Fundamentos históricos da separação entre trabalho de homem e trabalho de mulher: algumas notas

  • Ana Elizabeth Santos Alves UESB
Palavras-chave: Trabalho. Divisão sexual do trabalho. Processo de industrialização

Resumo

Examinamos neste texto explicações a respeito dos fundamentos que legitimam a desigualdade entre os sexos no mundo do trabalho, mediante análise histórica que ilustra as relações sociais entre os sexos. Para tanto, realizamos uma revisão bibliográfica de autores que tratam da gênese da divisão sexual do trabalho a partir da formação da família e das relações sociais de produção na antiguidade, no mundo medieval e capitalista, objetivando elucidar, principalmente, como foram construídas as bases de separação entre trabalho de homens e trabalho de mulheres, consolidada no movimento de separação do lugar do trabalho produtivo do lar para a fábrica, decorrente do processo de industrialização e nesta direção observar quais as funções são designadas para elas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Elizabeth Santos Alves, UESB

Professora da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB. Membro do Museu Pedagógico da UESB.

Referências

ABRAMO, Laís. Inserção das mulheres no mercado de trabalho na América Latina: uma força de trabalho secundária?. In: HIRATA, Helena; SEGNINI, Liliana (Orgs.). Organização, trabalho e gênero. São Paulo: Editora Senac, 2007.

ALVES, A. E. S. Formação e divisão sexual do trabalho na fabricação de queijos: da unidade de produção tradicional rural à unidade de produção moderna. 2010. 110 f. Relatório de estágio de pós-doutoramento apresentado ao programa de pós-graduação em educação da Unicamp, Campinas, SP. 2010.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo, vol 1. Tradução de Sérgio Milliet. São Paulo: Circulo dos Livros, 1949.

CASTEL, R. As metamorfoses da Questão Social: uma crônica do salário. Rio de Janeiro: Vozes, 1998. (Col. Zero à Esquerda).

DUBY, G. Os Camponeses. In: DUBY, G. Guerreiros e Camponeses: os primórdios do crescimento econômico europeu séc. VII – XII. 2.ed. Lisboa, PT: Estampa, 1993, p. 197 – 226.

ENGELS, Friedrich. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. 4 ed. Rio de Janeiro: Global, 2002.

FALCON, Francisco J.C. O capitalismo unifica o mundo. In: REIS FILHO, Daniel Aarão; FERREIRA, J.; ZENHA, C. O século XX. O tempo das certezas: da formação do capitalismo à Primeira grande guerra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000, v 1. p. 12-76.

FERNANDES, Florestan. Capitalismo dependente e classes sociais na America Latina. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1973.

HIRATA, Helena. Nova divisão sexual do trabalho?Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo: Boitempo Editorial, 2002.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa. v.37, n.132, p.595-609, set/dez.2007.

HOBSBAWM, Eric J. A era das revoluções 1789-1848. 16a Ed. Tradução de Ma Tereza L. Teixeira e Marcos Penchel. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

HOBSBAWM, Eric J. Mundos do Trabalho: novos estudos sobre História operária. 3 ed. Tradução W. Barcelos e S. Bedran. RJ: Paz e Terra, 2000.

HUFTON, Olwen. Mulheres, trabalho e família. In: DUBY, Georges; PERROT, Michelle. História das Mulheres no Ocidente: Do renascimento à Idade Moderna. Tradução de Alda Maria Durães et al. Porto, PT: Edições Afrontamento, 1991.

IBGE. Anuário Estatístico. Dados Gerais, v.65, 2005. p 4-13.

IBGE. Síntese de Indicadores Sociais 2006. Comunicação Social 20 de dezembro de 2006. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_impressao.php?id_noticia=774. Acesso em: 16/08/2010.

LE GOFF, J. Tempo e Trabalho. Para um novo conceito de idade média: tempo, trabalho e cultura no ocidente. Tradução de Maria Helena da C. Dias. Lisboa, PT: Estampa, 1993.

LOURO, G. L. Uma leitura da história da educação sob a perspectiva do gênero. Teoria & Educação. Porto Alegre, RS, v.6, p.53-67, 1997.

OPITZ, C. O quotidiano da mulher no final da Idade Média (1250-1500). In: KLAPISCH-ZUBER, C. História das Mulheres no Ocidente: A idade média. Tradução de Ana L. Ramalho et al. Porto, PT: Afrontamento, 1990, p.353-435.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. Tradução de R. Enderle, N. Schneider e L.C. Martorano. São Paulo: Boitempo, 2007.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista. In: REIS FILHO, Daniel Aarão (Org.). O manifesto Comunista 150 anos depois: Karl Marx, Friedrich Engels. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1998, p. 7-41.

NORONHA, Olinda Maria. Ideologia, trabalho e educação. Campinas, SP: Editora Alínea, 2004.

PANTEL, P. S. Introdução: Um fio de Ariadne. In: DUBY, G; PERROT, M. História das mulheres no ocidente: A antiguidade. Tradução de Maria Helena da Cruz Coelho et al. Porto, PT: Afrontamento, 1990, p. 19-27.

SAFFIOTI, H. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1979.

SENNETT, R. O artífice. Tradução de Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Record, 2009.

Como Citar
Alves, A. E. S. (1). Fundamentos históricos da separação entre trabalho de homem e trabalho de mulher: algumas notas. Revista HISTEDBR On-Line, 11(41), 174-187. https://doi.org/10.20396/rho.v11i41.8639844
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)