Banner Portal
Livrinhos que eram verdadeiros tesouros: leituras para crianças no Brasil imperial
PDF

Palavras-chave

Educação. Obras Educativas. Gênero. Infância

Como Citar

GONÇALVES FILHO, C. A. P. Livrinhos que eram verdadeiros tesouros: leituras para crianças no Brasil imperial. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 11, n. 42, p. 200–216, 2012. DOI: 10.20396/rho.v11i42.8639875. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639875. Acesso em: 23 fev. 2024.

Resumo

Este artigo apresenta uma breve análise de duas obras voltadas à educação do público infantil durante o século XIX: o Tesouro de Meninas e o seu congênere, o Tesouro de Meninos. Publicados originalmente na Europa, estes livros ajudaram a difundir modelos de comportamento para os/as filhos/as das camadas médias e altas da sociedade brasileira do Império. O conteúdo dessas obras mesclava lições de história, geografia e ciências naturais com lições de ordem moral constituindo um compêndio de conhecimentos gerais para uso nas escolas e na educação doméstica. Os textos destes livros foram compostos no formato de diálogos em que um personagem adulto ensina às crianças as regras do bem viver dentro e fora de casa. Como recursos didáticos, estes livros se valiam de contos, fábulas e biografias de celebridades históricas, de modo a introjetarem nos/as pequenos/as leitores/as os exemplos de conduta que deveriam seguir. Através de suas páginas, meninos e meninas deveriam aprender, assim, a representar os papéis sociais almejados por seus progenitores numa sociedade organicamente constituída.

https://doi.org/10.20396/rho.v11i42.8639875
PDF

Referências

BLANCHARD, Pedro. Tesouro de Meninos. Obra clássica divida em três partes: moral, virtude e civilidade. Vertida em português e oferecida à mocidade portuguesa e brasileira por Matheus José da Costa. Sexta edição, emendada, ornada com 16 estampas e enriquecida de extractos de poesia para facilitar a leitura dos versos, de noções preliminares de arithmetica ou as quatro operações de um compêndio de história sagrada, de breves noções de geographia, e da tabela dos reis de Portugal. Lisboa: Typographia de Antônio José da Rocha, 1851. Disponível em: http://www.caminhosdoromance.iel.unicamp.br/biblioteca/index.htm. Acesso em: 20 ago. 2008.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismos e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

ELIAS, Norbert. O Processo Civilizador: uma história dos costumes. Tradução de Ruy Jungman. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1994.

GUIMARÃES, Maria de Fátima. Percurso no pensamento e na prática dos feminismos. Introdução à abordagem de gênero. Gênero & História: Caderno de História do Departamento de História da UFPE. Recife, ano 1, n. 1, p.7-22, setembro de 2002.

GOMÁRIZ, Enrique. Los estudios de género y sus fuentes epistemologicas: periodización y perspectivas. In: RODRÍGUES, Regina (Ed). Fin de siglo: género y cambio civilizatório. Santiago: Isis Internacional, 1992. p. 83-110. (Ediciones de las Mujeres, n. 17).

GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no império brasileiro. São Paulo: Cortez, 2008.

GONÇALVES, Andrea Lisly. História e Gênero. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

GONÇALVES FILHO, Carlos Antônio Pereira. Honradas Senhoras & Bons Cidadãos: gênero, imprensa e sociabilidades no Recife oitocentista. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2010.

LAQUEUR, Thomas. Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Tradução de Vera Whately. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

LEPRINCE DE BEAUMONT, Jeanne Marie (madame). Tesouro de Meninas ou Diálogos entre uma sábia aia e suas discípulas. Tradução de Joaquim Ignácio de Frias e refundido, corrigido e aumentado na segunda edição de 1861 por J. F dos Santos. Seleção e prefácio de Ana Maria Machado. Rio de Janeiro: Lexicon, 2008.

LUNA, Lola González. Apuntes sobre el discurso feminista en America Latina. Historia, Antropologia y Fuentes Orales. Barcelona, v. 2, n. 38, p. 145-162, 2007.

MACHADO, Ana Maria. Diálogos duradouros. In: LEPRINCE DE BEAUMONT, Jeanne Marie (madame). Tesouro de Meninas ou Diálogos entre uma sábia aia e suas discípulas. Tradução de Joaquim Ignácio de Frias e refundido, corrigido e aumentado na segunda edição de 1861 por J. F dos Santos. Seleção e prefácio de Ana Maria Machado. Rio de Janeiro: Lexicon, 2008. p. 7-24.

MATOS, Maria Izilda Santos de. Por uma História da mulher. Bauru, SP: EDUSC, 2000.

MATTOS, Ilmar R. O Tempo Saquarema: a formação do Estado Imperial. São Paulo: Hucitec, 2004.

PEDRO, Joana Maria. Traduzindo o debate: o uso da categoria gênero na pesquisa histórica. História, São Paulo, v. 24, n. 1, p. 77-98, 2005.

SILVA, Adriana Maria Paulo da. Processos de construção das práticas de escolarização em Pernambuco, em fins do século XVIII e primeira metade do século XIX. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2007.

SILVA, Antônio de Moraes. Diccionario de Língua Portuguesa. Ed. fac-sim da segunda edição de 1813. Tomo I. Rio de Janeiro: Litho-Typografia Fluminense, 1922.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. 3a ed. Tradução de Christine Rufino Dabat e Maria Betânia Ávila. Recife: SOS Corpo, 1996.

SCOTT, Joan W. Prefácio a Gender and politics of history. Cadernos Pagu. São Paulo, n. 3, p. 11-27, 1994.

SCOTT, Joan W. História das Mulheres. In: BURKE, Peter (org). A Escrita da História: novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Unesp, 1992. p. 63-95.

SOINHET, Rachel. História das Mulheres. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo. Domínios da História: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997. p. 275-296.

VERRI, Gilda Whitaker: Tinta sobre papel: livros e leituras em Pernambuco no século XVIII, 1759-1807. v. 2. Recife: Ed. Universitária da UFPE / Secretaria de Educação e Cultura, Pernambuco, 2006.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.