Migrantes nordestinas e escolarização em Ituiutaba-MG (anos 1950-1960)

Autores

  • Sauloéber Tarsio de Souza Universidade Federal de Uberlândia- CNPq
  • Daiane de Lima Soares Silveira Universidade Federal de Uberlândia- CNPq

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v10i40.8639817

Palavras-chave:

Escolarização. Mulheres migrantes nordestinas. Ituiutaba-MG

Resumo

O presente texto tem como objetivo investigar a inserção e permanência das mulheres nordestinas no sistema escolar do município de Ituiutaba-MG, entre as décadas de 1950 e 1960. Nesse momento, a cidade recebia nordestinos que vinham dos estados do Rio Grande do Norte e da Paraíba, atrás das “oportunidades ilimitadas” geradas pelo ciclo econômico baseado na cultura de grãos (arroz, milho, etc), Ituiutaba foi denominada “Capital do Arroz”. Nessas duas décadas a população passou de rural para urbana, e o sistema escolar deixou de ser majoritariamente privado com a multiplicação das escolas públicas. Assim, parte dos migrantes, sobretudo a segunda geração e, em geral as meninas (os meninos deveriam ajudar no sustento da família), transporiam os muros das novas instituições escolares, mesmo com todos os obstáculos em função de não portarem de forma plena e “legítima” os códigos culturais da região, sendo olhados com desconfiança. A partir dessa perspectiva, buscamos observar qual a relação estabelecida entre mineiros e nordestinas no interior das escolas, tentando visualizar a inserção desse grupo na nova dinâmica social que se submeteram a partir da decisão de migrar. Entendemos que a educação é fenômeno etnicizado (KREUTZ, 1998) e que, portanto, os confrontos refletidos no processo educacional são marcados pelas diferenças étnicas. Para a realização desse trabalho, utilizamos, sobretudo, do recurso a fonte oral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sauloéber Tarsio de Souza, Universidade Federal de Uberlândia- CNPq

Professor associado da Universidade Federal de Uberlândia, membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas em História e Historiografia da Educação (NEPHE-UFU), membro do GT-Uberlândia vinculado ao HISTEDBR-UNICAMP, professor do Programa de Pós-Graduação da FACED (linha de Historiografia e História da Educação).

Daiane de Lima Soares Silveira, Universidade Federal de Uberlândia- CNPq

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Uberlândia (2011), com Mestrado em Educação, na linha de História e Historiografia da Educação, também pela Universidade Federal de Uberlândia. 

Referências

BAUMAN, Z. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BENEVIDES, M. V. M. O governo Kubitschek: desenvolvimento econômico e estabilidade política. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

BURKE, Peter. A violência das mínimas diferenças. Folha de S.Paulo, 21 maio 2000. Caderno Mais!, p. 25.

CANCLINI, Nestor G. Culturas Híbridas. Estratégias para entrar y salir de La modernidade. Buenos Aires: Editorial Paidós, 2001.

CARNEIRO, Sueli. Por um multiculturalismo democrático. TV Brasil, 2002. Programa Salto para o Futuro.

CHARTIER, Roger A história cultural: entre práticas e representações. Trad.Maria M.de Galhardo, Lisboa: Difel (85), Rio: Bertrand Brasil, 1990.

CORTEZ, Carmen D.C. Ituiutaba Conta a sua História. Ituiutaba, EGIL, 2001.

DEMARTINI, Z.de B. F. Pesquisa histórico-sociológica, imigração e educação: as fontes e sua análise. Anais VII Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação, Porto, 2008.

DUSSEL, Enrique. 1492 o encobrimento do outro: a origem do “mito da modernidade”. Petrópolis: Vozes, 1993.

ELIAS, Norbert. Os estabelecidos e os Outsiders. Sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro, Zahar: 2000.

GERMANO, José W. Estado Militar e Educação no Brasil (1964-1985). São Paulo: Cortez, 1993.

GIROUX, Henry A. Praticando estudos culturais nas faculdades de educação. In SILVA, Tomaz T. da – Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais na educação. Petrópolis: Vozes, 1995.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.

GRUZINSKI, Serge. O Pensamento Mestiço. São Paulo: Cia das Letras, 2001.

HALL, Stuart. Da Diáspora. Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

KREUTZ, L. Identidade Étnica e Processo Escolar. Anais XXII ANPOCS, Caxambu, 1998.

KREUTZ, L. “Migrações e Culturas em Diálogo”. In FELGUEIRAS, M.L. e VIEIRA C.E. (orgs.) Cultura Escolar, Migrações e Cidadania. Porto: Soc.Port.Ciências da Educ., 2010.

LÉVINAS, Emmanuel. Entre nós: ensaios sobre a alteridade. Petrópolis: Vozes, 1997.

LOURO, Guacira L.- “A História (oral) da Educação: Algumas Reflexões” in Revista Em Aberto - “Ensino de História” - ano IX, no.47, 1990.

OLIVEIRA, L.H.M.M. História e Memória Educacional: o papel do colégio Santa Teresa no processo escolar de Ituiutaba, no Triângulo Mineiro-MG (1939-1942). Dissertação de Mestrado – Universidade Federal de Uberlândia, 2003.

OLIVEIRA, I. M. de. Preconceito e Autoconceito: identidade e interação na sala de aula. Campinas-SP: Papirus, 2007.

RIBEIRO, Paulo R. M. “História da Educação Escolar no Brasil: Notas para uma Reflexão” in Revista Paidéia- Cadernos de Educação. USP, no.4, 1993.

SANTOS, Boaventura de Souza. Uma concepção multicultural dos direitos humanos. Lua Nova, n. 39, 1997.

SILVA, Dalva M.de O. Memória: Lembrança e Esquecimento. Trabalhadores Nordestinos no Pontal do Triângulo Mineiro (Décadas de 1950 e 1960). Dissertação de Mestrado: PUC-SP. 1997.

SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Editora Vozes, 2000.

SIMÕES, Renata Duarte. Gênero, Educação e Educação Física: um olhar sobre a produção teórica brasileira. 29a Reunião Anual da Anped. GT23. Caxambu-MG, 2006. Disponível em: http://www.anped.org.br/reunioes/29ra/trabalhos/trabalho/GT23-2377--Int.pdf.

Downloads

Como Citar

SOUZA, S. T. de; SILVEIRA, D. de L. S. Migrantes nordestinas e escolarização em Ituiutaba-MG (anos 1950-1960). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 40, p. 245–257, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i40.8639817. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639817. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos