Banner Portal
Entre o passado e o presente: quais as perspectivas de educação para o futuro dos trabalhadores e trabalhadoras empobrecidos em territórios da Amazônia maranhense?
PDF

Palavras-chave

Capitalismo. Amazônia Maranhense. Trabalhadores rurais

Como Citar

ROSAR, M. de F. F. Entre o passado e o presente: quais as perspectivas de educação para o futuro dos trabalhadores e trabalhadoras empobrecidos em territórios da Amazônia maranhense?. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 11, n. 43e, p. 5–27, 2012. DOI: 10.20396/rho.v11i43e.8639951. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639951. Acesso em: 3 mar. 2024.

Resumo

O texto estabelece as relações historicamente construídas como resultado do desenvolvimento do capitalismo, desde o século XVII, em território da Amazônia Maranhense, em que a terra tem sido fator determinante para a produção da desigualdade econômica e social. Mostrando os impactos do processo de cercamento das terras, questiona a estrutura fundiária predominantemente contrária ao desenvolvimento das populações dos trabalhadores e trabalhadoras rurais. Destaca a terra como variável determinante no processo de transformação dessa realidade e a educação, com qualificação profissional das populações que habitam territórios rurais, como instrumentos determinantes para sua participação política e conquista dos seus direitos sociais e econômicos.

https://doi.org/10.20396/rho.v11i43e.8639951
PDF

Referências

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de (org.) Economia do babaçu – levantamento preliminar de dados/Alfredo Wagner Berno de Almeida, Joaquim Shiraishi Neto, Benjamin Alvino de Mesquita (orgs). Helciane de Fátima Abreu Araújo, Cynthia Carvalho Martins, Miguel Henrique P. Silva. 2a ed. São Luís, MIQCB/Balaios Typographia, 2001.

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. Os quilombolas e a base de lançamento de foguetes de Alcântara. Brasília, MMA, 2006.

ARAÚJO, Helciane de Fátima Abreu. Quebradeiras de coco babaçu. A resistência viva contra práticas de genocídio. São Luís, Vias de Fato. Jornalismo a serviço da causa popular, maio de 2010.

ARCANGELI, Alberto. O mito da terra: uma análise da colonização da pré-amazônia maranhense. São Luís, EDUFMA, 1987.

ASSELIN, Victor. Grilagem: corrupção e violência em terra de Carajás. Petrópolis:Vozes, 1982.

BRASIL/IBGE. Censo Agropecuário. Agricultura familiar . Brasília:IBGE, 2006

BRASIL, Ministério do Desenvolvimento Agrário – Gênero, agricultura familiar e reforma agrária no Mercosul. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2006.

CABRAL, Maria Regina Martins & ROSAR, Maria de Fatima Felix. Construindo com os jovens um novo ensino médio e educação profissional na região dos lagos- baixada maranhense. In Revista Pedagogia Cotidiano Ressignificado, no 1, Editora Central dos Livros, São Luis, 2005.

CABRAL, Maria Regina Martins & ROSAR, Maria de Fatima Felix (org.). Ensino Médio e Educação Profissional no Maranhão. Editora Central dos Livros, São Luís, 2004.

CABRAL, Maria Regina Martins & ROSAR, Maria de Fatima Felix (orgs). Projeto Jovem Cidadão. Editora Central dos Livros, São Luís, 2004.

CARTER, Miguel (org.) Combatendo a desigualdade social. O MST e a reforma agrária no Brasil. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

CARVALHO, Alexandre Xavier Ywata; ALBUQUERQUE, Carlos Wagner; MOTA, José Aroudo; PIANCASTELLI, Marcelo. Dinâmica dos municípios. Brasília: IPEA, 2007.

CASTELAR, Armando & SICSÚ, João. Sociedade e economia. Estratégias de crescimento e desenvolvimento. Brasília: IPEA, 2009.

IVO, Anete Brito Leal. Viver por um Fio: pobreza e política social. São Paulo: Annablume; Salvador: CRH/UFBA, 2008 (Trabalho e contemporaneidade).

LACROIX, Maria de Lourdes Lauande. A educação na baixada maranhense,1822-1589.São Luís:SECMA, 1982.

MAY, P.H. Palmeiras em chamas: transformação agrária e justiça social na zona babaçu.São Luís, EMAPA/FINEP/Fundação Ford, 1990.

MESQUITA, Benjamin. Alvino de. A crise da economia do babaçu no Maranhão (1920-80). Revista de Políticas Públicas, São Luís, v.2, n.2, p.61-76,jul/dez.1996.

MESQUITA, Benjamin. Alvino de. A transformação da pecuária maranhense sob a ação governamental e as forças de mercado.: ritmo e rumos da ação do capital no período de 1970 a 2000. 2006. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Maranhão – Université Paris III – Sorbonne Nouvelle, São Luís.

MESQUITA, Benjamin. Alvino de. As nulheres agroextrativistas do babaçu. Revista de Políticas Públicas, São Luís, v.12, n.1, jan/jun, 2008.

PEREIRA JÚNIOR, Davi. Quilombos de Alcântara: território e conflito. O intrusamento do território das Comunidades Quilombolas de Alcântara pela empresa binacional Alcântara Cyclone Space. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2009.

PERICO, Rafael Echeverry. Identidade e território no Brasil. Brasília: Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura, 2009.

QUEIROZ, D.L.M. de. Viabilidade da utilização do carvão do coco de babaçu como alternativa energética para o parque guseiro da região de Carajás (versão preliminar) In: Relatório final do estudo sobre os complexos minero-metálicos na Amazônia Oriental: perspectivas e proposições de desenvolvimento regional. Projeto BRA/96/025-SUDAM/PNUD, Belém, 1999.

ROMANO, Jorge.O., ANDRADE, Maristela de Paula; ANTUNES, Marta. Olhar crítico sobre participação e cidadania : a construção de uma gocvernança democrática e participativa a partir do local. São Paulo: Expressão Popular: Action Aid Brasil, 2007.

SILVA, José de Ribamar Sá. Segurança alimentar, produção agrícola familiar e assentamentos de reforma agrária no Maranhão. São Luís:EDUFMA, 2008.

SPAVOREK, Gerd. (coord). A qualidade dos assentamentos da reforma agrária brasileira. São Paulo: Páginas e Letras, 2003. disponível em http://www.incra.gov.br

VEIGA, José Eli da. Cidades imaginárias:o Brasil é menos urbano do que se calcula.São Paulo:Autores Associados, 2002.

ZYLBERSZTAJN, Decio (coord). Reorganização do agronegócio do babaçu no Estado do Maranhão. Fundação Instituto de Administração; Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP, 2000.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.