A escolarização dos negros e suas fontes de pesquisa

Autores

  • Daniela Cristina Lopes de Abreu Faculdade de Educação – USP – São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v11i42.8639877

Palavras-chave:

Negros. Escolarização. Fontes. Inclusão. Historiografia

Resumo

Esta pesquisa se propõe a discutir a escolarização dos negros no início do período Republicano e suas fontes de pesquisa. Trata-se de um período histórico no qual o negro passa a ser livre e ter direitos proclamados, no entanto, como foi o acesso e a permanência a escolarização? É possível investigar esses percursos recorrendo à história tida como oficial? Neste sentido, este trabalho busca analisar o alargamento da concepção de fontes em história da educação, no intuito de construir uma historiografia menos estereotipada.  O trabalho do pesquisador começa quando a partir desse campo já reproduzido, opera novos recortes, alocamentos e redistribuição dos documentos de um espaço específico de investigação, a partir de uma redifinição epstemológica que inclui o trabalho com os conceitos e o tratamento e a interpretação documental. Fazer pesquisa e consultar arquivos pode ser uma problematica a medida que o historiador formula suas questões. A reflexão sobre as fontes é também uma reflexão quanto aos limites das práticas institucionais no que se refere à localização, conservação e divulgação e ainda as práticas discursivas da história. Ao historiador tudo começa no estabelecimento de fontes. Este artigo tenta enfatizar que a fonte é construida a partir do recorte dado pelo historiador que recorta fragmentos do vivido, os subtrai do seu ambiente e os rearruma, montando novas séries. Para tanto, para o estudo do caso da escolarização dos negros é preciso investigar mais de um tipo de fonte como apresentaremos a seguir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Cristina Lopes de Abreu, Faculdade de Educação – USP – São Paulo

Doutoranda da Faculdade de Educação – USP – São Paulo e Professora da Escola Superior de Tecnologia e Educação de Rio Claro.

Referências

ANTUNHA, H. A instrução Pública no Estado de São Paulo: a reforma de 1920. São Paulo: EDUSP, 1976.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Onda negra, medo branco – o negro no imaginário das elites do século XIX. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

BARCELOS, Luiz Cláudio. Educação e desigualdades raciais no Brasil. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 86, p. 3-88, ago. 1993.

BARROS, Surya Aaronovich Pombo. Negrinhos que por ahi andão: a escolarização da população negra em São Paulo (1870 – 1920). São Paulo: FEUSP, 2005. (Dissertação de Mestrado).

BEISEIGEL, Celso Ribeiro. Estado e Educação Popular: um estudo sobre a educação de adultos. São Paulo: Pioneira, 1974.

BEISEIGEL, Celso Ribeiro. Relações entre a quantidade e a qualidade no ensino comum. In: Anais da I Conferência Brasileira de Educação. São Paulo: Cortez, p. 128-136, 1981.

BESSON, Jean-Louis. A ilusão das estatísticas. São Paulo: UNESP, 1995.

BUFFA, Ester. Arquitetura Escolar. São Paulo: Brasília: EdUFSCar, INEP, 2002.

BURKE, Peter. A revolução francesa da historiografia: a escola dos Annales 1929-1989. SP, Ed. UNESP, 1991.

CARVALHO, C. P. O difícil acesso à escola pública. Tese (Doutorado) – FE/UNICAMP, Campinas, 1988.

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. Molde Nacional e forma cívica: higiene, moral e trabalho no Projeto da Associação Brasileira de Educação (1924-1931). Tese (Doutorado), FEUSP, São Paulo, 1984.

CERTEAU, Michel de. A operação historiográfica. In: A escrita da História. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

CHATIER, Roger. A história cultural – entre práticas e representações. Lisboa, Difel, 1990.

CUNHA, Lídia Nunes. A população negra e os conteúdos ministrados na escola normal e nas escolas públicas primárias de Pernambuco, de 1919 a 1934. In: Romão Jeruse (org). História da Educação dos negros e outras Histórias. Brasília, MEC/SECAD, 2005.

CRUZ, Mariléia dos Santos. Uma abordagem sobre a escolarização dos negros. In: Romão Jeruse (org). História da Educação dos negros e outras Histórias. Brasília, MEC/SECAD, 2005.

DEMARTINI, Zeila de Brito Fabri. A escolarização do negro na cidade de São Paulo nas primeiras décadas do século. In: Revista da Ande, n. 14, 1989.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de. Dos pardieiros aos palácios: cultura escolar e urbana em Belo Horizonte na Primeira República, Passo Fundo: UPF, 2000.

BEISEIGEL, Celso Ribeiro. NEVES, Leonardo Santos, CALDEIRA, Sandra Maria. A estatística educacional e a instrução pública no Brasil: aproximações. In: CANDEIRAS, Antonio. (org). Modernidade, Educação e Estatística Ibero- América nos séculos XIX e XX: estudos sobre Portugal, Brasil e Galiza. Lisboa. Educa, 2005, p. 219—238.

FONSECA, Marcus Vinicius. Pretos, pardos, crioulos e cabras nas escolas mineiras do século XIX. Tese de doutorado. USP, São Paulo, 2007.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes. São Paulo. Companhia das Letras, 2006.

GOMES, Nilma Lino. A contribuição dos negros para o pensamento educacional brasileiro. In: SILVA, Petronilha B.G Silva, BARBOSA, Lucia Maria de Assunção (orgs.). O pensamento negro em educação no Brasil: expressões disciplina movimento negro . São Carlos: Ed. da UFSCar, 1997, p.17-30.

REIS Filho, C. A educação e a ilusão liberal. São Paulo: Cortez/ Autores associados, p. 35-69, 1981.

REIS Filho, C. Gilberto Freyre e a nova história: uma aproximação possível. In: SCHWARCZ, L. K. M. e GOMES, N. L. (org). Antropologia e história: debate em região de fronteira. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

HISLDORF, Maria Lúcia Spedo. História da Educação Brasileira: leituras. São Paulo. Pioneira Thomson Learning. 2003.

MAESTRI, Mario. A pedagogia do medo: disciplina, aprendizado e trabalho na escravidão brasileira. In: STEPHANOU, Maria e BASTOS, Maria Helena Câmara (org). História e Memória da Educação no Brasil (século XVI e XVIII). Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2004.

MACHADO, Sandra Maria Caldeira. Os serviços estatísticos em Minas Gerais na produção, classificação e consolidação da instrução pública primária (1871-1931). Dissertação de Mestrado. USP, São Paulo, 2008.

NUNES, Clarice; CARVALHO, Marta M. C. Historiografia da educação e fontes. In: GONDRA, José Gonçalves (Org.) Pesquisa em História da Educação no Brasil. Rio de Janeiro: DP&A, 2005, p. 17-62.

PERES, Eliane. Sob(re) o silêncio das fontes ... A trajetória de uma pesquisa em história da educação e o tratamento da questões étnico –raciais. In: Revista Brasileira de História da Educação. São Paulo: Sociedade Brasileira de História da Educação. Junho-dezembro, n. 4, 2002.

POPKEWITZ, T.S.; LINDBLAD, S. Estatísticas educacionais como um sistema de razão: relações entre governo da educação e inclusão e exclusão sociais. Educação & Sociedade, Campinas, v. 22, n. 75, p. 111-148, ago. 2001.

SANTOS, Hélio. A busca de um caminho para o Brasil. A trilha do círculo vicioso. Senac: São Paulo, 2001.

SANTOS, José Antônio. Etnicidade nação e cultura: intelectuais negros – educação e militância. Dissertação de Mestrado apresentada ao PPG de História da Universidade Federal Fluminense, 2002.

SCHWARCZ, Lilia Mortiz. Retrato em branco e negro: jornais, escravos e cidadãos em São Paulo no final do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

SILVA, Petronilha B. Gonçalves e BARBOSA, Lúcia M. A. O pensamento Negro em Educação no Brasil. São Carlos EdUFSCAR, 1997.

SILVA, Geraldo da. E ARAÚJO, Máricia. Da interdição escolar as ações educacionais de sucesso: escolas dos movimentos negros e escolas profissionais, técnicas e tecnológicas. In: Romão Jeruse (org). História da Educação dos negros e outras Histórias. Brasília, MEC/SECAD, 2005.

SOUZA, Rosa Fátima de. Templos de Civilização: um estudo sobre a implantação dos Grupos Escolares no Estado de São Paulo (1890 – 1910). Tese (Doutorado), USP/Faculdade de Educação, São Paulo, 1996.

SOUZA, Rosa Fátima de. O direito à educação: lutas populares pelas escolas em Campinas. Campinas: Editora Unicamp: Área de Publicações CMU/Unicamp, 1998.

SPOSITO, Marília Pontes. O povo via à escola. São Paulo: Loyola, 1984a.

SPOSITO, Marília Pontes. O direito à educação: omissão do Estado e o abandono da escola pública. Revista da Faculdade de Educação de São Paulo, v. 10, no 1, p. 33-39, 1984b.

THOMPSON, Edward Palmer. Folclore, antropologia e história social. . In: THOMPSON, Edward Palmer. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Org. e trad. Antonio Luigi Nero e Sergio Silva. Campinas: Editora da Unicamp, 2001, p. 227-268.

THOMPSON, Edward Palmer. Padrões e experiências. In: A formação da classe operária II. São Paulo: Paz e Terra, 1987, p. 179-224.

THOMPSON, Edward Palmer. Costumes em comum. Trad. Rosaura Eichemberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

VIDAL, Diana Gonçalves. Mapas de freqüência a escolas de primeiras letras: fontes para uma história da escolarização e do trabalho docente em São Paulo na primeira metade do século XIX. In: Revista Brasileira de História da Educação. São Paulo: Sociedade Brasileira de História da Educação. n° 17 maio/ago. 2008.

VEIGA, Cyntia Greive. A escolarização como projeto de civilização. In: Revista Brasileira de Educação, 2002, no 21.

VEIGA, Cyntia Greive. Crianças negras e mestiças no processo de institucionalização da instrução elementar, Minas Gerais, século XIX. In: Congresso Brasileiro de história da Educação, 3, 2004, Anais, Curitiba, Sociedade Brasileira de História da Educação, 2004.

Downloads

Como Citar

ABREU, D. C. L. de. A escolarização dos negros e suas fontes de pesquisa. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 11, n. 42, p. 235–248, 2012. DOI: 10.20396/rho.v11i42.8639877. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639877. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos