Paulo Freire e Antonio Gramsci: a filosofia da práxis na ação pedagógica e na educação de educadores

Autores

  • Peri Mesquida Pontifícia Universidade Católica do Paraná- PUCPR

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v11i43.8639926

Palavras-chave:

Educação. Filosofia da práxis. Pedagogia libertação

Resumo

Durante sua permanência no Chile (1964 – 1969), Paulo Freire reencontrou-se com o materialismo dialético e histórico e aprofundou as leituras das obras de Karl Marx e Friederich Engels. No entanto, entre os autores marxistas com os quais entrou em contato quem mais o impressionou foi Antonio Gramsci (1893 – 1937). Iremos, pois, neste artigo, aproximar conceitos de Gramsci com outros de Paulo Freire (1921 – 1997), à luz, no caso de Freire, em especial, da obra intitulada Pedagogia do Oprimido e, no que diz respeito a Gramsci, usaremos, em particular, os Quaderni del carcere, edição de 1975. Procuramos, também, verificar o que pensam Freire e Gramsci sobre a educação do educador. Freire começou a refletir sobre a educação e a colocar em prática suas ideias pedagógicas a partir, em especial, da metade da década de 1950, enquanto Gramsci, italiano, desenvolveu sua obra política, sociológica e filosófica, em particular, de 1916 a 1937. Freire centrou sua atenção sobre aqueles que ele chamava de “oprimidos” do capitalismo periférico, isto é, sobre aqueles a quem a “palavra havia sido negada”; Gramsci centrou sua reflexão e sua ação, particularmente, sobre os operários italianos e sobre os que sofriam a opressão fascista na Itália. Tanto em um caso quanto no outro, tratava-se do Estado utilizando continuamente a força (coerção) e às vezes a persuasão (formação da mentalidade) para exercitar o poder de maneira a não ter qualquer tipo de oposição; Freire buscou em autores, sobretudo europeus, mas também norte-americanos (Horace Mann, C. Rogers, J. Dewey), as idéias que poderiam lhe oferecer elementos teóricos sólidos para construir um “edifício‟ epistemológico capaz de dar sustentação a uma teoria da educação que tivesse condições de nutrir uma prática pedagógica libertadora; Gramsci buscou as categorias filosóficas e sociológicas que serviram de base para sua reflexão e sua ação, particularmente em Karl Marx, F. Engels, e Lênin.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Peri Mesquida, Pontifícia Universidade Católica do Paraná- PUCPR

Professor Titular da Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Referências

FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação. Uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Moraes, 1980.

FREIRE, P. Conscientización: teoria y pratica de la liberación. Buenos Aires: Busqueda, 1974a.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

FREIRE, P. Extensão e comunicação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

FREIRE, P. Las iglesias, la educación y el proceso de liberación humana en la historia. Buenos Aires: Editorial la Aurora, 1974b.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

FREIRE, P. Professora sim, tia não. Cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d‟Água, 1997.

FURTER, P. Les espaces de la formation. Lausanne : Presses Universitaires Romandes, 1983.

GRAMSCI, A. L’Ordine Nuovo. Torino: Einaudi, 1987.

GRAMSCI, A. Quaderni del carcere. Torino: Einaudi, 1975.

LÉVÊQUE, R. & BEST, F. Traité des sciences pédagogiques. Paris : PUF, 1969.

MARX, K. A ideologia alemã. São Paulo: Grijalbo, 1974.

MEMI, A. Retrato do colonizado precedido do retrato do colonizador. São Paulo: Ed. Civilização Brasileira, 2004.

Downloads

Como Citar

MESQUIDA, P. Paulo Freire e Antonio Gramsci: a filosofia da práxis na ação pedagógica e na educação de educadores. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 11, n. 43, p. 32–41, 2012. DOI: 10.20396/rho.v11i43.8639926. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639926. Acesso em: 27 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos