Nação e identidade nacional no livro didático de história: a abordagem de Borges dos Reis na Bahia republicana

Autores

  • Maria Cristina Dantas Pina Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v10i37e.8639786

Palavras-chave:

Livro Didático. Nação. Bahia. Identidade Nacional. Borges dos Reis

Resumo

O texto analisa como a nação brasileira foi retratada no manual de História do Brasil deAntônio Alexandre Borges dos Reis (1915), utilizado no Ginásio da Bahia. Buscou-seperceber as especificidades do discurso histórico do autor, testemunha das contradições deuma região que clamava por manter sua posição no cenário nacional. Através da revisãobibliográfica e de fontes primárias o objeto foi analisado segundo três categorias: nação,trabalho e classe social. Constatou-se que, semelhante a outros autores didáticos da época,Borges dos Reis defende um caminhar evolutivo do Brasil em direção à civilização,fortalecendo uma identidade nacional branca, cristã e liberal. Condena moralmente aescravidão, mas a justifica como necessidade econômica; admite o papel do negro naconstrução do país, porém sem ação decisiva no destino do Brasil. Todavia, diferentedaqueles manuais, o autor chama atenção para o processo de interiorização e de misturaentre as raças na formação da nação, defendendo que as diversidades regionais deveriamser consideradas na narrativa. A obra caracteriza-se pelo patriotismo e nacionalismo,embora referenciado no contexto baiano, evidenciando o quanto as noções de patriotismo,nacionalismo e identidade nacional assumiram complexidades específicas no Brasilrepublicano, tendo na escola e seus materiais didáticos lugares privilegiados dedisseminação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Dantas Pina, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Professora Adjunta da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, da área de Metodologia do Ensino de História e do Programa de Pós-Graduação em Educação da UESB.

Referências

ABREU, Capistrano de (1988). Caminhos antigos e povoamento do Brasil, Belo Horizonte: Itatiaia, São Paulo: Edusp.

ARAÚJO, D. O. de (1993). Republicanismo e classe média em Salvador, 1870-1989. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais), Salvador: FFCH, UFBA.

ARAÚJO, U. C. de (2000). A baía de Todos os Santos: um sistema geo-histórico resistente. Bahia Análise e Dados, v.1. Salvador: Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia.

BITTENCOURT, C. (2007). Identidade e ensino de história no Brasil. IN: CARRETERO, M.; ROSA, Alberto e GONZÁLEZ, M. F. (orgs) Ensino de História e memória coletiva. Porto Alegre, Artmed.

BITTENCOURT, C. (1993). Livro didático e conhecimento histórico: uma história do saber escolar. Tese (Doutorado em História) São Paulo: USP/FFLCH.

BLOCH, Marc (1997). Introdução à História. Lisboa: Publicações Europa-América.

COSTA, E. V. da (1999). Da Monarquia à República: momentos decisivos. São Paulo, Brasiliense.

COSTA, I. S. (1997). A Bahia já deu régua e compasso: o saber médico-legal e a questão da racial na Bahia, 1890-1940. Salvador, 1997. Dissertação (Mestrado em História) — FFCH, UFBA.

CUNHA, E. (1975). Os Sertões. São Paulo: Cultrix.

FERREIRA FILHO, A. H. (1999) Desafricanizar as ruas: elites letradas, mulheres pobres e cultura popular em Salvador (1890-1937). Revista Afro-Ásia, n. 21-22, Salvador, Centro de Estudos Afro-Orientais, FFCH-UFBA.

FONSECA, T. N. L. e VEIGA, C. G. (orgs). (2003). História e Historiografia da Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica.

FONSECA, T. N. de L. (2004). História & Ensino de História. 2a edição. Belo Horizonte: Autêntica.

FONTANA, J. (2004). A História dos Homens. Bauru: EDUSC.

GUIMARÃES, A. S. (2003). Formação e crise da hegemonia burguesa na Bahia. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) Salvador, UFBA – revista pelo autor em 2003.

HALLEWELL, L. (2005). O livro no Brasil: sua história. 2. ed. rev. e .ampl. São Paulo: Edusp.

HOBSBAWN, E. (1990). Nações e nacionalismo desde 1780: programa, mito e realidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

HOBSBAWN, E.; RANGER, T. (2002). A invenção das tradições. 3a edição.São Paulo: Paz e Terra.

HOBSBAWN, E. (1992). A Era dos Impérios: 1875-1914. 3 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

LEITE, R. C. N. (2005). A Rainha Destronada: Discursos das Elites sobre as Grandezas e os Infortúnios da Bahia nas Primeiras Décadas Republicanas. São Paulo: PUC/SP, Doutorado em História Social.

LIMA, D. K. O Banquete Espiritual da Instrução: o Ginásio da Bahia, Salvador: 1895-1942. Salvador, Universidade Federal da Bahia, 2003, (Dissertação de Mestrado em História Social).

LOMBARDI, J. C.; CASIMIRO, A. P. e MAGALHÃES, L. D. (orgs). (2006). História, Cultura e Educação. Campinas, SP: Autores Associados.

MACHADO NETO, A. L. (1972). A Bahia intelectual. Universitas – Revista de Cultura da UFBA , Salvador, n. 12/13, p. 261-305.

MARX, K. (1997). O 18 Brumário e Cartas a Kugelmann. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

MATTOSO, K. de Q. (1992). Bahia século XIX. Uma Província no Império, Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

MELLO, C. F. de C. B. de. (1997) Senhores da História: a construção do Brasil em dois manuais didáticos de história na segunda metade do século XIX. São Paulo: USP/FFLCH (Tese de Doutorado).

NADAI, E. “O ensino de história e a pedagogia do cidadão”. In: PINSKY, Jaime (org). O ensino de história e a criação do fato. São Paulo: Contexto, 1997.

NAGLE, J. Educação e sociedade na Primeira República. Reimpressão. São Paulo; EPU, 1976.

NUNES, A. A. Política Educacional no início da Primeira República na Bahia: duas versões do projeto liberal. Salvador: Faced/UFBA, 2003 (Tese de doutorado).

OLIVEIRA, F. de (2003). O Elo Perdido: classe e identidade de classe na Bahia. São Paulo, Editora Perseu Abramo.

ORTIZ, R. (2003). Cultura Brasileira e Identidade Nacional. São Paulo: Brasiliense.

PINA, M. C. D. (2009). A escravidão no livro didático de História: três autores exemplares (1890-1930). Doutorado em Educação. Faculdade de educação, Unicamp. (Tese de Doutorado).

REIS FILHO, Casimiro dos (1995). A educação e a ilusão liberal. São Paulo: Cortez, Autores Associados.

REIS, M. L. A. dos (2000). A cor da notícia: discursos sobre o negro na imprensa baiana (1888-1937). Salvador, Dissertação (Mestrado em História) — FFCH, UFBA.

REZNIK, L. (1992). Tecendo o amanhã: a História do Brasil no ensino secundário: programas e livros didáticos, 1931 a 1945. Niterói, RJ: IFCS/UFF (Dissertação de Mestrado em História).

SAMPAIO, C. N. (1985). O poder legislativo na Bahia: Primeira República (1889-1930). Salvador, Assembléia Legislativa/UFBA, 1985.

SANTOS, F. G. dos. (2001). Os discursos afro-brasileiros face às ideologias raciais na Bahia (1889-1937). Salvador, 2001. Dissertação (Mestrado em História) — FFCH, UFBA.

SAVIANI, D. (2007). História das Idéias Pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados.

SILVA, A. J. M. (2006). Instituo Geográfico e Histórico da Bahia: origem e estratégias de Consolidação Institucional 1894 – 1930. Salvador: Universidade Federal da Bahia (Tese de Doutorado em História)

SILVA, P. S. (2000). Âncoras de Tradição: luta política, intelectuais e construção do discurso histórico na Bahia (1930 – 1949). Salvador: EDUFBA.

TAVARES, L. H. (2001). História da Bahia. São Paulo: Editora UNESP: Salvador: EDUFBA.

THOMPSON, E. P. (1981). A Miséria da Teoria. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

VIDAL e SOUZA, C. (1997). A Pátria Geográfica: sertão e litoral no pensamento social brasileiro, Goiânia: UFG.

XAVIER, M. E. S. P. Capitalismo e Escola no Brasil. Campinas, SP: Papirus, 1990. Livros Didáticos

BORGES DOS REIS, Antonio Alexandre (1915). História do Brasil (cursos dos Gymnásios e Lyceus). Bahia: Typografia Reis & Cia.

RIBEIRO, João. (1900). História do Brasil. Rio de Janeiro: Livraria Cruz Coutinho.

ROCHA POMBO, J. F. da. (1958) História do Brasil, 8a ed. revista e atualizada por Helio Vianna. São Paulo, Companhia Melhoramentos de São Paulo.

Downloads

Como Citar

PINA, M. C. D. Nação e identidade nacional no livro didático de história: a abordagem de Borges dos Reis na Bahia republicana. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 37e, p. 145–163, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i37e.8639786. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639786. Acesso em: 29 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)