Banner Portal
Professoras virtuosas; mães educadas: retratos de mulheres nos tempos da república brasileira (séculos XIX/XX)
PDF

Palavras-chave

Mulheres. Religião. Educação feminina. Magistério

Como Citar

ALMEIDA, Jane Soares de. Professoras virtuosas; mães educadas: retratos de mulheres nos tempos da república brasileira (séculos XIX/XX). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 11, n. 42, p. 143–156, 2012. DOI: 10.20396/rho.v11i42.8639871. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639871. Acesso em: 15 jul. 2024.

Resumo

Nos tempos republicanos, o Brasil intentava consolidar-se como país independente e democrático. Apesar das ideias liberais e do surto progressista, os expoentes intelectuais republicanos ainda se apegavam aos valores morais de fundo religioso na ordenação social, o que indubitavelmente também acontecia em quase todo o território nacional nos centros mais desenvolvidos. Dentre esses valores, a educação feminina e o papel das mulheres como sustentáculo da família e da Pátria, eram ressaltados. O discurso da época enfatizava a necessidade de educação para as mulheres como pano de fundo para a educação dos homens e o desenvolvimento do País. O magistério exercido por mulheres era destacado no discurso oficial como forma de elevação moral. Os cânones educacionais vigentes erigiam uma figura feminina espelhada na religião católica, na qual a maternidade era um dos mais sagrados valores. A sociedade acatava os fins de sua educação e do seu trabalho no magistério, como um prolongamento da missão materna. Isso, entre outros fatores, contribuiu para a feminização da profissão e criou uma imagética social acerca das mulheres que ainda persiste nos tempos atuais.

https://doi.org/10.20396/rho.v11i42.8639871
PDF

Referências

ALMEIDA, Jane Soares de. Ler as letras: por que educar meninas e mulheres? Campinas, Autores Associados; São Bernardo do Campo, Editora Metodista, 2007.

BENCOSTTA, Marcus Levy Albino. Mulher virtuosa, quem a achará? O discurso da Igreja acerca da educação feminina e o IV Congresso Interamericano de educação católica (1951). Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, Autores Associados, julho/dez. 2001, n. 02.

COOK, David. Uma sociedade pluralista. In: (vários autores). As religiões do mundo. São Paulo, Companhia das Letras, 1996.

LANE, Tony. A nova comunidade da Igreja. In: (vários autores): As religiões do mundo: do primitivismo ao século XX. São Paulo, Companhia Melhoramentos, 1996.

MULLER, Lúcia. As construtoras da nação: professoras primárias na Primeira República. Niterói, Intertexto, 1999.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar. Brasil 1890/1930. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

SADGROVE, Michael. Ramificações da Igreja. In: As religiões do mundo: do primitivismo ao século XX. São Paulo, Companhia Melhoramentos, (vários autores), 1996.

SOUZA, Sandra Duarte de. Violência de gênero e religião: alguns questionamentos que podem orientar a discussão sobre a elaboração de políticas públicas. São Bernardo do Campo, Mandrágora, ano XIII, n. 13, 2007.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.