Da prática do ensino à prática de ensino: os sentidos da prática na formação de professores no Brasil do século XIX

Autores

  • Shirlei Terezinha Roman Guedes Universidade Estadual de Maringá
  • Analete Regina Schelbauer Universidade Estadual de Maringá – UEM

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v10i37e.8639791

Palavras-chave:

Escola Normal. Formação de Professores. Prática de Ensino. Prática do Ensino

Resumo

Este artigo foi elaborado a partir da pesquisa desenvolvida no Programa de Pós-Graduaçãoem Educação, na Universidade Estadual de Maringá acerca da constituição histórica daPrática de Ensino e sua importância na formação de professores. A Prática do Ensino comomodalidade de formação de professores foi no século XIX, uma maneira de preparar oprofessor primário, mesmo depois da criação da Escola Normal em seus primeiros anos.Por duas ocasiões, no período do Império, a legislação oficializou a formação por meio daPrática do Ensino. Nessas legislações, a formação do professor aconteceria por meio doconhecimento prático do Método de Ensino Mútuo, ou sob a forma de professoresadjuntos.Essa modalidade de formação, em que a prática é o ponto de partida, foiimplantada para suprir a necessidade de professores em um período em que as escolasnormais ainda não haviam sido criadas ou as mesmas eram abertas e fechadas por falta dealunos. Com a consolidação da Escola Normal como lócus de formação do professor apartir da década de 70 do século XIX e, sobretudo, após a implantação do regimerepublicano, a Prática de Ensino passou a ser realizada na Escola Anexa ou Escola Modelo,local em que o aluno da Escola Normal aprendia na prática como ser professor. Depois daimplantação da Escola Normal, a formação do professor deixou de ser exclusivamente naprática. Sob esta perspectiva, buscamos compreender em que momento e de que forma aPrática de Ensino se configurou e como influenciou a formação de professores na EscolaNormal. Abordamos a transição entre a Prática do Ensino e a Prática de Ensino,diferenciando o primeiro modelo como aquele em que a prática acontecia de forma‘artesanal’, por meio da convivência, observação e imitação de outro professor. Nosegundo modelo, a formação do professor estava ancorada nos estudos desenvolvidos naEscola Normal e a prática era desenvolvida na Escola Modelo anexa à Escola Normal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Shirlei Terezinha Roman Guedes, Universidade Estadual de Maringá

Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Maringá.

Analete Regina Schelbauer, Universidade Estadual de Maringá – UEM

Doutora em Educação, Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá.

Referências

ARIÈS, Philippe. O tempo da história. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1981.

ALMEIDA, Jane Soares de. Currículos da Escola Normal Paulista (1846-1920): Revendo uma Trajetória. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília, v. 76, n. 184, p. 665-689, set. dez. 1995.

ALMEIDA, Jane Soares de. Mulheres na educação: missão, vocação e destino? A feminização do magistério ao longo do século XX. In: In: SAVIANI, Dermeval. et al. O legado educacional do século XX no Brasil. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2006. p. 59-107.

ALMEIDA, José Ricardo Pires de. Instrução pública no Brasil (1500-1889): história e legislação. Trad. Antonio Chizzotti; ed. Critica Maria do Carmo Guedes. 2. ed. rev. São Paulo: EDUC, 2000.

AZEVEDO, Fernando. A cultura brasileira. Introdução ao estudo da cultura no Brasil. 4. ed. revista e ampliada. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 1963.

BARBOSA, Rui. Obras Completas. 1883. v. X. tomo III. Reforma do ensino primário e várias instituições complementares da instrução pública.

BASTOS, Maria Helena Câmara; FARIA FILHO, Luciano Mendes. (org.). A escola elementar no século XIX: o método monitorial/mútuo. Passo Fundo RS: Ediupf, 1999a.

BASTOS, Maria Helena Câmara. O ensino mútuo no Brasil (1808-1827). In: BASTOS, Maria Helena Câmara; FARIA FILHO, Luciano Mendes. (Org.). A escola elementar no século XIX: o método monitorial/mútuo. Passo Fundo RS: Ediupf, 1999b. p. 95-118.

BRASIL. Lei de 15 de outubro de 1827. Disponível em WWW.soleis.adv.br. Acesso em 16 mar. 2007.

BRASIL. Decreto n. 1331 A, de 17 de fevereiro de 1854. Approva o regulamento para a reforma do ensino primário e secundário no Município da Corte. Disponível em: http://www2.camara.gov.br/legislação/publicacoes/doimperio. Acesso em 10 mar. 2008.

CARVALHO, Marta Maria Chagas. Modernidade Pedagógica e modelos de formação docente. São Paulo em Perspectiva. São Paulo, v. 14, n. 1, p. 111-120, 2000a.

CARVALHO, Marta Maria Chagas. Reformas da instrução pública. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes; VEIGA, Cynthia Greive. (Orgs.). 500 anos de educação no Brasil. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000b. p. 225 – 252.

EXPOSIÇÃO apresentada ao Dr. Jorge Tibiriçá pelo Dr. Prudente J. de Morais Barros, ao passar-lhe a administração no dia 18 de outubro de1890. Disponível em: http://brazil.crl.edu/bsd/bsd. Acesso em: 05 jun. 2008.

FALA DO PRESIDENTE DA PROVÍNCIA do Rio de Janeiro, Conselheiro José Rodrigues Torres em 01 de fevereiro de 1835. 1.a sessão da 1.a legislatura da Assembléa Legislativa da mesma província. Nictheroy, Typ. de Amaral & Irmão, 1850. Disponível em: http://brazil.crl.edu/bsd. Acesso em 20 abr. 2008.

GONDRA, José Gonçalves; SACRAMENTO, Winston. Luiz Pedreira do Coutto Ferraz. In: FÁVERO, Maria de Lourdes de Albuquerque. BRITTO, Jader de Medeiros. Dicionário de educadores no Brasil da colônia aos dias atuais. 2 ed. aum. Rio de Janeiro EditoraUFRJ/MEC-Inep-Comped, 2002. p.723 -730.

HILSDORF, Maria Lúcia Spedo. Francisco Rangel Pestana: jornalista, político, educador. Tese. (Doutorado em Educação) Universidade de São Paulo, 1996.

HILSDORF, Maria Lúcia Spedo. Francisco Rangel Pestana: jornalista, político, educador. Tese. (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação. Universidade de São Paulo, 1986.

HOBSBAWM, Eric. Sobre história. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

MIGUEL, Maria Elizabeth Blanck. A escola normal do Paraná: instituição formadora de professores e educadora do povo. In: ARAÚJO, José Carlos Souza; FREITAS, Anamaria Gonçalves Bueno de; LOPES, Antônio de Pádua Carvalho. (Orgs.) As escolas normais no Brasil: do império à república. Campinas, SP: Alínea, 2008. p. 145-162.

NASCIMENTO, Maria Isabel Moura. A primeira escola de professores dos Campos Gerais – PR. Tese. Doutorado em Educação. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação. Campinas, SP, 2004.

NEVES, Fátima Maria. O Método lancasteriano e o projeto de formação disciplinar do povo. (São Paulo 1808 – 1889). 293f. Tese (Doutorado em História). Universidade Estadual Paulista, Assis, SP, 2003.

NEVES, Fátima Maria. Investigação em torno do método lancasteriano ou do ensino mútuo (Contribuições para a produção do Estado da Arte em História da Educação no período Imperial. Comunicações, 2005a.

NEVES, Fátima Maria. A instrução pública, o método pedagógico de Lancaster e a instituição do estado nacional. In: ROSSI, Ednéia; RODRIGUES, Elaine; NEVES, Fátima Maria. (Orgs.). Fundamentos históricos da educação no Brasil. Maringá, PR: EDUEM, 2005b.

NEVES, Fátima Maria . O método lancasteriano e o ensino da ordem e da disciplina para os soldados do império brasileiro. In: 30a Reunião da ANPED, 2007, Caxambu. Anais da 30a Reunião da ANPED. Caxambu: Editora da ANPED, 2007. v. 1. p. 1-10.

RELATÓRIO apresentado à Assembléia Legislativa do Paraná pelo Presidente da Província, Polidoro Cezar Burlamaque. Curitiba, Typ de Candido Martins Lopes, 1867. Disponível em: http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/629/index.html. Acesso em: 18 mar. 2008.

REIS FILHO, Casemiro dos. A educação e ilusão liberal: origens do ensino público paulista. Campinas. SP: Autores Associados, 1995.

ROSIN, Sheila Maria. Escolas Normais e formação de professores para o ensino fundamental: alguns aspectos históricos (1854-1889). Revista Teoria e Prática da Educação. v. 8, n. 2, p. 209-216. mai. ago. 2005.

SANTONI RUGIU, Antonio. Nostalgia do mestre artesão. Campinas, SP: Autores Associados, 1998.

SAVIANI, Dermeval. Educação e colonização: as idéias pedagógicas no Brasil. BASTOS, Maria Helena Câmara. (Org.). Histórias e memórias da Educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

SAVIANI, Dermeval. História da fomação docente no Brasil: três momentos decisivos. Revista do Centro de Educação. Edição: 2005 – v. 30. n. 02. Disponível em: WWW.ufsm.br/ce/revista. Acesso em: 28 mai. 2006.

SAVIANI, Dermeval. O legado educacional do breve século XIX brasileiro. In: SAVIANI, Dermeval. et al. O legado educacional do século XIX no Brasil. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2006. p. 7-32.

SAVIANI, Dermeval. História das idéias pedagógicas no Brasil. Campinas. SP: Autores Associados, 2007.

SCHELBAUER, Analete Regina. A constituição do método de ensino intuitivo na província de São Paulo (1870 – 1889). Tese. (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação da USP, São Paulo, 2003.

SCHELBAUER, Analete Regina. O método intuitivo e lições de coisas: saberes em curso nas conferências pedagógicas do século XIX. Artigos. Navegando na História da Educação Brasileira. HISTEDBR, 2006a. Disponível em: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/navegando/artigos. Acesso em: 10 jan. 2008.

TANURI, Leonor Maria. História da formação de Professores. Revista Brasileira de Educação. Associação Nacional de Pesquisa em Educação. São Paulo, n. 14, maio – ago. 2000.

VERÍSSIMO. José. A educação nacional. 3. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1985.

VIDAL, Diana Gonçalves; FARIA FILHO, Luciano Mendes de. Reescrevendo a história do ensino primário: o centenário da lei de 1827 e as reformas de Francisco Campos de Fernando de Azevedo. In: VIDAL, Diana Gonçalves; FARIA FILHO, Luciano Mendes de. As lentes da história. Campinas, SP: Autores Associados, 2005. p. 7-39.

VILELLA, Heloisa. A primeira escola normal do Brasil. In: NUNES, Clarice (Org.). O passado sempre presente. São Paulo: Cortez, 1992. p. 17-42. (Questões da nossa época: v. 4).

VILLELA, Heloisa de Oliveira S. Da palmatória à lanterna mágica: a escola normal da província do Rio de Janeiro entre o artesanato e a formação profissional (1868-1876). Tese. (Doutorado em Educação) - FE/USP, 2002.

VILLELA, Heloisa de Oliveira S. Do artesanato à profissão: saberes de normalistas no Brasil do século XIX. ANPED: GT: História da Educação/n.02. Poços de Caldas: MG, 2003. Disponível em: http://189.1.169.50/reunioes/26/trabalhos. Acesso em: 23 abr.2008.

Downloads

Como Citar

GUEDES, S. T. R.; SCHELBAUER, A. R. Da prática do ensino à prática de ensino: os sentidos da prática na formação de professores no Brasil do século XIX. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 37e, p. 227–245, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i37e.8639791. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639791. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>