Livrinhos que eram verdadeiros tesouros: leituras para crianças no Brasil imperial

Autores

  • Carlos Antônio Pereira Gonçalves Filho Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v11i42.8639875

Palavras-chave:

Educação. Obras Educativas. Gênero. Infância

Resumo

Este artigo apresenta uma breve análise de duas obras voltadas à educação do público infantil durante o século XIX: o Tesouro de Meninas e o seu congênere, o Tesouro de Meninos. Publicados originalmente na Europa, estes livros ajudaram a difundir modelos de comportamento para os/as filhos/as das camadas médias e altas da sociedade brasileira do Império. O conteúdo dessas obras mesclava lições de história, geografia e ciências naturais com lições de ordem moral constituindo um compêndio de conhecimentos gerais para uso nas escolas e na educação doméstica. Os textos destes livros foram compostos no formato de diálogos em que um personagem adulto ensina às crianças as regras do bem viver dentro e fora de casa. Como recursos didáticos, estes livros se valiam de contos, fábulas e biografias de celebridades históricas, de modo a introjetarem nos/as pequenos/as leitores/as os exemplos de conduta que deveriam seguir. Através de suas páginas, meninos e meninas deveriam aprender, assim, a representar os papéis sociais almejados por seus progenitores numa sociedade organicamente constituída.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Antônio Pereira Gonçalves Filho, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Mestre em História pela Universidade Federal de Pernambuco. Doutorando em História pela mesma universidade.

Referências

BLANCHARD, Pedro. Tesouro de Meninos. Obra clássica divida em três partes: moral, virtude e civilidade. Vertida em português e oferecida à mocidade portuguesa e brasileira por Matheus José da Costa. Sexta edição, emendada, ornada com 16 estampas e enriquecida de extractos de poesia para facilitar a leitura dos versos, de noções preliminares de arithmetica ou as quatro operações de um compêndio de história sagrada, de breves noções de geographia, e da tabela dos reis de Portugal. Lisboa: Typographia de Antônio José da Rocha, 1851. Disponível em: http://www.caminhosdoromance.iel.unicamp.br/biblioteca/index.htm. Acesso em: 20 ago. 2008.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismos e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

ELIAS, Norbert. O Processo Civilizador: uma história dos costumes. Tradução de Ruy Jungman. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1994.

GUIMARÃES, Maria de Fátima. Percurso no pensamento e na prática dos feminismos. Introdução à abordagem de gênero. Gênero & História: Caderno de História do Departamento de História da UFPE. Recife, ano 1, n. 1, p.7-22, setembro de 2002.

GOMÁRIZ, Enrique. Los estudios de género y sus fuentes epistemologicas: periodización y perspectivas. In: RODRÍGUES, Regina (Ed). Fin de siglo: género y cambio civilizatório. Santiago: Isis Internacional, 1992. p. 83-110. (Ediciones de las Mujeres, n. 17).

GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no império brasileiro. São Paulo: Cortez, 2008.

GONÇALVES, Andrea Lisly. História e Gênero. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

GONÇALVES FILHO, Carlos Antônio Pereira. Honradas Senhoras & Bons Cidadãos: gênero, imprensa e sociabilidades no Recife oitocentista. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2010.

LAQUEUR, Thomas. Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Tradução de Vera Whately. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

LEPRINCE DE BEAUMONT, Jeanne Marie (madame). Tesouro de Meninas ou Diálogos entre uma sábia aia e suas discípulas. Tradução de Joaquim Ignácio de Frias e refundido, corrigido e aumentado na segunda edição de 1861 por J. F dos Santos. Seleção e prefácio de Ana Maria Machado. Rio de Janeiro: Lexicon, 2008.

LUNA, Lola González. Apuntes sobre el discurso feminista en America Latina. Historia, Antropologia y Fuentes Orales. Barcelona, v. 2, n. 38, p. 145-162, 2007.

MACHADO, Ana Maria. Diálogos duradouros. In: LEPRINCE DE BEAUMONT, Jeanne Marie (madame). Tesouro de Meninas ou Diálogos entre uma sábia aia e suas discípulas. Tradução de Joaquim Ignácio de Frias e refundido, corrigido e aumentado na segunda edição de 1861 por J. F dos Santos. Seleção e prefácio de Ana Maria Machado. Rio de Janeiro: Lexicon, 2008. p. 7-24.

MATOS, Maria Izilda Santos de. Por uma História da mulher. Bauru, SP: EDUSC, 2000.

MATTOS, Ilmar R. O Tempo Saquarema: a formação do Estado Imperial. São Paulo: Hucitec, 2004.

PEDRO, Joana Maria. Traduzindo o debate: o uso da categoria gênero na pesquisa histórica. História, São Paulo, v. 24, n. 1, p. 77-98, 2005.

SILVA, Adriana Maria Paulo da. Processos de construção das práticas de escolarização em Pernambuco, em fins do século XVIII e primeira metade do século XIX. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2007.

SILVA, Antônio de Moraes. Diccionario de Língua Portuguesa. Ed. fac-sim da segunda edição de 1813. Tomo I. Rio de Janeiro: Litho-Typografia Fluminense, 1922.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. 3a ed. Tradução de Christine Rufino Dabat e Maria Betânia Ávila. Recife: SOS Corpo, 1996.

SCOTT, Joan W. Prefácio a Gender and politics of history. Cadernos Pagu. São Paulo, n. 3, p. 11-27, 1994.

SCOTT, Joan W. História das Mulheres. In: BURKE, Peter (org). A Escrita da História: novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Unesp, 1992. p. 63-95.

SOINHET, Rachel. História das Mulheres. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo. Domínios da História: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997. p. 275-296.

VERRI, Gilda Whitaker: Tinta sobre papel: livros e leituras em Pernambuco no século XVIII, 1759-1807. v. 2. Recife: Ed. Universitária da UFPE / Secretaria de Educação e Cultura, Pernambuco, 2006.

Downloads

Como Citar

GONÇALVES FILHO, C. A. P. Livrinhos que eram verdadeiros tesouros: leituras para crianças no Brasil imperial. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 11, n. 42, p. 200–216, 2012. DOI: 10.20396/rho.v11i42.8639875. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639875. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos