O ensino regular da caligrafia: a experiência da escola americana de Curitiba no final do século XIX e início do século XX

Autores

  • Geysa Spitz Alcoforado de Abreu Universidade Estadual de Santa Catarina - UDESC

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v11i43.8639933

Palavras-chave:

Cultura escolar. Escola Americana. Ensino de Caligrafia. História da Educação. Paraná

Resumo

Este trabalho examina uma experiência de ensino da escrita, do final do século XIX às primeiras décadas do século XX, partindo da análise das transformações sofridas no ensino regular da caligrafia na Escola Americana de Curitiba. No processo de alfabetização, ainda no século XIX, a escrita adquiriu o mesmo estatuto da leitura, devendo ser ensinada simultaneamente, em substituição ao ensino sucessivo, onde o aluno primeiro aprendia a ler para depois aprender a escrever. Na Escola Americana de Curitiba, o método utilizado para o ensino da escrita sofreu alterações ao longo dos anos. Em 1892, distanciando-se dos métodos utilizados na maioria das escolas brasileiras da época, nas quais os alunos aprendiam a escrever cobrindo o traçado do professor, os alunos principiantes começavam a escrever primeiro em suas lousas, para depois passar para o traçado a lápis nos livros em branco; nas séries seguintes, utilizava-se a pena. Nos Estados Unidos, na virada do século, visando atender às necessidades do mundo em transformação, surgiu a proposta da caligrafia muscular. Na década de 1920, há indicativos de que já estivesse em uso na Escola Americana de Curitiba um método americano de caligrafia muscular, “The Palmer Method of Business Writing”, que continuaria a ser empregado até a década de 1950.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geysa Spitz Alcoforado de Abreu, Universidade Estadual de Santa Catarina - UDESC

Professora Adjunta do Centro de Ciências Humanas e da Educação (FAED) da Universidade do Estado de Santa Catarina. Doutora em Educação pela PUC-SP.

Referências

ABREU, Geysa Spitz Alcoforado de. Escola Americana de Curitiba (1892-1934): um estudo do americanismo na cultura escolar. Dissertação de mestrado. PUC/SP. 2003.

ABREU, Geysa Spitz Alcoforado de. O ensino regular da caligrafia: a experiência da Escola Americana de Curitiba no final do século XIX e início do século XX In: III Congresso Brasileiro de História da Educação, 2004, Curitiba. A educação escolar em perspectiva histórica. Curitiba-PR: Editora Universitária Champagnat, 2004. v.01. p.250.

ABREU, Geysa Spitz Alcoforado de. Fecundidade, desafios e possibilidades do uso de arquivos escolares como fonte para pesquisas de História da Educação. Revista de Educação FABE, v. 1, p. 69-74, 2010.

BATISTA, Antônio Augusto Gomes. Paleógrafos ou livros de leitura manuscrita: elementos para o estudo do gênero. Memória da leitura, Campinas, SP: Instituto de Estudos da Linguagem. 2002. Disponível em: http://www.unicamp.br/iel/memoria/Ensaios/Batista/ batista.htm. Acesso em 27 ago. 2004.

BARBANTI, Maria Lúcia Spedo Hilsdorf. Escolas americanas de confissão protestante na Província de São Paulo: um estudo de suas origens. Dissertação de mestrado, Faculdade de Educação, da Universidade de São Paulo. 1977.

HILSDORF, Maria Lúcia Spedo. Francisco Rangel Pestana: jornalista, político, educador. Tese de doutorado, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. 1986.

JULIA, Dominique. A Cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação. Tradução: Gizele de Souza. São Paulo: Autores Associados, n.o 1, janeiro/junho, pp.9-43. 2001.

VIDAL, Diana G. Da caligrafia à escrita: experiências escolanovistas com caligrafia muscular nos anos 30. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v. 24, no1, p. 126-140, jan./jun. 1998.

VIDAL, Diana G. Escola Nova e processo educativo. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes; VEIGA, Cynthia Greive (orgs.) 500 anos de Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica Editora. 2000.

VIDAL, Diana Gonçalves; Gvirtz, Silvina. O ensino da escrita e a conformação da modernidade escolar: Brasil e Argentina (1880-1940). Revista Brasileira de Educação, no 08, mai/jun/jul/ago. 1998.

VIÑAO FRAGO, Antônio; ESCOLANO, Augustin. Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. Tradução: Alfredo Veiga Neto. Rio de Janeiro: DP&A. 1998.

WARDE, Mirian Jorge. Americanismo e Educação: a fabricação do “homem novo”. Projeto de pesquisa desenvolvido no Programa EHPS, com apoio da Capes e do CNPq. 2001.

WARDE, Mirian Jorge; CARVALHO, Marta Maria Chagas de. Política e cultura na produção da História da Educação no país. Contemporaneidade e Educação: revista semestral de Ciências Sociais e Educação, Rio de Janeiro, 2000, ano V, n. o 07, pp. 09-33.

Downloads

Como Citar

ABREU, G. S. A. de. O ensino regular da caligrafia: a experiência da escola americana de Curitiba no final do século XIX e início do século XX. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 11, n. 43, p. 132–142, 2012. DOI: 10.20396/rho.v11i43.8639933. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639933. Acesso em: 17 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)