Desafios à formação de professores alfabetizadores em curso de pedagogia

  • Benedita de Almeida UNIOESTE
Palavras-chave: Formação de professores. Linguagem e ensino. Alfabetização. Curso de pedagogia

Resumo

Este artigo discute resultados de pesquisa sobre a formação inicial de professores em um curso de pedagogia e seus desdobramentos na prática docente de ensino de língua materna nos anos iniciais do ensino fundamental. As reflexões, fundamentadas na teoria histórico-cultural do desenvolvimento, identificam e tomam como objeto de análise algumas características, contradições e impasses da prática pedagógica de um grupo de egressos do curso, professores nessa etapa escolar. Evidencia-se que as condições de formação e de trabalho do professor alfabetizador limitam a ancoragem de sua prática em bases científicas de conhecimento e a mobilização de saberes fundamentais veiculados no curso de graduação limitando-se as possibilidades de organização do ensino e de suas fontes de referência para contribuir à aprendizagem das crianças da classe trabalhadora. Identifica-se um descompasso entre as necessidades de formação nos anos iniciais de escolarização e as possibilidades dos professores que a efetuam, apontando a necessidade de redimensionamento na formação do professor e no curso de pedagogia.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Benedita de Almeida, UNIOESTE
Vinculada ao Centro de Ciências Humanas da Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, Paraná, Brasil, como Professora Associada e integrante do corpo permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da mesma Universidade, no campus de Francisco Beltrão, PR. 

Referências

ALMEIDA, Benedita de; FRANCISCHETT, Mafalda Nesi; PEDROSO, André P. Perfil e representações de egressos de curso de pedagogia no constituir-se professor. Seminário Nacional de Educação, 3 - Semana de Pedagogia, 14, Francisco Beltrão. Qual Educação? Qual Escola? Anais... Francisco Beltrão: UNIOESTE, 2010. p. 01-16. 01 CD-ROM.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. 9. ed. São Paulo: Hucitec, Annablume, 2002.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo, Martins Fontes, 2000.

BERALDO, Tânia Maria Lima; OLIVEIRA, Ozerina Victor. Comunidades epistêmicas e desafios da representação nas políticas curriculares do curso de Pedagogia. Revista Teias, p. 1-19. v. 11, n. 22, maio/agosto 2010 (Online). Disponível in: http://www.periodicos.proped.pro.br/index.php?journal=revistateias. Acesso em 13/09/2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 05/2005. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Diário Oficial da União, Brasília, 15 de maio de 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Legislação. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, v.134, n.248, 23 dez 1996. Seção 1, p.27834-27841.

BRITTO, Luiz Percival L. Educação linguística escolar: para além das obviedades. In: CORREA, Djane A.; SALEH, Pascoalina B. O. (Orgs). Estudos da linguagem e currículo: diálogos (im)possíveis. Ponta Grossa: UEPG, 2009.

BRZEZINSKI, Iria. Pedagogia, pedagogos e formação de professores. Campinas (SP): Papirus, 1996.

COOK-GUMPERZ, Jenny. A construção social da alfabetização. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

FARACO, Carlos Alberto; CASTRO, Gilberto de. Por uma teoria linguística que fundamente o ensino de língua materna (ou de como apenas um pouquinho de gramática nem sempre é bom). Educar em Revista, Curitiba, v. 15, p. 01-09, 1999. Disponível in: http://www.educaremrevista.ufpr.br/arquivos_15/faraco_castro.pdf Acesso em 14/03/2008.

GERALDI, J. Wanderley. Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

KLEIMAN. A. Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita (Org.). Campinas, SP: Mercado de Letras, 1995.

LEONTIEV, Alexei N. Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In: VYGOTSKY, Lev Semenovich. LURIA, Alexander Romanovich. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Trad. de Maria da Penha Villalobos. São Paulo: Ícone, 1988. p.59-83.

LESSA, Sérgio. Sociabilidade e individuação: a categoria da reprodução na ontologia de Lukacs. Maceió: Edufal, 1995.

MARCELO, Carlos. A identidade docente: constantes e desafios. Form. Doc., Belo Horizonte, v. 01, p. 109-131, ago./dez. 2009. Disponível em http://formacaodocente.autenticaeditora.com.br. Acesso em 22/01/2010.

MARINHO, Marildes. A Língua Portuguesa nos currículos de final de século. In:

BARRETO, Elba Siqueira de Sá. Os currículos do ensino fundamental para as escolas brasileiras. Campinas, SP: Autores Associados; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2000, pp. 43-90.

PIMENTA, Selma G. (Org.). Pedagogia: ciência da educação? São Paulo: Cortez, 2001.

PIMENTA, Selma G. Formação de professores: saberes da docência e a identidade do professor. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v. 22, n. 2. p. 72-89, jul./dez. 1996.

POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, Mercado de Letras; Associação de Leitura do Brasil, 1996.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1o e 2o graus. São Paulo: Cortez, 1996.

UNIOESTE. Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Resolução n. 374/2007. Aprova o Projeto Político-pedagógico do curso de Pedagogia, do Centro de Ciências Humanas - Campus de Francisco Beltrão. Cascavel: UNIOESTE/CEPE, 2007.

UNIOESTE. Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Resolução no 155/2003. Aprova Projeto Político Pedagógico do Curso de Pedagogia, do Centro de Ciências Humanas – Campus de Francisco Beltrão. Cascavel: UNIOESTE/CEPE, 2003.

UNIOESTE. Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Resolução no 239/99. Aprova o Projeto Político Pedagógico do Curso de Pedagogia, Campus de Francisco Beltrão. Cascavel: UNIOESTE/CEPE, 1999.

SHULMAN, Lee S. The wisdom of practice: essays on teaching and learning to teach. San Francisco: Jossey-Bass, 2004.

VARELA, J. Categorias espaço-temporais e socialização escolar. In: COSTA, M. V. (Org.). Escola básica na virada do século: cultura, política e currículo. Porto Alegre: FACED/UFRGS, 1995, p. 37-56.

WEBER, Silke. Profissionalização docente e políticas públicas no Brasil. Educ. Soc., Campinas, vol. 24, n. 85, p. 1125-1154, dez., 2003.

VYGOTSKY, Lev S. A construção do pensamento e da linguagem. Trad. Paulo Bezerra. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

VIGOTSKI, Lev S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6. ed. Trad. José Cipolla Neto. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

Como Citar
Almeida, B. de. (1). Desafios à formação de professores alfabetizadores em curso de pedagogia. Revista HISTEDBR On-Line, 11(41e), 84-102. https://doi.org/10.20396/rho.v11i41e.8639897
Seção
Artigos