlota. A arte de tornar ciência o ofício de ensinar: compêndios pedagógicos de Augusto Coelho. ANPED, 30a Reunião Anual/2007, GT 02. Disponível em http://www.anped.org.br. Acesso em 10/junho/2009.

BRITO, Silvia Helena Andrade de. A Educação no Projeto Nacionalista do Primeiro Governo Vargas (1930-1945). Navegando na História da Educação Brasileira, HISTEDR (1986-2006), Faculdade de Educação, UNICAMP. Disponível em http://www.histedbr.fae.unicamp.br/navegando/artigos_frames/artigo_101.html. Acesso em 13/04/2010.

COLLARES, Solange Aparecida Oliveira de. História da Cartilha Progressiva (1907) nas Escolas do Estado do Paraná. Dissertação de Mestrado – Universidade Estadual de Ponta Grossa – UEPG – Faculdade de Educação, 2008.

COMÊNIO, João Amós. Didática Magna: Tratado da Arte de Ensinar Tudo a Todos. Introdução, tradução e notas, Gomes, Joaquim Ferreira, 4a edição, Fundação Calouste Gulbenkian. Texto latino, tomo I das Opera Didactica (VER) Omnia, edição da Academia Scientiarum Bohemoslovenica, Praga,1996.

COMTE, Auguste. Discurso preliminar sobre o conjunto do positivismo. São Paulo: Nova Cultural, 1996. (Série os Pensadores).

CORREIA, Antonio Carlos da Luz e SILVA, Vivian Batista da. Uma história de leitura para professores, manuais pedagógicos, formação docente e construção de identidades profissionais em Portugal e no Brasil (1970-1970). [On Line], extraído em 02 de abril de 2009. http://www.alb.com.br/anais14/Cohilile/H011.doc.

Escola normal no Estado de São Paulo: de seus primórdios até 1930. In: REIS, Maria Candido Delgado (Org.). Caetano de Campos: fragmentos da história da instrução pública no Estado de São Paulo. Acesso em 10 de Abril de 2010, disponível em: www.histedbr.fae.unicamp.br/navegando/fontes_escritas/3_Imperio/1846_escola_normal

FERREIRA, António Gomes e FELGUEIRAS, Margarida Loureiro. Livros para o ensino primário: a relevância das primeiras leituras. O manual escolar como fonte historiográfica. In: Manuais escolares da Biblioteca Pública Municipal do Porto. Universidade do Porto. Catálogo da exposição na B.P.M.P., VII Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação, Cultura escolar, Migrações e Cidadania, jul/2008.

FRADE, Isabel Cristina Alves da Silva e MACIEL, Francisca Isabel Pereira. A história da alfabetização nas cartilhas escolares: práticas pedagógicas, produção e circulação em Minas Gerais (1834-1997). [On Line], Centro de Alfabetização de Leitura e Escrita – CEALE.

KULESZA, Wojciech Andrzej. Manuais pedagógicos e formação docente no Brasil (1880-1940). VII Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação/2008. Disponível em http://www.web.letras.up.pt. Acesso em 12/outubro/2009.

LIMEIRA, Aline de Morais e SHUELER, Alessandra F. Martinez de. Ensino particular e controle estatal: a reforma de Couto Ferraz (1854) e a regulação das escolas privadas na Corte Imperial. [On Line] Revista HISTEDBR, Campinas no 32, p. 48-64, dez/2008, ISBN 1676-2584.

MARX, Karl. & ENGELS, F. A Ideologia Alemã: Feuerbah. 5. ed. São Paulo: HUCITEC, 1986.

MARX, Karl. Para a crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1982. (Série Os Economistas).

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro1, volume I. Rio de Janeiro: Bertrand, 1989.

MONARCHA, Carlos. Escola Normal da Praça: o lado noturno das luzes. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1999. (Coleção Momento).

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Os sentidos da alfabetização: São Paulo 1876-1994. São Paulo: Editora UNESP: CONPED, 2000. (Encyclopaidéia). Museu da Estação da Luz. Corpus Internacional da Língua Portuguesa. João de Barros. http://200.150.149.165:9081/wps/portal/DocumentosBrasileiros.

PERES, Eliane. Autoras de obras didáticas e livros para o ensino da leitura produzidos no Rio Grande do Sul: contribuições históricas da alfabetização (1950-1970). Educação Unisinos, 12 (2):111-121, maio/agosto 2008.

PRIMITIVO, Moacyr. A Instrução e o Império: Subsídios para a História da Educação no Brasil (1823-1853). 1o Volume, Companhia Editora Nacional, São Paulo, 1936.

RATKE, Wolfgang. Escritos sobre A nova Arte de Ensinar de Wolfgan Ratke (1571-1635): textos escolhidos. Apresentação, tradução e notas de Sandino Holf. Campinas, SP: Autores Associados, 2008. (Coleção Clássicos da Educação).

REIS FILHO, C. A Educação e a Ilusão Liberal: origem da escola pública paulista. Campinas, S P: Autores Associados, 1995.

RIBEIRO, Maria Luisa Santos. História da educação brasileira: a organização escolar. São Paulo: Autores Associados, 1998

SAVIANI, Dermeval. Histórias das Idéias Pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2007. (Coleção Memória da Educação).

SCHELBAUER. Analete Regina. A Constituição do Método de Ensino Intuitivo na província de São Paulo (1870-1889). Tese (Doutorado em educação), Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação. História da Educação e Historiografia. DEDALLUS – Acervo – FE – 205000093698. 2003.

SILVA, Ceris Salte Ribas. As repercussões dos novos livros didáticos em alfabetização na prática docente. Belo Horizonte, 2003, Tese (Doutorado em Educação), Universidade Federal de Minas Gerais – Faculdade de Educação.

SILVA, Vivian Batista. Uma história de leitura para professores: um estudo da produção e circulação de saberes especializados nos “manuais pedagógicos” brasileiros (1930-1971), Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação. DEDALUS – FE – 20500023414, São Paulo, 2001.

SILVA, Vivian Batista. Saberes em viagem nos manuais pedagógicos: construções da escola em Portugal e no Brasil (1870-1970). ANPED, 29a Reunião Anual/2006, GT 02. Disponível em http://www.anped.org.br. Acesso em 10/junho/2009.

SOARES, Magda e MACIEL, Francisca. Alfabetização no Brasil; o estado do conhecimento. BRASILIA, Inep/MEC/REDUC, 1989.

TANURI, Leonor Maria. O ensino Normal no Estado de São Paulo (1890-1930).

DEDALUS – FE – Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, 1979.

VALDEMARIN, Vera Teresa. Estudando as lições de coisas: análise dos fundamentos filosóficos do Método do Ensino Intuitivo. Campinas, SP: Autores Associados, 2004. (Coleção Educação Contemporânea).

Como Citar
Fernandes, E., & Silva, I. A. da. (1). A alfabetização nos manuais didáticos: o estado da arte. Revista HISTEDBR On-Line, 10(37e), 36-57. https://doi.org/10.20396/rho.v10i37e.8639779
Seção
Artigos