Memórias da educação: a alfabetização de jovens e adultos em 40 horas (Angicos/RN, 1963)

Autores

  • Maria Elizete Guimarães Carvalho Universidade Federal da Paraíba – UFPB
  • Maria das Graças da Cruz Barbosa Universidade Federal da Paraíba – UFPB

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v11i43.8639928

Palavras-chave:

Memória. História. Método Paulo Freire. Alfabetização de Jovens e Adultos

Resumo

O propósito desse estudo é refletir sobre as memórias do projeto de alfabetização denominado 40 Horas de Angicos, experiência de educação popular desenvolvida no início dos anos 1960, na cidade de Angicos/RN. As memórias dessa experiência educacional caracterizam-se pelos aspectos de transformação e de conservação, encontrando-se em processo de desaparecimento, tendo em vista o esquecimento, a amnésia e o retraimento que caracterizam o ato de lembrar nos indivíduos e nas sociedades. Considerando essa afirmação, o artigo também discute as relações entre história e memória, a importância de um trabalho conjunto que contemple e recolha vivências, vestígios, reminiscências, eventos educacionais, enriquecendo o campo epistemológico da História da Educação. As 40 Horas de Angicos alfabetizou cerca de 300 adultos em 40 horas, utilizando-se de práticas educacionais orientadas por Paulo Freire, estando presente nas lembranças, nos silêncios e nos esquecimentos dos participantes, que denunciaram a extinção dos vestígios, como a destruição dos espaços que foram círculos de cultura, o desaparecimento da memória e da história. As reflexões fundamentaram-se nos estudos de Bergson, Halbwachs, Hobsbawm sobre a memória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Elizete Guimarães Carvalho, Universidade Federal da Paraíba – UFPB

Professora associada da Universidade Federal da Paraíba e credenciada aos Programas de Pós-Graduação em Educação, PPGE/UFPB e de Pós-Graduação em Direitos Humanos, PPGDH/UFPB.

Maria das Graças da Cruz Barbosa, Universidade Federal da Paraíba – UFPB

Graduanda em Pedagogia e voluntária de iniciação científica.

Referências

ARAÚJO, Francisco. As 40 Horas de Angicos. Angicos, RN, 2006. Mimeografado.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução Sérgio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Obras Escolhidas, v. 1).

BERGSON, Henri. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. Tradução Paulo Neves da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

BURKE, Peter. A Revolução Francesa da historiografia: a Escola dos Annales, 1929-1989. Tradução Nilo Odália. 3. ed. São Paulo: Editora da UNESP, 1991.

CARVALHO, M. E. G. Memórias da “Campanha de Pé no Chão”: 1961-1964 (o testemunho dos participantes). 2000. 442 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2000.

COSTA, Valdice I. As 40 Horas de Angicos. Angicos, RN, 2011. Mimeografado.

GERMANO, José W.; PAIVA, M. Educação popular no Rio Grande do Norte: 1958-1960. Secretaria de Estado da Educação da Cultura e dos Desportos, Subcoordenadoria de Educação de Jovens e Adultos, Natal, n. 2, p. 3-16, 2006.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 2006.

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HOBSBAWM, Eric. Tempos interessantes: uma vida no século XX. Tradução S. Duarte. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

JEDLOWSKI, Paolo. Memória e mídia: uma perspectiva sociológica. In: SÁ, C. P. (Org.). Imaginário e representações sociais. Rio de Janeiro: Museu da República, 2005.

KARNAL, Leandro; TATSCH, Flávia Galli. Documento e história: a memória evanescente. In: PINSKY, Carla B; LUCA, Tânia Regina de. (Orgs.). O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2009.

LE VEN, Michel M.; FARIA, Érica de; MOTTA, Miriam H. de Sá. História oral de vida: o instante da entrevista. In: VON SIMSON, Olga R. de Morais (Org.). Os desafios contemporâneos da história oral. Campinas: CMU Publicações, 1997.

LYRA, Carlos. As quarenta horas de Angicos: uma experiência pioneira de educação. São Paulo: Cortez, 1996.

MADRUGA, W. Paulo Freire: educação e desinformação. Tribuna do Norte, Natal, 21 ago. 2005.

MELO, Maria Eneide de Araújo. As 40 Horas de Angicos. Angicos, RN, 2007. Mimeografado.

MELO, Maria Eneide de Araújo. As 40 Horas de Angicos. Angicos, RN, 2011. Mimeografado.

SELIGMANN-SILVA, M. Reflexões sobre a memória, a história e o esquecimento. In: SELIGMANN-SILVA, M. (Org.). História, memória e literatura: o testemuno na era das catástrofes. Campinas, SP: Editora Unicamp, 2003.

MONTENEGRO, Antônio Torres. História oral e memória: a cultura popular revisitada. São Paulo: Contexto, 1996.

SILVA, Dicla N; ALCÂNTARA, Vitória C; ELEUTÉRIO, Paula F. da S. A educação de jovens e adultos e sua trajetória na SECD. Secretaria de Estado da Educação da Cultura e dos Desportos, Subcoordenadoria de Educação de Jovens e Adultos, Natal, n. 10, p. 6-12, 2006.

SILVA, Idália M. As 40 Horas de Angicos. Angicos, RN, 2011. Mimeografado.

SOARES, Magda. Metamemórias-memórias: travessia de uma educadora. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

VASCONCELOS, H. A campanha de pé no chão. Natal, RN, 2000. Mimeografado.

Downloads

Como Citar

CARVALHO, M. E. G.; BARBOSA, M. das G. da C. Memórias da educação: a alfabetização de jovens e adultos em 40 horas (Angicos/RN, 1963). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 11, n. 43, p. 66–77, 2012. DOI: 10.20396/rho.v11i43.8639928. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639928. Acesso em: 18 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos