História comparada do município pedagógico no Brasil e em portugal: os casos de Uberabinha e Mafra

Autores

  • Carlos Henrique de Carvalho Universidade Federal de Uberlândia
  • Luciana Beatriz de Oliveira Bar de Carvalho Faculdade Católica de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v10i40.8639805

Palavras-chave:

Brasil. Portugal. Município Pedagógico. Educação. República

Resumo

centrou-se no período da primeira República brasileira. Esse recorte se justifica porque a mudança de regime de governo (monárquico para republicano) ocorreu nos dois países, assim como um debate intenso sobre a expansão do ensino público na esfera municipal; prova disso são os numerosos decretos e as leis relativos à necessidade de se implantar a escola pública nas duas cidades. No caso do Brasil, o marco cronológico inicial é 1888 — ano em que Uberabinha se emancipou politicamente de Uberaba — e o final é 1928 — ano de publicação dos últimos decretos que criaram a reforma educacional Francisco Campos, em Minas Gerais. No caso de Portugal, o período (1888–1927) começa no fim da monarquia — em parte, porque a República portuguesa só começou em 1910; em parte porque foi quando a expansão do ensino público começou e quando o processo de municipalização iniciado em 1870 avançou. A data-limite é 1927 porque nesse ano o ensino primário passou por uma reforma curricular; em Mafra, ela começou em 26 de outubro de 1928, quando o decreto 16.077 foi publicado em conseqüência do relatório da comissão criada para alterar os programas curriculares do ensino primário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Henrique de Carvalho, Universidade Federal de Uberlândia

Doutor em História pela Universidade de São Paulo (USP). Professor da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Luciana Beatriz de Oliveira Bar de Carvalho, Faculdade Católica de Uberlândia

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Professora da Faculdade Católica de Uberlândia.

Referências

BRAY, Mark; THOMAS, R. Murray. Níveis de comparação em estudos educacionais: diversidade de percepções a partir de diferentes literaturas e o valor das análises em multiníveis. Contemporaneidade e Educação, v. 7, p. 127, 1o sem. 2000.

CIPOLLA, Carlo M. Instrução e desenvolvimento no Ocidente. Lisboa: Ulisseia, 1969.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Legislação educacional brasileira. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

FERREIRA, António Gomes. Percurso da educação comparada: evolução e construção de identidade. Revista Portuguesa de Pedagogia, n. XXXIII, v. 1, 1999.

LOURENÇO, Eduardo. A nau de Ícaro seguido de imagem e miragem da lusofonia. Lisboa: Gradiva, 1999.

MAGALHÃES, Justino Pereira de. Tecendo nexos: história das instituições educativas. Bragança Paulista: ed. Universitária São Francisco, 2004.

NÓVOA, António. Tempos da escola no espaço Portugal–Brasil–Moçambique: dez digressões sobre um programa de investigação. In: NÓVOA, António; SCHRIEWER, Jürgen (Ed.). A difusão mundial da escola: alunos–professores–currículo–pedagogia. Lisboa: Educa, 2000.

VIEIRA, Flávio César Freitas. Movimentos Educacionais em Uberabinha: Entusiasmo pela Educação e Otimismo Pedagógico (1919 a 1930). SEMINÁRIO NACIONAL DE

ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO NO BRASIL, 5., 2001, Campinas. Anais... Campinas: FE-UNICAMP, 2001, CD-ROM.

VIEIRA, Maria do Pilar de Araújo. A pesquisa em História. São Paulo, Ática, 1995.

Downloads

Como Citar

CARVALHO, C. H. de; CARVALHO, L. B. de O. B. de. História comparada do município pedagógico no Brasil e em portugal: os casos de Uberabinha e Mafra. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 40, p. 49–59, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i40.8639805. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639805. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)