Professoras virtuosas; mães educadas: retratos de mulheres nos tempos da república brasileira (séculos XIX/XX)

Autores

  • Jane Soares de Almeida Universidade de Sorocaba (UNISO)

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v11i42.8639871

Palavras-chave:

Mulheres. Religião. Educação feminina. Magistério

Resumo

Nos tempos republicanos, o Brasil intentava consolidar-se como país independente e democrático. Apesar das ideias liberais e do surto progressista, os expoentes intelectuais republicanos ainda se apegavam aos valores morais de fundo religioso na ordenação social, o que indubitavelmente também acontecia em quase todo o território nacional nos centros mais desenvolvidos. Dentre esses valores, a educação feminina e o papel das mulheres como sustentáculo da família e da Pátria, eram ressaltados. O discurso da época enfatizava a necessidade de educação para as mulheres como pano de fundo para a educação dos homens e o desenvolvimento do País. O magistério exercido por mulheres era destacado no discurso oficial como forma de elevação moral. Os cânones educacionais vigentes erigiam uma figura feminina espelhada na religião católica, na qual a maternidade era um dos mais sagrados valores. A sociedade acatava os fins de sua educação e do seu trabalho no magistério, como um prolongamento da missão materna. Isso, entre outros fatores, contribuiu para a feminização da profissão e criou uma imagética social acerca das mulheres que ainda persiste nos tempos atuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jane Soares de Almeida, Universidade de Sorocaba (UNISO)

Universidade de Sorocaba (UNISO)

Referências

ALMEIDA, Jane Soares de. Ler as letras: por que educar meninas e mulheres? Campinas, Autores Associados; São Bernardo do Campo, Editora Metodista, 2007.

BENCOSTTA, Marcus Levy Albino. Mulher virtuosa, quem a achará? O discurso da Igreja acerca da educação feminina e o IV Congresso Interamericano de educação católica (1951). Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, Autores Associados, julho/dez. 2001, n. 02.

COOK, David. Uma sociedade pluralista. In: (vários autores). As religiões do mundo. São Paulo, Companhia das Letras, 1996.

LANE, Tony. A nova comunidade da Igreja. In: (vários autores): As religiões do mundo: do primitivismo ao século XX. São Paulo, Companhia Melhoramentos, 1996.

MULLER, Lúcia. As construtoras da nação: professoras primárias na Primeira República. Niterói, Intertexto, 1999.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar. Brasil 1890/1930. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

SADGROVE, Michael. Ramificações da Igreja. In: As religiões do mundo: do primitivismo ao século XX. São Paulo, Companhia Melhoramentos, (vários autores), 1996.

SOUZA, Sandra Duarte de. Violência de gênero e religião: alguns questionamentos que podem orientar a discussão sobre a elaboração de políticas públicas. São Bernardo do Campo, Mandrágora, ano XIII, n. 13, 2007.

Downloads

Como Citar

ALMEIDA, J. S. de. Professoras virtuosas; mães educadas: retratos de mulheres nos tempos da república brasileira (séculos XIX/XX). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 11, n. 42, p. 143–156, 2012. DOI: 10.20396/rho.v11i42.8639871. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639871. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos