A teoria da atividade e o ensino de história: perspectivas no ensinar e aprender

Autores

  • Maria da Paz Cavalcante Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN
  • Francisca Lacerda de Góis Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v10i40.8639812

Palavras-chave:

Teoria da Atividade. História. Ensino. Aprendizagem

Resumo

Este trabalho discute a apropriação, por uma professora, de aspectos da Teoria da Atividade e sua relação com o ensino de História. Seu objetivo é refletir sobre essa teoria, na perspectiva de Alexei Nicolaievich Leontiev, e a contribuição desse aporte teórico na formação dessa professora e as possibilidades formativas que ele apresenta para pensarmos o processo de ensino e de aprendizagem da História. Tratar-se de uma intervenção no processo formativo dessa docente que leciona História, nos anos finais do Ensino Fundamental, na Escola Estadual Coronel Fernandes, no Estado do Rio Grande do Norte. Os dados empíricos foram construídos durante a realização de Ciclos de Estudos Reflexivos ancorados na pesquisa colaborativa. Os resultados sugerem que as reflexões construídas, pela professora, manifestam uma compreensão da Teoria da Atividade e  a sua contribuição para o processo de ensino e de aprendizagem da História, no nível fundamental. Esse entendimento porta uma perspectiva de mudança na sua atuação docente no sentido de desenvolver um ensino comprometido com a formação integral do educando.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria da Paz Cavalcante, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN

Trabalha como professora ADJ4 no Departamento de Educação e no Programa de Pós-Graduação em Ensino (PPGE/CAMEAM/UERN).

Francisca Lacerda de Góis, Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

Professora associada da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Referências

AGUIAR, O. R. B. P.; FERREIRA, M. S. Ciclo de estudos reflexivos: uma estratégia de desenvolvimento profissional docente. In: IBIAPINA, I. M. L. M.; RIBEIRO, M. M. G.; FERREIRA, M. S. (Org.). Pesquisa em Educação: múltiplos olhares. Brasília: Líber Livro, 2007. p. 73-95.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA. As diretrizes curriculares nacionais para a área de história e a formação dos professores para a educação básica. Informativo eletrônico, 28 dezembro de 2001. Diretrizes curriculares/ formação de professores. Disponível em http://www.anpuhsp.org.br. Acesso em: 27 jul. 2009.

BEZERRA, H. G. Ensino de história: conteúdos e conceitos básicos. In: KARNAL, L. (Org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2008. p. 37-48.

BITTENCOURT, C. M. F. Ensino de história: fundamentos e métodos. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

BOGOYAVLENSKY, D. N.; MENCHINSKAYA, N. A. Relação entre aprendizagem e desenvolvimento psicointelectual da criança em idade escolar. In: LEONTIEV, A. N. et al. Psicologia e pedagogia: bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. Tradução Rubens Eduardo Farias. 4. ed. São Paulo: Centauro, 2007. p. 63-85.

BRASIL. Lei no 5692, de 11 de agosto de 1971. Fixa diretrizes e bases para o ensino de 1o e 2o graus, e dá outras providências. Presidência da República, Brasília, DF,12 ago. 1971. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL/LEIS/L5692.htm. Acesso em: 8 ago. 2009.

BRASIL. Plano Decenal de Educação para Todos. Brasília: MEC, 1993.

BRASIL. Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http: //www.cefetce.br/ ensino/cursos/médio/Lei.htm. Acesso em: 8 ago. 2009.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: história e geografia. Brasília: MEC/SEF, 1997, 5 v. (1a a 4a séries ).

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais: história. Brasília: MEC/SEF, 1998. (5a a 8a séries).

BRASIL. CNE. CES. Resolução no 13, de 2002. Estabelece as diretrizes curriculares para os cursos de história. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 abr. 2002. Seção 1, p. 33.

CABRINI, C. et al. O ensino da história: revisão urgente. São Paulo: EDUC, 2000.

CAINELLI, M.; SCHIMIDT, M. A. Ensinar história, São Paulo: Scipione, 2005

CUEVAS, J. P. Dificuldades para la enseñanza de la historia en la educación secundaria. In: ______. Enseñar História: notas para uma didáctica renovadora. Mérida: Junta de Extremadura, 2001. p. 35-51. Disponível em http:// www.ub.es/histodidactica. Acesso em 20 nov. 2008.

CAVALCANTE, M. P. A história escolar e a teoria da atividade: relações e possibilidades formativas no ensinar e aprender. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2010.

FAZENDA, I. C. A. (Org.). Práticas interdisciplinares na escola. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1993.

FAZENDA, I. C. A. (Org.). Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 11. ed. Campinas –SP: Papirus, 2003.

FREIRE, P. Educação como prática de liberdade. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980a.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980b.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 12. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

FONSECA, S. G. Didática e prática de ensino de História: experiências, reflexões e aprendizados. 4. ed. Campinas, SP, Papirus, 2005a.

FONSECA, S. G. Como nos tornamos professores de história: a formação inicial e continuada. In: ______. Didática e prática de ensino de História: experiências, reflexões e aprendizados. 4. ed. Campinas, SP, Papirus, 2005b. p. 59-87.

FONSECA, S. G. Caminhos da História ensinada. 9. ed. Campinas, SP: Papirus, 2006.

FONSECA, T. N. L. História e ensino de História. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

KOSTIUK, G. S. Alguns aspectos da relação recíproca entre educação e desenvolvimento da personalidade. In: LEONTIEV, A. N. et al. Psicologia e pedagogia: bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. Tradução Rubens Eduardo Frias. 4. ed. São Paulo: Centauro, 2007. p. 43-62.

LEONTIEV, A. N. [1975]. Actividad, conciencia, personalidad. Tradução Librada Leyva Soler, Rosario Bilbao Crespo e Jorge C. Potrony Garcia. La Habana: Pueblo y Educación, 1983.

LEONTIEV, A. N. El problema de la actividad em la psicologia. In: MASVIDAL, F. Temas sobre la actividad y la comunicación. Habana: Editorial de Ciencias Sociales, 1989. p. 259-298.

LEONTIEV, A. N. [193-?]. O desenvolvimento do psiquismo. Tradução Rubens Eduardo Frias. 2. ed. São Paulo: Centauro, 2004.

LEONTIEV, A. N. Os princípios do desenvolvimento mental e o problema do atraso mental. In: LEONTIEV, A. N. et al. Psicologia e pedagogia: bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. Tradução Rubens Eduardo Frias. 4. ed. São Paulo: Centauro, 2007. p. 87-105.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. (Org.). Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez, 2002.

LUCK, H. Pedagogia interdisciplinar: fundamentos teórico-metodológicos. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã (Teses sobre Feuerbach). Tradução Silvio Donizete Chagas. 8. ed. São Paulo: Centauro, 2005.

MOREIRA, A. F. B.; SILVA, T. T. Currículo, cultura e sociedade. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

NÓVOA, A. Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

NÚÑEZ, I. B. Vygotsky, Leontiev, Galperin: formação de conceitos e princípios didáticos. Brasília: Liber Livro, 2009.

OLIVEIRA, F. de. A nova hegemonia burguesa no Brasil dos anos 90 e os desafios de uma alternativa democrática. In: FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. Teoria e educação no labirinto do capital. Petrópolis, Vozes, 2001.

PIMENTA, S. G. (Org.). Professor: identidade e trabalho docente. In: Saberes pedagógicos e atividade docente. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2007. p. 15-34.

PINSKY, J.; PINSKY, C. B. O que e como ensinar: por uma história prazerosa e consequente. In: KARNAL, L. (Org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2008. p. 17-36.

ROCHA, V. M. L. C. História e Geografia nos anos iniciais do ensino fundamental: planejamento e identidades em questão. In: I JORNADA DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO E PLANEJAMENTO DE ENSINO, 2007, Pau dos Ferros. Anais...Pau dos Ferros: UERN, 2007. 1 CD-ROM.

RUBINSTEIN, S. L. Princípios de psicologia geral: a activação, a actividade. Tradução Jaime Carvalho Coelho. Lisboa: Estampa, 1977.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: os conteúdos do ensino ou uma análise da prática? In: ______.; GÓMEZ, A. I. P. Compreender e transformar o ensino. Tradução Ernani F. da Fonseca Rosa, 4.ed. Porto Alegre: ArtMed, 2000a. p. 119-148.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Tradução Ernani F. da Fonseca Rosa. Porto Alegre: ArtMed, 2000b.

SANTOMÉ, J. T. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Tradução Cláudia Schilling. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1998.

SILVA, M.; FONSECA, S. G. Ensinar história no século XXI: em busca do tempo entendido. Campinas, SP: Papirus, 2007

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

TALÍZINA, N. F. [1984]. Psicologia de la enseñanza.Tradução Ana Clavijo. Moscu: Progresso, 1988.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

VEIGA, I. P. A. (Org.). Didática: o ensino e suas relações. 4. ed. Campinas, SP: Papirus, 1996.

VYGOTSKY, L. S. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: LEONTIEV, A. N. et al. Psicologia e pedagogia: bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. Tradução Rubens Eduardo Frias. 4. ed. São Paulo: Centauro, 2007. p. 25-42.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto e Solange Castro Afeche. 7. ed., 2. tiragem. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Tradução Ernani F. da F. Rosa. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

ZABALA, A. (Org.). Como trabalhar os conteúdos procedimentais em aula. Tradução Ernani Rosa. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul Ltda, 1999.

Downloads

Como Citar

CAVALCANTE, M. da P.; GÓIS, F. L. de. A teoria da atividade e o ensino de história: perspectivas no ensinar e aprender. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 40, p. 164–178, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i40.8639812. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639812. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos