O ensino do canto orfeônico na escola secundária brasileira (décadas de 1930 e 1940)

Autores

  • Wilson Lemos Júnior Instituto Federal Catarinense (IFC)

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v11i42.8639880

Palavras-chave:

Educação Musical. Canto Orfeônico. História das Disciplinas

Resumo

Durante a história, vários filósofos, intelectuais, pedagogos, músicos ou mesmo leigos defenderam o ensino de Música como parte integrante da educação, tais como o pedagogo Fernando de Azevedo e o músico e compositor Heitor Villa-Lobos, sendo este um dos maiores responsáveis pela inclusão da disciplina de Música e Canto Orfeônico nas escolas brasileiras. Este artigo trata do processo de valorização e implantação do ensino de Música e Canto Orfeônico nas escolas brasileiras. Busca-se analisar no discurso destes personagens, as suas idéias a respeito do ensino de Música, assim como as suas finalidades, suas vantagens e sua relação com a escola moderna.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wilson Lemos Júnior, Instituto Federal Catarinense (IFC)

Mestre em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e docente do Instituto Federal Catarinense – Campus Araquari (IFC).

Referências

ABREU, Dr. Alysson de. Leis do Ensino Secundário e seus Comentários. Manual do Inspetor de Ensino Secundário. Graphica Queiroz Breyner Ltda., 1939, 2a edição.

ARRUDA, Yolanda de Quadros. Elementos de Canto Orfeônico. Companhia Editora Nacional, São Paulo, 1960, 33a edição.

BARRETO, Ceição de Barros Barreto. Côro orfeão. São Paulo: Companhia Melhoramentos, 1938.

CHASTEAU. Lições de pedagogia. Tradução de: Antonio Figeueirinhas. Porto: Ária Figueirinhas, 1899.

FREITAS, M. E. L.; TEITEL, S. F. Noções de Música e Canto Orfeônico: 1a série. Papelaria, 1941.

FRÓES, C. G. Educação – Civismo – Villa-Lobos (Palestra proferida no VI Ciclo de Palestras – Museu Villa-Lobos em 08/11/1971. Presença de Villa-Lobos. Rio de Janeiro, v.7, p.23 - 40, 1973.

SOUZA, V. de. O ensino de Musica. A Escola: Revista do Grêmio dos Professores Públicos do Estado do Paraná, Coritiba, ano II, jun./jul. 1907.

SOUZA, Veríssimo de. Educação esthetica. A Escola: Revista do Grêmio dos Professores Públicos do Estado do Paraná, ano V – Coritiba, abril a junho de 1910.

VILLA-LOBOS, H. Educação musical. Boletim Latino Americano de Música. Rio de Janeiro, v. I/6, abr., p. 515 - 588, 1946.

VILLA-LOBOS, H. Apelo ao chefe do Governo Provisório da República Brasileira. Presença de Villa-Lobos. Rio de Janeiro, v.7, p 85 - 87, 1973.

REFERÊNCIAS

AZEVEDO, F. A cultura brasileira: introdução ao estudo da cultura no Brasil. 4. ed. Brasília: Universidade de Brasília, 1963.

AZEVEDO, F. Novos caminhos e novos fins: a nova política da educação no Brasil. Subsídios para uma história de quatro anos. 3. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1958.

BENETT, R. Uma breve história da música. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar editor, 1986.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria e educação, Porto Alegre, n.2, p. 177-229, 1990.

CONTIER, A. D. Passarinhada do Brasil: canto orfeônico, educação e getulismo. Bauru: EDUSC, 1998.

GILIOLI, R. S. P. Canto Orfeônico na 1a república brasileira: a constituição de um campo disciplinar? [s/d]. Não publicado.

GOLDEMBERG, R. Educação musical: a experiência do canto orfeônico no Brasil. Disponível em http://www.samba-choro.com.br/print/debates/1033405862/index_hrml Acessado em: 9 jun. 2003.

GOODSON, I. F. Currículo: teoria e história. Petrópolis: Vozes, 1995.

GOODSON, I. F. La construcción social del curriculum: possibilidades y âmbitos de investigación de la historia del currículo. Revista de educación. Madri, 295, p.7-37, mayo-agosto, 1991.

HOBSBAWN, E. J. Nações e nacionalismo desde 1780: programa, mito e realidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

HOBSBAWN, E.; RANGER, T. A invenção das tradições. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

HORTA, J. S. B. A I Conferência Nacional de Educação ou de como monologar sobre educação na presença de educadores. In: GOMES, A. C. (org). Capanema: o ministro e seus ministérios. Rio de Janeiro: FGV, 2000.

JANNIBELLI, E. D. A Musicalização na escola. 1. ed., Estado da Guanabara, abr. 1971.

JARDIM, V. L. G. Os sons da República. São Paulo, 2003. 140 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – História, Política e Sociedade, PUC-SP.

JULIA, Domenique. Disciplinas escolares: objetivos, ensino e apropriação. In: LOPES, Alice Casimiro e MACEDO, Elizabeth (orgs.). Disciplinas e integração curricular: história e políticas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

KAMENS, D. e CHA, Y. K. La legitimación de nuevas asignaturas em la escolarización de masas: orígenes (siglo XIX) y difusión (siglo XX) de la enseñanza del arte y de la educación física. Revista de estudios del currículo, Barcelona, vol. 2, n. 1, enero. 1999.

KIEFER, B. Villa-Lobos e o modernismo na música brasileira. 2. ed. Porto Alegre: Movimento; Brasília: INL, 1986.

LENHARO, A. Sacralização da política. Campinas: Papirus, 2. ed., 1986.

MARQUES, Vera Regina Beltrão. A medicalização da raça: médicos, educadores e discurso eugênico – Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1994.

SCHWARTZMAN, S; BOMENY, H. M. B.; COSTA, V. M. R. Tempos de Capanema. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

SEVCENKO, N. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na primeira república. São Paulo: Brasiliense, 1999.

SEVCENKO, N. Orfeu extático na metrópole: São Paulo, sociedade e cultura nos frementes anos 20. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

SOUZA, R. F. de. Templos de civilização: a implantação da escola primária graduada no Estado de São Paulo: (1890 – 1910). São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1998.

VELLOSO, Mônica P. Os intelectuais e a Política cultural do Estado Novo In: Revista de sociologia e política – Estado Novo (1937 – 1945), Curitiba, n. 9, p. 57 - 74, 1997.

Downloads

Como Citar

LEMOS JÚNIOR, W. O ensino do canto orfeônico na escola secundária brasileira (décadas de 1930 e 1940). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 11, n. 42, p. 279–295, 2012. DOI: 10.20396/rho.v11i42.8639880. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639880. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos