O proformação e seu modelo de educação a distância

Autores

  • Raquel de Almeida Moraes Faculdade de Educação, UnB

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v11i44.8639990

Palavras-chave:

Política de Educação a Distância. PROFORMAÇÃO. Modelos Educacionais. Banco Mundial

Resumo

O artigo analisa o modelo de educação a distância adotado pelo Programa de Formação de Professores Leigos, PROFORMAÇÃO utilizando o método do materialismo histórico e dialético que articula as contradições no movimento da totalidade histórica.  A sua conclusão destaca que no seu modelo educacional há um vínculo direto entre educação e produção capitalista, que prioriza as competências e habilidades técnicas ao invés do conhecimento e ética política, mediante a metodologia do “aprender a aprender”  e da pedagogia das competências acentuando, no entanto, a alienação do professor-trabalhador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel de Almeida Moraes, Faculdade de Educação, UnB

Doutora em Educação e Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Educação, da Faculdade de Educação, UnB,

Referências

ANDRADE, Luciane Sá de. Formação de Professores em nível médio na modalidade a distância: a experiência do PROFORMAÇÃO. Campinas: Autores Associados, 2011.

AUGUSTO, Ubirajara José. Políticas Públicas para a Educação a Distância: O caso do PROFORMAÇÃO no Município de Formosa, Goiás. 2005. 120 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade de Brasília.

BARRETTO, Elba Siqueira de Sá. Novas Políticas Educacionais para velhas escolas rurais.Um estudo de caso no sertão do Piauí. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, 46, p. 23-49, ago, 1983.

BRASIL. MEC. Planejamento político-estratégico 1995/1998. Brasília, DF, 1995.

BRASIL. MEC. Boletins Técnicos do FUNDESCOLA. Brasília, DF. 1997-1999.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto, MEC. Secretaria de Educação a Distância, SEED. Programa de Formação de Professores em Exercício. Disponível em: http://www.mec.gov.br/seed/proform Acesso em: 18 de fevereiro de 2006.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto, MEC. Secretaria de Educação a Distância, SEED. Programa de Formação de Professores em Exercício. Disponível em: http://proformacao.proinfo.mec.gov.br/historico.asp Acesso em 09 de agosto de 2011.

BRASIL. Proformação : avaliação externa / pesquisadoras responsáveis Vera Maria N. S. Placco, Marli E. D. A. André, Bernadete A. Gatti. - Brasília: MEC/SEED - Secretaria de Educação a Distância, 2003.

BRASIL. MENEZES, Mindé; RAMOS, Wilsa M (Orgs). PROFORMAÇÃO: Guias de Estudo. Brasília: MEC/FUNDESCOLA, 2004.

BRASIL. Manual de Operacionalização do PROFORMAÇÃO. 4a ed. Brasília: MEC/FUNDESCOLA, 2004.

BELLONI, Maria Luisa. Educação a Distância. Campinas:Autores Associados, 1999. BOF, Alvana M.; SALGADO, Maria U. C; MOORE, Michael G.; MENEZES, Mindé B;

RAMOS, Wilsa M. O PROFORMAÇÃO: Proposta Pedagógica, Estrutura e Implementação. ABED. Disponível em: http://www2.abed.org.br/visualizaDocumento.asp?Documento_ID=70 Acesso em 18/12/2011.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva. São Paulo: Ed. Cortez & Autores Associados, 1984.

FOLHA DIRIGIDA, 04/06/2010. Rede privada possui mais professores "leigos". Disponível em: http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/rede+privada+possui+mais+professores+leigos/n1237654163058.html - Acesso em 31/08/2011.

FONSECA, Marilia. Banco Mundial e Educação a Distância. In: PRETTO, Nelson L. Globalização & Educação. 2. Ed. Ijuí: :Unijuí, 1999, p. 59-77.

GATTI, Bernadete. FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: A QUESTÃO PSICOSSOCIAL Cadernos de Pesquisa, n. 119, julho/ 2003, p. 191-204.

KAWAMURA, Lili K. Tecnologia e Política na Sociedade: Engenheiros, Reivindicação e Poder. São Paulo: Brasiliense, 1986.

KAWAMURA, Lili K. Novas tecnologias e educação. São Paulo: Ática, 1990. (Série Princípios)

MARX, Karl. Contribuição para a crítica da economia política (Prefácio). Lisboa, Estampa, col. Teoria, 1971.

MARX, K.; ENGELS, F. Textos, (1) (Crítica ao Programa de Gotha). São Paulo: Alfa-Ômega, 1977.

MORAES, Raquel de A. Banco Mundial, formação de professores e informática na educação. Revista Linhas Críticas, Brasília, v. 7 n. 12, jan./jun. 2001, p. 99-112.

MORAES, R. De. A.PROFORMAÇÃO: uma análise da influência do Banco Mundial na formação dos professores leigos. Revista Linhas Críticas, Brasília, v. 9, n. 17, 2003, p. 295-308.

MORAES, R. A; LIMA, Carlos A F. A política de formação de professores leigos no Brasil: o PROFORMAÇÃO. Universidade e Sociedade, Brasília/DF, Ano XV, n. 36, jul. 2005, p. 73-80.

ROBERTSON, Suzan L; DALE, Roger. O Banco Mundial, o FMI e as possibilidades da Educação Crítica. In: APPLE, M. W.; AU, W.;GANDIN. L.A.Educação Crítica: Análise Internacional. Porto Alegre: Artmed, 2011, p. 34-48.

SAVIANI, Dermeval. O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. In: FERRETI, Celso et. Al. (Orgs.) Novas Tecnologias, Trabalho e Educação.Petrópolis:Vozes, 1994, p. 147-164.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia Histórico-Crítica.Primeiras Aproximações.8a ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

SAVIANI, Dermeval. História das Idéias Pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007.

SAVIANI, Dermeval. Sistema Nacional de Educação articulado ao Plano Nacional de Educação.Revista Brasileira de Educação v. 15 n. 44 maio/ago. 2010, p.380-412.

SCAFF, Elisângela A. S. Os organismos internacionais e as tendências para o trabalho do professor. Campo Grande, MS: Editora, 2000.

SILVA JUNIOR, João dos Reis; KATO, Fabíola B. G.; SANTOS, Silvia A . In: SOUZA et Al.Educação a Distância: Diferentes abordagens críticas. São Paulo: Xamã, 2010, p. 33-52.

SILVA, Maria Abadia. Intervenção e Consentimento: a política educacional do Banco Mundial. 1. ed. Campinas: FAPESP / AUTORES ASSOCIADOS, 2002. v. 2002.

SILVA, Maria Abadia . Do projeto político do Banco Mundial ao Projeto político pedagógico da escola pública brasileira. Cadernos do CEDES (UNICAMP), Campinas- São Paulo, v. 23, n. 61, p. 283-301,2003.

SORDI, M.R. A face perversa da avaliação: elementos para uma leitura do papel da avaliação no projeto neoliberal. In: Avaliação/Rede de Avaliação Institucional de Educação Superior - RAIES, Revista trimestral da Rede. Campinas, Unicamp, 1998, p. 51-58.

SOUZA, José Nicolau de. Edurural / NE e a proposta pedagógica adaptada ao meio rural: a teoria se confirma na prática? / José Nicolau de Souza . – Natal (RN), 2001, 256 p.(Tese de Doutorado), UFRN.

TOMMASI, Livia; WARDE, Mirian; HADDAD, Sérgio (Orgs.): o Banco Mundial e as Políticas Educacionais. 2 Ed., São Paulo: PUC-SP e Cortez, 1998.

YAZBECK, D. C. Avaliação Educacional Básica: por entre alguns projetos que tecem a história e os caminhos da institucionalização. RBPAE. v 18, 2002, p.245-260.

WORLD BANK. Lifelong Learning in the Global Knowledge Economy: Challenges for Developing Countries. A World Bank Report. Washington, 2003.

WORLD TRADE ORGANIZTION (WTO). Council for Trade in Services Special Session. Communication from the United States: higher (tertiary) education, adult education and training. 2000. (S/CSS/W/23, 18 Dec. 2000). Disponível em: www.unesco.org/education/studyingabroad/highlights/global_forum/gats_he/us.pdf.

Downloads

Publicado

2012-06-25

Como Citar

MORAES, R. de A. O proformação e seu modelo de educação a distância. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 11, n. 44, p. 262–274, 2012. DOI: 10.20396/rho.v11i44.8639990. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639990. Acesso em: 7 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos